Beleza & Saúde

Aromaterapia e os Óleos Essenciais

26/01/2015

Como alguns já sabem, eu também tenho formação na área médica (sou Médica Veterinária) e tenho paixão por medicina alternativa e evito ao máximo usar medicamentos alopáticos. Opto sempre pela fitoterapia como chás, óleos essenciais e também, claro, praticar yoga pra me ajudar com problemas que surgem no dia-a-dia, como aquela dor de cabeça chata durante a tarde ou uma gripe que surgiu do nada. Nesses casos eu não tomo remédios, acho desnecessário tomar um comprimido de Paracetamol por causa de uma dor de cabeça ou outros medicamentos por causa de uma gripe.

Quando ficamos doentes é por causa de um desequilíbrio que permitiu que a “doença” se instalasse em nosso organismo e a melhor forma de se curar é buscar o reequilíbrio através de alimentação correta, sono correto e claro, as plantas que estão aí com tantas propriedades medicinais. Uma forma de ter essa “farmacinha” natural em casa são os Óleos Essenciais e a melhor forma de utilizá-los é através da aromaterapia que pode ser aplicada de diversas formas.

O que é Aromaterapia?

A aromaterapia é um ramo da fitoterapia na qual utiliza-se de Óleos Essenciais com finalidades terapêuticas, cosméticas e medicinais. Os tratamentos variam desde inalação, aplicação em massagens relaxantes e até na limpeza do ambiente. Sim, há Óleos Essenciais extremamente potentes como desinfetantes!

Óleos Essenciais X Essências

Os óleos essenciais são moléculas extraídas das plantas por diferentes processos, como a destilação, prensagem à frio entre outros. A diferença de um óleo essencial para uma essência, é que os óleos mantêm propriedades medicinais além do aroma agradável. Por exemplo, um óleo essencial de Lavanda trará tanto um cheiro gostoso pro ambiente (ou paciente) quanto propriedades anti-inflamatórias, anti-espasmódicas e diuréticas. Há uma vasta possibilidade de uso tanto na área da cosmética quanto na medicina, sendo comprovada a eficácia, por exemplo, do óleo de Melaleuca (Tea Tree) como forte desinfetante hospitalar (estudos comprovam sua eficácia contra as bactérias que provocam a infecção hospitalar) e como o óleo de Laranja para reduzir celulites.

Isso significa que utilizando um óleo essencial verdadeiro, podemos além de deixar o ambiente com aquele cheirinho gostoso, também tratar de problemas de saúde e emocionais. Cada óleo essencial atua em diversas funções através do olfato e absorção da pele, por isso também é muito utilizado em massagens ou banhos e são super concentrados. Na maioria das vezes duas ou três gotas são o suficiente pra uma sessão. Já as essências que encontramos em casas de produtos naturais são sintéticas, produzidas em laboratórios e não têm as propriedades medicinais nem terapêuticas, apenas proporcionam um bem-estar no ambiente por causa do aroma agradável (e deve-se evitar usá-las na pele).

Como diferenciar Óleo Essencial de uma essência sintética?

Quando frequentamos uma casa de produtos naturais, como o Mundo Verde entre outras, podemos ver uma grande quantidade de potinhos de essências, geralmente próximo aos incensos e difusores. Na maioria das vezes, o preço das essências é tabelado, então todas vão custar o mesmo valor, em torno de R$ 5 a R$ 10 aproximadamente. Já os Óleos Essenciais, devido ao processo de obtenção diferenciado, não possui o preço tabelado, custando cada um seu próprio preço conforme a quantidade de matéria prima necessária pra obtenção de 1 quilo de óleo.

Quanto menor o rendimento, mais caro ele é. Um exemplo, é o óleo essencial de rosa (rosa centifolia), que pra obtenção de 1 quilo de produto são necessárias 6000 quilos de pétalas! Como vocês podem deduzir, o preço de um vidrinho de óleo essencial de rosas é um dos mais caros, mas também suas propriedades medicinais são excelentes. O da Bioessência, por exemplo, custa R$ 139 um vidro de 2ml. Já outros óleos mais comuns e de maior rendimento têm um preço mais viável, como por exemplo o de Laranja, Hortelã-Pimenta, Lavanda e Canela, que custam aproximadamente de R$15 a R$20 reais nas lojas de produtos naturais.

Portanto, a forma de diferenciar uma essência de um óleo essencial é, primeiro, pelo preço (essências têm preços iguais) e também pela indicação na embalagem dizendo que é óleo essencial. Outro fato importante é que um óleo essencial jamais estará armazenado em uma embalagem transparente, já que é muito sensível à luz e pode perder suas propriedades medicinais ao ser exposto à claridade.

Curiosidades

A arte de produzir óleos essenciais é muito antiga e foram os primeiros medicamentos, que utilizavam folhas, caules e flores para produzir óleos com diversas finalidades curativas. A França, conhecida por seus perfumes incríveis, foi a primeira a utilizar os óleos essenciais para produzir perfumes, por isso a alta qualidade (e alto preço) já que todos os perfumes franceses utilizam apenas óleos essenciais naturais, e não aromas sintéticos, como a grande maioria da indústria cosmética.

Outra curiosidade é que, como a utilização medicinal dos óleos essenciais é muito cara, a indústria farmacêutica começou a produzir de forma sintética as moléculas com propriedades medicinais semelhantes às dos óleos essenciais, e então deu-se início à Alopatia, que são os medicamentos que conhecemos hoje, com a finalidade de reduzir os custos e facilitar o acesso a todos. Porém, as moléculas sintéticas que foram produzidas em laboratórios e que consistem nos medicamentos que tomamos hoje produzem efeitos colaterais, ou seja, um simples remédio para inflamação pode causar uma gastrite, o que não ocorre com os Óleos Essenciais, já que não existem efeitos colaterais relacionados ao seu uso. Ponto pra natureza!

Os Óleos Essenciais não são aplicados apenas com fins medicinais, mas também terapêuticos. Dependendo de sua composição química, eles podem atuar no sistema nervoso acalmando, estimulando ou até induzindo à criatividade. O óleo de Laranja ou Canela, por exemplo, são ótimos estimulantes, usados pra quando precisamos estudar e estamos cansados. Já o de Lavanda é bom pra quando chegamos estressados de um dia cansativo de trabalho e precisamos desacelerar e acalmar a mente. O óleo de Alecrim utilizo muito quando estou sem criatividade e preciso escrever um post pro blog ou fazer algum trabalho difícil pra faculdade. Basta pingar 3 gotas sobre a água do difusor e deixar que o aroma fique no ambiente.

Quando estou com aquela gripe forte costumo usar (e fazer todos da casa usarem também) uma mistura de 3 gotas de Lavanda, 3 de Tea Tree e 3 de Hortelã-Pimenta em um copo de água morna e inalar diretamente. É extremamente expectorante e aumenta bastante a imunidade.

A Aromaterapia é um assunto que me interessa bastante e por isso também achei legal compartilhar aqui no blog. Muitos não conhecem, ou têm um certo preconceito por achar que se trata apenas de aplicar aromas agradáveis no ambiente, mas que desconhecem suas propriedades e histórico medicinal. Há diversos cursos pra quem quer conhecer melhor e livros, caso se interessem, posso compartilhar depois com vocês alguns deles e contar um pouquinho como aplico a Aromaterapia no meu dia-a-dia e os benefícios de cada óleo que tenho. Ainda estou montando minha farmacinha, e a cada óleo que compro estudo bastante sobre as propriedades medicinais, terapêuticas e cosméticas. Sim, porque podemos também fazer produtos de beleza com eles. Mas isso fica pra um próximo post. 🙂

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Casa

Como organizar fotografias do ano passado

23/01/2015

Já entramos em 2015, estamos quase no final do mês de Janeiro, organizamos a vida, a casa, mas e as fotografias do ano passado? Será que estão organizadas ou continuam perdidas pelo computador? Hoje vou contar a vocês como organizar as fotografias de 2014. A cada ano vou aprimorando minha organização pessoal e contando aqui pra vocês como estou fazendo. Vocês só vão precisar de um computador que tenha bastante espaço onde possamos jogar todos os arquivos de fotos em um único lugar centralizado.

O programa que uso pra essa organização é o Picasa (download: Windows | Mac). Sei que tem outros mais profissionais, mas acho o Picasa tão simples e intuitivo, além de aplicar todas as mudanças que fazemos na estrutura de pastas também no computador. Eu poderia usar o iPhoto pra isso, mas não gosto do jeito como ele trabalha, pois gosto de ter a liberdade de acessar cada arquivo de foto no meu HD e saber exatamente onde cada uma está, o que não é possível com o iPhoto.

Centralize todas as fotos do ano

O primeiro passo é criar uma pasta Fotos 2014 (ou como desejar nomear) na pasta Imagens e jogar todas as fotos do ano ali. Como eu já tenho um sistema de organização durante o ano todo, tenho uma pasta pra cada mês dessa forma:

O que no Picasa ficaria assim:

Criando pastas por mês

Se você não usa essa estrutura de pastas, eu recomendo bastante. Assim, fica mais fácil saber em que época do ano foi feita cada foto, além da nomenclatura das pastas ser ideal pra mantê-las em ordem crescente, como em linha do tempo. Gosto de manter também uma pasta Instagram pra guardar todas as fotos que publico por lá (o que também facilita fazer os posts Instagram da Semana aqui do blog).

Se suas fotos estão desorganizadas e você não sabe em que mês foram feitas, recomendo verificar as datas dos arquivos. No Windows e no Mac podemos organizar as fotos por data, assim como no Picasa. Basta criar uma pasta pra cada mês e arrastar as fotos pra suas pastas correspondentes.

Quanto à nomenclatura, já tentei diversas outras formas, mas essa foi a que mais deu certo comigo, já que faço muitas fotos e ficava meio perdida pra encontrá-las. Colocando o ano antes do número do mês, elas ficam ordenadas cronologicamente. Coloco o nome do mês na pasta só pra uma melhor visualização, mas não é necessário.

Declutter

Depois de organizar todas as fotos do ano que encontramos perdidas pelo HD, é hora de fazer um declutter. Sempre haverá aquela foto tremida, outra repetida, aquela que ficamos estranhos e a que não dá pra ver nada. Apague sem dó, mantenha apenas aquelas que realmente são importantes. Com a fotografia digital temos a facilidade de fazer 30 fotos do mesmo assunto e não temos mais aquele trabalho de curadoria, de escolher qual está melhor. Faça isso! Um critério que uso é manter apenas aquelas fotos que eu mostraria a alguém. Aquelas fotos das quais nos orgulhamos, sabe? E não reparem na grande quantidade de fotos mostrada na imagem acima no mês de dezembro, por exemplo. Eu ainda não havia feito o declutter quando tirei o print da tela (e dezembro foi um mês importante pra mim, que voltei a fotografar e acabei me empolgando).

Renomeando as fotos

Depois do declutter, terei apenas as fotos que realmente gosto e meu auge da organização (ou TOC?) não me permite guardar os arquivos com nome de arquivo DSC-blá blá blá. Gosto de ter tudo organizado, então decidi que em 2014 teria como nome de arquivo o mês correspondente + numeração.

No Picasa é muito fácil, basta ir na pasta do mês > selecionar todas as imagens > Imagem > Editar em lote > Renomear

Ali você vai escolher o nome do mês (ou qualquer outro nome que queira que suas fotos tenham) e clicar em ok. Pronto, todas as suas fotos desta pasta ficarão com o nome que você escolheu + número.

Agora darei umas dicas mais avançadas, pra quem tem muitas fotos no HD e gostaria de liberar um pouco mais de espaço. Não é necessário fazer isso, mas eu prefiro, pois assim mantenho as fotos em alta resolução guardadas no meu backup no HD externo e mantenho no computador apenas as fotos do anterior reduzidas e mais leves, sincronizadas com o Dropbox.

Reduzindo o tamanho das fotos

Um dos maiores problemas pra quem fotografa muito é manter todas as fotos ocupando espaço no HD do computador. Agora imaginem quem guarda fotos desde o ano de 2003, como eu? Além de ocupar vários gigas de memória, não seria seguro mantê-las todas em um único lugar, e por isso vou ensinar a vocês o que faço com as fotografias do ano anterior.

Quem não usa as fotos pra finalidades profissionais raramente precisará de um arquivo com o tamanho original. Um usuário que frequentemente fotografa pra compartilhar com amigos, postar no Facebook ou usar para blogs, dificilmente precisará de um arquivo com mais de 1000px de largura. Vou explicar melhor para quem não entende sobre o assunto.

Na fotografia digital medimos a largura e altura de uma foto em pixel (px). A largura das fotos que utilizo aqui no meu blog é padronizada em 750px, ou seja, todas as fotos têm um máximo de 750px. No entanto, quando faço as fotografias pelo iPhone ou minha câmera digital, elas saem com 3264px e 2144px respectivamente, o que a deixa “pesada”, custando vários megas de espaço no HD (em torno de 2MB cada). Agora, quando reduzimos essas fotos para uma largura menor, ela também ocupará menos espaço no HD do computador. Eu costumo fazer o resize para 1000px de largura, o que a faz reduzir seu “peso” pra mais ou menos 300Kb. É uma grande diferença!

Pra reduzir o tamanho das fotos no Picasa, novamente seleciono todas as fotos e clico em exportar, na parte inferior da tela. Então abrirá uma janela para incluirmos as informações necessárias do novo arquivo que será gerado (o original não será alterado, um novo será criado em uma pasta de exportação do Picasa.

Como organizar as fotos do ano passado com o Picasa

O que você precisará fazer é colocar o nome da nova pasta e escolher redimensionar para 1000px de largura, mantendo a qualidade da imagem no modo automático, sem reduzi-la. Se quiser escolher 800px, também é uma boa escolha, ficará um pouco menor e ocupará menos espaço, mas eu prefiro trabalhar com 1000px de largura, que considero um bom tamanho.

Arquivos mais leves

Após fazer isso para cada mês, vou nas pastas dos arquivos exportados (e reduzidos de tamanho) e as junto em uma única pasta do ano que ficará no meu computador.

Pode parecer um pouco confuso, mas a lógica é ter uma pasta com todos os arquivos originais e organizados por mês que guardarei em um backup e uma pasta com todos os arquivos mais leves, que ficarão no computador. A redução de tamanho é enorme! Pra facilitar, podemos colocar todas as fotos do ano passado reduzidas de tamanho em uma pasta única “2014” sem a divisão dos meses. A pasta original, com os arquivos grandes e pesados, coloco no meu HD externo.

Resumindo

Pode ter parecido um pouco confuso, mas vou resumir o que fiz pra organizar as fotos do ano passado. É um pouquinho trabalhoso sim, mas costumo fazer isso uma vez por ano, por isso acho que compensa. Vamos lá:

1. Junto todas as fotos do ano que encontro pelo computador em uma única pasta

2. No Picasa as divido por mês

3. Deleto tudo o que não quero, faço uma limpeza geral

4. Renomeio com o nome do mês correspondente (pra ficar bonitinho, vocês não precisam fazer isso)

5. Exporto todas as fotos pra ficarem com 1000px de largura e reduzir bastante o “peso” que ocupa no computador. De 2MB por foto elas caem pra mais ou menos 200KB cada.

6. A pasta com as fotos originais (e pesadas) jogo pro HD externo. A pasta com as fotos reduzidas mantenho no computador.

Pronto! Você terá todas as fotos de 2014 organizadas por mês no computador, só aquelas que você realmente gosta e ocupando menos espaço. Caso precise manipular o arquivo original, estarão no HD externo (ou outro lugar de backup). Mas por experiência própria, faço isso há 2 anos e nunca precisei do arquivo original, uso sempre as reduzidas, pois utilizo as fotos mais pra editar pra posts do blog, enviar pra amigos ou compartilhar nas redes sociais.

Desculpem pelo post enorme, eu já imaginava que ficaria grande. Não sei se ficou confuso, mas vocês podem tirar todas as dúvidas aqui nos comentários – e compartilhar também como vocês organizam as fotos do ano anterior no computador. Obrigada por lerem até o final!

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Bem-Estar

Meus cosméticos cruelty-free e veganos

16/01/2015

Produtos de beleza cruelty free | camilecarvalho.com | #camilecarvalho

Há um tempo eu venho pensando em compartilhar com meus leitores além de dicas de organização, minimalismo e reflexões sobre o consumo, dicas de cosméticos que eu uso. Confesso a vocês que sempre me senti limitada a escrever sobre o assunto quando o blog era Vida Minimalista, justamente por eu falar muito sobre o consumismo, alertando meus leitores sobre os perigos de se deixar levar pela empolgação e comprar algo de que realmente não precise.

Vejo tantos blogs por aí que passam tanto a mensagem de “compre, compre e compre as maquiagens que eu uso” que eu não queria que meu blog passasse uma impressão de que estou tentando convencê-los a consumir cosméticos além do necessário. Também achava que não combinava com o público-alvo do Vida Minimalista mas, por outro lado, sinto a necessidade de abordar e esclarecer alguns temas ainda pouco explorados nesse mundo blogueiro sobre produtos cruelty-free, que são aqueles cujas empresas não realizam testes em animais.

Visto que agora tenho um pouco mais de liberdade de escrever sobre outros temas e que não desejo me limitar, além de ser um blog pessoal, onde posso escrever sobre meu dia-a-dia, meus princípios de vida entre tantos outros assuntos, decidi compartilhar com vocês (após muitos pedidos desde o outro blog) meus produtos de beleza preferidos como maquiagens, produtos de higiene, entre tantos outros, e que são de empresas bacanas.

Pretendo, com isso, abrir um debate sobre nosso poder de decisão na hora da compra, além de mostrar a vocês opiniões sinceras minhas sobre cada produto que uso, o motivo de eu ter escolhido um em detrimento de outro e o principal: se é bom ou não! Acho legal essa iniciativa por que nem sempre é fácil acessar a lista de empresas que realizam ou não testes em animais quando estamos diante de uma prateleira com dezenas de opções, mas é muito mais fácil lembrar de algum produto se lemos por aí alguém falando sobre ele, assim como livros.

^ Surya indica na embalagem que é Cruelty-Free e Vegano

Outro problema que observo é a falta de informação na embalagem da maioria dos produtos. Podemos ver marcas que utilizam selos de certificados Cruelty-Free, Veganos, livre de Parabenos entre outros, mas há tantas que seguem este princípio durante sua produção mas que não informam isso aos seus consumidores na embalagem. Juro que não consigo compreender o porquê.

Quando busquei o caminho do minimalismo decidi usar todos os cosméticos que eu tinha até o fim pra evitar o desperdício, e assim que acabassem, me comprometi a comprar apenas produtos que não testam em animais. Aos poucos fui mudando shampoo, creme hidratante, sabonete, maquiagens e fui montando um arsenal de beleza livre de crueldades. Qualquer um pode fazer isso também aos poucos, não é necessário agirmos com radicalismos. Como eu sempre digo, aprender a substituir, descobrir um outro produto mais sustentável e com o resultado satisfatório é uma ótima forma de mudar aos poucos os hábitos, e é o que eu faço. Um passo de cada vez para não tropeçar.

Minha intenção é compartilhar com vocês semanalmente minha opinião sincera sobre os cosméticos que uso e descobrir novidades por aí que talvez eu nem conheça, mas que seja bom também. Então, a partir de agora, vocês encontrarão de vez em quando alguns posts sobre produtos de beleza aqui no blog. Espero que gostem!

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Páginas«1 ...282930313233343536... 41»