Uma reflexão sobre tecnologia X espiritualidade

30/08/2016

Uma reflexão sobre tecnologia X espiritualidade | Leve por aí

Quando temos um blog pessoal, como o meu caso, queremos utilizar um espaço para simplesmente compartilhar pedaços do nosso dia-a-dia, nossas descobertas, reflexões e enfim, uma série de sentimentos e palavras que dizem muito sobre nós. Com isso, atraímos um público que gosta do que escrevemos, que se identificam conosco, o que é fantástico.

No entanto, às vezes nossos leitores compartilham um ou outro post em suas redes sociais e outras pessoas acabam chegando até o blog por causa de um assunto, mas que não necessariamente se interessam por todo conteúdo publicado aqui. Mas afinal, como agradar a todos? Simplesmente não há como agradar a todos. E isso não é algo negativo, muito pelo contrário.

Meu público – segundo a pesquisa que fiz – é um público que gosta de ler sobre minimalismo, dicas de yoga, vegetarianismo, e claro, acompanhar meu dia-a-dia e como eu vivencio e aplico as transformações na minha vida. É verdade que eu vejo por aí uma tendência a profissionalizar demais blogs, mostrando uma realidade meio plastificada, quase sem vida, e essa nunca foi – nem será – meu objetivo aqui neste espaço.

Um blog é um recorte das nossas vidas editado por nós mesmos, isso é verdade, mas é possível tentar levar o aconchego, o carinho e emoções através de palavras, imagens e vídeos. Claro que ainda assim é algo editado e com uma certa lacuna entre a vida real e as publicações, mas com cuidado dá pra estreitar esse abismo tentando se aproximar dos leitores e mostrando que: somos blogueiros? Sim! Mas somos seres humanos com os mesmos problemas, insatisfações, crises existenciais e apegos que todos os outros.

O que ocorre hoje é que cada vez mais vemos vidas editadas e perfeitas, extremamente egóicas, e isso é apenas a ponta de um iceberg de alguém. Ninguém é perfeito, muito menos eu. E quando escrevo isso, dou um longo suspiro tirando dos meus ombros o peso de uma responsabilidade de ser um exemplo a ser seguido.

Eu sou como cada um de vocês que lê meu texto. Uma pessoa que está aqui para aprender constantemente e ser apenas eu, em busca de autoconhecimento e transformações. A diferença talvez seja que eu me exponho mais, compartilho em um blog sobre minhas descobertas, meus tropeços e aprendizados. E sim, eu poderia escrever apenas em um diário guardado na minha gaveta, mas escolhi compartilhar, fazer essa troca, o que tem sido transformador.

Uma das coisas que aprendi muito, é que quando nos incomodamos com o outro, na verdade, o incômodo está em nós, e não no outro. E isso mostra que devemos apenas olhar para dentro e buscar a verdadeira causa dessa impaciência, o que está em nós que nos causa essa aflição. Porque quando criamos expectativas e esperamos algo de alguém – que sequer conhecemos – pode ter certeza, algo vai dar muito errado. A frustração já foi encomendada no momento em que criamos uma expectativa no outro. E acreditem, o outro nada tem a ver com isso.

Quando esperamos que o outro aja conforme o nosso senso de “correto”, pode anotar que virá uma decepção. E, vamos supor que o outro, sabendo dessa expectativa de alguém, passe a agir de forma a não promover frustrações. Será que é uma vida feliz? Certamente não.

Tenho refletido muito sobre o que vem acontecendo na internet – em vários âmbitos – e uma coisa é certa: não se pode esperar que o outro seja aquilo que você quer. Isso falo em relação a blogueiros, mas pode ser aplicado em diferentes casos. Cada produtor de conteúdo, cada blogueiro, cada personalidade tem seu público-alvo com o qual se identifica. Se você se incomoda com alguém, com a forma como escreve ou com o conteúdo publicado, isso apenas indica que você não é o público-alvo dessa pessoa, e não que ela tenha que se adaptar às suas expectativas.

Eu sou professora de yoga? Sim! Mas antes disso, eu sou comunicóloga, especialista em mídias digitais e pesquisadora sobre internet. Em uma das pesquisas realizada em 2014, estudei justamente a construção da identidade religiosa através das redes sociais. Eu sou apaixonada por tecnologia e internet e é incrível como ainda exista a percepção de que espiritualidade e iluminação não combina com tecnologia. Que para seguirmos um grande mestre, devemos renunciar ao twitter nosso de cada dia.

Ora, estamos em uma era em que o Budismo foi o pioneiro na difusão de sua filosofia através de mídias digitais e transmissões de cerimônias ao vivo por streaming. Em que se estuda Vedanta com bons mestres através de cursos online. Uma era em que eu, por exemplo, talvez não tivesse me tornado professora de yoga hoje se, em 2001, não tivesse feito uma pesquisa no site de busca Cadê pra saber quem era Shiva, tendo ali meu primeiro contato com o Hinduísmo.

Sou grata diariamente por termos a oportunidade de acesso a conhecimentos antigos preservados através de projetos online, documentários incríveis disponíveis pelo YouTube, de termos uma rede social como o Facebook para conversarmos com familiares distantes , alunos, professores e amigos de profissão, ainda que tenha seus problemas. Por termos tantas opções de tecnologia online com as quais podemos crescer, aprender, interagir e se transformar.

O que nos resta é sermos seletivos. Internet é apenas uma ferramenta na qual podemos escolher o que queremos receber, e na qual nada é permanente. Podemos seguir e “des-seguir” com a velocidade de um clique, e isso é maravilhoso! Sim, eu já tive uma época em que precisei me esvaziar, me desconstruir em relação a muitas coisas, e até torcia o nariz para as redes sociais, mas ainda bem que mudamos! Porque, como sendo uma ferramenta, podemos escolher de que lado podemos ficar. E eu escolho o lado que me faz bem.

Por um mundo com menos palavras rudes, com menos reclamações sobre conteúdos em meios digitais, e principalmente, com menos expectativas sobre o outro. E que possamos aproveitar as oportunidades que a vida nos dá, seja fazendo um retiro com detox digital, ou seja simplesmente twitando uma frase bonita que vai fazer alguém, antes triste, sorrir. O que vale, no fim de tudo, é o equilíbrio, é trilharmos sempre pelo caminho do meio.

Que possamos ser luz e difundir boas energias nessa imensidão da internet.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

5 comentários leave one →

  1. Essa atmosfera de bem-estar e aprendizado com pedacinhos da vida é o que eu costumo procurar nos blogs, na internet e em mim mesma. Confesso que quando parei de blogar eu desanimei também pelo conteúdo cheio de reclamações e propagandas excessivas. O detox valeu à pena! Pretendo me dispor ao tempo na internet para publicar ou acompanhar algo que realmente considere válido, e também espero contribuir um pouquinho com esse desejo interno.

    Responder
  2. “Se você se incomoda com alguém, com a forma como escreve ou com o conteúdo publicado, isso apenas indica que você não é o público-alvo dessa pessoa, e não que ela tenha que se adaptar às suas expectativas.”. Perfeito, Camile! Por incrível que pareça, semana retrasada eu gravei um vídeo, que pretendo dar o título de “Problema é seu”, falando justamente dessa mania que algumas pessoas tem de achar que os outros devem ser como elas pintam eu suas cartilhas mentais. (Quando eu tiver coragem de sentar e editar ele vai ao ar =B).
    As pessoas insistem em viver cercada de coisas que não as fazem bem e querem que os outros sejam modelos inventados por suas cabecinhas. Isso não existe. Parece que a gente é obrigado a viver dentro de um padrão, e qualquer pulinho fora dele já é motivo para dedos indicadores.
    Sem contar que as pessoas não entendem o conceito das coisas e passam a esbravejar besteiras por aí. O que tem a ver a espiritualidade com uma conta no Facebook? É aquilo que eu digo, o que minimalismo tem a ver com branco/vazio?

    Ótimo texto Camile. Beijos!

    Responder
  3. Concordo muito com seu texto, e acho que a internet nos deu um grande presente que é a diversidade. Diversidade de tudo, passamos a conhecer mais pessoas, pensamentos, comportamentos, habitos, opiniões, lugares, autores, enfim, tudo! Tudo é fácil e acessível a todo instante. Pode parecer louco lidar com tudo isso, e a principio pode parecer que vamos enlouquecer com tanta informação, mas é aí que está a pegada. Com tanto enriquecimento e tanta opção, ficou facil montar nosso prato, escolher apenas o que queremos incluir na nossa realidade. Nem a TV, nem a rádio, nada escolhe por nós. A todo segundo temos acesso a varias escolhas. Se isso é bom ou ruim, nos damos a direção.

    Acho que o grande presente disso, e que algumas pessoas ainda não perceberam, é que não precisamos mais reclamar nem pedir para que algo ou alguem nos atenda, fazemos isso por nós mesmos. Então se não gosto de tal coisa, nao preciso mudá-la, posso simplesmente escolher outra que gosto. O que faz com que as coisas e as pessoas sejam mais livres. Podemos viver nossa verdade com liberdade e deixar que o outro viva a verdade dele com liberdade também. Podemos fazer o que queremos, o que amamos, acreditando que nossa familia energetica nos encontrará. Saimos um pouco daquela realidade de “ter que ser tal coisa” para agradar.

    Não sei mas acho que estamos caminhando para uma realidade mais livre de julgamentos (o julgamento final, o ultimo, o que após ele não existirá mais nenhum) e começaremos a viver com o que é em totalidade e integridade. Não vai existir espaço para tantas criticas por que eu não preciso mudar para agradar e o outro não é obrigado a ficar aqui.

    Não sei, ainda é uma ideia confusa e acho que esbarra em muitos apegos ainda, mas acredito que estamos caminhando para isso.

    Eu adoro seu blog, adoro seus textos, sinto uma paz enorme e muita motivação quando venho aqui. 🙂
    Bjs ;*

    Responder
  4. Rute

    Muito relevante o seu blog, Camile. Volta e meia venho aqui e leio os seus textos.

    Esse texto sobre tecnologia x espiritualidade, foi mais um que eu achei sensacional. São muito bons mesmos!!! 🙂

    Responder
    • Oi Rute! Fico feliz que esteja gostando dos meus textos! Gratidão pela sua visita e pelo comentário! <3

      Responder

Gostou do que escrevi? Deixe um comentário! :)