Fiquei offline – E foi libertador!

27/06/2016

Itaipuaçu - Rio de Janeiro | Fiquei Offline e foi libertador! | Camile Carvalho Blog

Eu poderia ter ficado pelo Rio de Janeiro no domingo, mas resolvi passar o dia em Itaipuaçu com meus pais. Pra quem não conhece, Itaipuaçu fica a 55km do Rio e dependendo da estrada, fazemos o percurso em uma hora. O dia estava lindo e assim que acordei, já arrumei a mochila pra pegar a estrada.

O que foi um azar, acabou sendo a minha sorte: semana passada o carregador do meu  notebook simplesmente parou de funcionar. Enquanto arrumava a mochila, resmunguei pelo fato de não poder levar meu notebook comigo, ou seja, ficaria sem acessar o blog, sem escrever e sem desperdiçar tempo navegando aleatoriamente por sites e redes sociais. Peguei então o iPad, alguns livros e fui pro meu paraíso pessoal.

O dia estava lindo, pássaros cantando e aquele sol fraco entrando pelo meu quarto me inspirou a desfrutar apenas do momento presente. Deixei o celular sobre a mesa da sala depois de checar rapidamente minhas redes sociais, sentindo um vazio imenso. Não tinha nada novo, então o guardei na mochila.

Passei uma tarde calma, serena e aconchegante com meus pais e o Freddy. Colocamos o papo em dia, e lá pro fim da tarde fiz algo inusitado: fui até a padaria do bairro sem celular. Pois é. E não, isso não era pra ser inusitado. Pelo menos pra mim.

Isso me tocou de uma forma muito profunda, o que é muito estranho. Desde quando sair sem o celular nas mãos é algo estranho, incomum e inusitado, quase como um ato revolucionário? A que ponto chegamos? Desde quando me tornei tão dependente de um smartphone? 

É verdade que a tecnologia avança para nos auxiliar, mas no momento em que nos tornamos dependentes psicologicamente de um aparelhinho, algo está muito errado. Aplicativos, jogos e redes sociais estão aqui para nos servir, e jamais o contrário. Porém, devo concordar que esse hábito de checar constantemente o feed de notícias, se chegou email e se alguém mandou alguma mensagem já se tornou um hábito para muitos de nós.

A conclusão é que nada de tão importante aconteceu. Sim, chegaram mensagens de amigas lindas, para as quais respondi hoje, pude ler o feed de notícias hoje pela manhã e o melhor: aproveitei um dia inteirinho com minha família, com uma vista linda e com pássaros cantando. Sem fones de ouvido e sem telas brilhantes na minha frente.

Foi bom? Foi demais! E certamente repetirei mais vezes. Só espero que essa desconexão de um dia ou pelo menos algumas horas se torne um hábito, substituindo outros hábitos automáticos que me fazem ficar tão grudada numa tela ao invés de prestar atenção ao meu redor.

E vocês, como lidam com a tecnologia? Estão sempre conectados ou conseguem ficar offline de vez em quando?

Compartilhe!
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Beleza

Meus sapatos para o inverno

22/06/2016

Armário Inteligente: meus sapatos para o inverno | Camile Carvalho | capsule wardrobe • armário cápsula

Aproveitei a manhã em casa e um tempinho livre pra arrumar algumas coisas aqui em casa. Fui no armário lá no quartinho dos fundos, onde guardo meus calçados (principalmente os que não estão em uso) e fiz uma arrumação. Tirei aqueles que pretendo usar nesse outono-inverno e aproveitei pra tirar a poeira e conferir se todos estão ok.

Já faz um tempo que quero compartilhar com vocês meu Armário Inteligente mas não sabia exatamente como mostrá-lo. Arrumando meus sapatos, tive a ideia de falar de cada item em um post separado, assim fica mais organizado e não fica um post gigante com várias informações.

Tenho mais sapatos que esses que vou mostrar a vocês mas são os que uso mais em épocas quentes. Antes mesmo de conhecer o conceito de separar roupas que serão usadas de acordo com a estação do ano, eu já tinha o hábito de limpar e guardar minhas sandálias e sapatos mais abertos quando chegava o frio e tirar a poeira das botinhas e sapatos mais fechados para colocá-los em uso. O mesmo faço quando chega o calor, guardo com carinho minhas botas e trago de volta meus sapatos mais fresquinhos pra aguentar as altas temperaturas.

Armário Inteligente: meus sapatos para o inverno | Camile Carvalho | capsule wardrobe • armário cápsula

Separei sete sapatos que estou usando e que usarei nesse inverno. Claro que nada me impede de ir lá buscar uma sandália mais aberta, caso esquente mais algum dia, mas gosto de fazer esse revezamento pra dar oportunidade de usar tudo o que tenho e não só deixar trancado esquecido em um armário. Não são todos que uso exclusivamente no inverno, como meu All Star que está sempre nos meus pés, mas aproveitei a arrumação e fiz uma limpeza nele pra renovar as energias.

1 // All Star cano longo – Converse

Armário Inteligente: meus sapatos para o inverno | Camile Carvalho | capsule wardrobe • armário cápsula

Amo os tênis da Converse, principalmente o modelo All Star. No inverno calço uma meia quentinha, e pro meu estilo de me vestir, All Star combina tanto com um jeans, uma legging ou alguma calça de yoga pra dar aulas. Sou dessas que também usa vestido com meia-calça quentinha e All Star, acho que super combina comigo e com os trajetos que faço no meu dia-a-dia. Como ando muito, é o melhor calçado pra não machucar os pés.

2 // Tênis estampado – Josefina RosaCor

Armário Inteligente: meus sapatos para o inverno | Camile Carvalho | capsule wardrobe • armário cápsula

Josefina RosaCor é uma loja que tem aqui no Rio de Janeiro que sou completamente apaixonada. Esse tênis comprei em uma promoção no ano passado e acho que tem uma carinha mais pro inverno, então já separei pra colocá-lo em uso. Combina com legging, bermudas e até vestido, dependendo do modelo e cor.

Acredito que temos que nos sentir confortáveis com as roupas e peças que usamos, mas é sempre bom arriscar sair um pouco da zona de conforto. Quando entrei na loja com minha mãe, ela já bateu o olho no tênis (ou no preço em promoção haha) e disse que combinaria comigo. À primeira vista disse que não, não usaria nada estampado de onça, mas depois que experimentei adorei! Não sou muito fã de estampas de animais, mas experimentei sair da minha zona de conforto e simplesmente adorei!

Site Josefina RosaCor

3 // Botinha preta – Moleca

Armário Inteligente: meus sapatos para o inverno | Camile Carvalho | capsule wardrobe • armário cápsula

Se eu soltar essa bota no elevador, ela vai fazer o percurso sozinha pelas ruas da Tijuca, vai ao shopping e se duvidar até dará as aulas de yoga por mim, de tanto que a uso! Assim que esfriou um pouquinho, já a tinha colocado em uso e ando pra cima e pra baixo com ela. É super prática de calçar, tem um zíper na lateral e é super alcochoada por dentro.

Vocês sabem, tem botas que parecem uma casca de árvore de tão duras, mas essa é muito boa e pra minha tristeza, ela já começou a descascar na parte de cima. Gostaria que ela tivesse durado mais (acho que comprei há uns 2 anos) mas pelo menos estou usando bastante! Será que um dia encontrarei uma substituta à altura?

4 // Bota Pontapé

Armário Inteligente: meus sapatos para o inverno | Camile Carvalho | capsule wardrobe • armário cápsula

Essa também é uma bota muito querida, que já me acompanha de outros invernos. Foi minha primeira quase-experiência em estampa de onça (olhem aí o padrão se repetindo!) e adoro esse detalhe estampado que vira pra fora. Uso muito com legging preta, mas acho que não fica boa com os jeans que tenho. Talvez se fossem bem colados na canela ficaria melhor, mas não tenho calça assim, só com a perna mais reta.

Assim como a botinha preta da Moleca, essa é muito confortável e dá pra andar pra todo canto com ela. Também uso muito pra ir na faculdade e pra trabalhar. Dá um charme especial à composição da roupa toda vez que uso.

5 // Botinha de bruxa – Moleca

Armário Inteligente: meus sapatos para o inverno | Camile Carvalho | capsule wardrobe • armário cápsula

Sim, eu chamo de botinha de bruxa. Me imagino fazendo danças Celtas do Michael Flatley toda vez que a calço. Super hiper confortável, naquele clichê “parece que estou descalça”. Uso com legging, vestidos e meia-calça, mas nunca testei com jeans, acho que não combina muito.

6 // Bota cano curto e salto alto – Via Marte

Armário Inteligente: meus sapatos para o inverno | Camile Carvalho | capsule wardrobe • armário cápsula

Quem entende de moda com certeza nomearia melhor os sapatos que estou mostrando, mas acho que minha descrição está boa. Essa eu comprei pra usar em alguns eventos que quero usar um salto, mas não aqueles sapatos clássicos. Assim fico mais alta e elegante e com os pés aquecidos. Não sou muito boa com saltos, e por isso uso essa quando não vou precisar andar muito. A cor cinza por ser neutra favorece a combinação com várias roupas.

7 // Bota de montaria – Via Marte

Armário Inteligente: meus sapatos para o inverno | Camile Carvalho | capsule wardrobe • armário cápsula

Essa bota é de montaria, mas jamais em meus tempos de amazona eu usaria uma bota dessa pra esfolar nos estribos da sela. Amo demais essa bota, ainda mais seus detalhes em dourado. Confortável, é aquela peça chave pra quando está muito frio e precisamos sair mais arrumados pra alguma festa ou evento. Na minha viagem ao Paraguai, como estava muito frio, não tirei dos pés uma preta parecida com essa e usei até o fim. Literalmente.

Observações

  • Nenhum sapato foi comprado este ano. Todos vieram do inverno do ano passado, por isso acho importante guardarmos bem guardados em caixas e limparmos antes para que não estraguem.
  • Outros sapatos que uso constantemente, como chinelos e tênis de academia não achei necessidade de colocar no post porque não são de inverno e uso sempre, independentemente da estação.
  • Vocês repararam que TODOS combinaram com a legging preta? Pois é! Sou apaixonada por legging preta, pois combina com meu estilo, com minhas aulas de yoga e combina com tudo!
  • Superei meu TOC de limpeza fazendo essas fotos. Não entro de sapatos de jeito nenhum no meu quarto, mas fiz esse esforço pra tirar as fotos. Claro, depois da sessão já vim com um pano pra limpar tudo.
  • Meu  número de sapato é 35, mas o All Star é 34 por causa da fôrma grande. Isso significa que quando gosto de um tênis, procuro na sessão infantil e na maioria das vezes o preço é menor!
  • Ah, e eu não tenho nenhuma peça de couro! Só uso sintético, ou couro ecológico, ou como preferirem chamar. Não uso nenhuma roupa contendo animais. 🙂

E vocês, o que estão usando nesse outono-inverno? De qual sapato gostaram mais? Comentem aqui! Aguardem os próximos posts sobre o assunto, mostrarei  minhas peças-coringa pro inverno.

Compartilhe!
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Meu armário inteligente

20/06/2016

Meu armário inteligente | Camile Carvalho

Alguns chamam de armário minimalista, outros de armário-cápsula. Cada um tem seu conceito, e no final têm a mesma meta: usar com inteligência nossas roupas e diminuir o consumismo. Não considero meu armário minimalista nem cápsula. Ainda tenho muitas roupas se formos comparar a modelos assim, e por isso chamo o meu armário de Armário Inteligente.

Mas então vocês me perguntam: que diferença tem, afinal, do seu armário para um cápsula ou minimalista? A resposta? Não estou me cobrando pra seguir uma espécie de padrão. Vemos por aí sobre termos uma quantidade X de roupas no armário minimalista, de criarmos armários-cápsulas de acordo com as estações do ano e pra mim ambos foram eficientes no quesito declutter, mas não me sinto presa aos conceitos.

Olhando hoje para o meu armário, percebi que fui construindo de acordo com minha realidade, uma espécie de guarda-roupas que acompanha meus diversos “eus”, ou seja, meus diversos estilos de roupas e que não está sufocado com tantas peças. Acho que cheguei num ponto em que tenho o suficiente, e se precisar fazer alguma mudança, será comprando uma peça-coringa aqui, outra ali e doando algumas outras peças de roupas que talvez não me sirva mais.

O processo demorou muito tempo até que eu encontrasse um equilíbrio pra meu armário inteligente. Desde o começo do blog, quando ele era ainda o Vida Minimalista, fui me desfazendo de centenas de peças acumuladas sem uso e sem serventia pra mim. Foi um processo longo, árduo e doloroso, tanto por que eu me culpava por ter tantas peças sem uso, mas também foi doloroso por ter que lidar com emoções relacionadas a várias peças de roupas que eu guardava.

É impressionante como cada objeto guarda memórias, e pegar determinadas peças para analisar se doaria ou manteria comigo me fez reviver dores, decepções e tristezas. Mas como diz Marie Kondo, o ideal é sermos gratos por aquela peça e passarmos adiante. E foi assim que fiz, ao longo desses 5 anos de blog desde que escrevi meu primeiro post sobre desapego. Agora darei algumas dicas sobre como construí, ao longo desses 5 anos meu armário inteligente.

Meu armário inteligente | Camile Carvalho

1 // Aceite que você é um ser múltiplo

Não adianta eu me identificar com o estilo boho hoje e doar TUDO que não combina com esse estilo. Amanhã, precisarei usar uma roupa mais clássica e lembrarei daquelas peças que doei sem dó nem piedade, e então o arrependimento virá. Se eu gosto de vários estilos, cabe a mim montar um armário que combine com quem eu sou, não com o que está na moda, nem com a blogueira X ou Y. Apenas eu sei das minhas necessidades diárias e quais tipos de roupa eu preciso usar.

Meu armário tem desde saias indianas, saris (sim, morei num templo!) até botas e peças boho. Isso não significa que eu vista meu sari indiano pra comprar pão, mas sim que em determinadas situações preciso me vestir de forma diferente de como me visto no dia-a-dia.

2 // Setorize por espaços

Em uma das portas, guardo meus casacos de frio e vestidos pra festas. Em outra, minha roupa do dia-a-dia. Eu sei que o mais óbvio é organizar gavetas e prateleiras por estilo, mas não custa nada lembrar: separando as roupas de acordo com situações diferentes, fica muito mais fácil de encontrarmos algo que estamos precisando no momento. E lembre-se: bagunça eterna no armário significa que provavelmente você tem peças demais…

3 // Organize a troca sazonal

Aprendi essa dica com o armário-cápsula e achei genial. Mesmo que tenhamos poucas peças e todas elas fiquem no mesmo lugar, vale à pena trazer pra frente da gaveta aquelas peças que combinam mais com o clima atual e colocar mais pro fundo aquelas que você não usará tanto. No meu caso, faço assim pois não tenho um outro lugar pra guardar minhas peças que não estou usando.

Alguns falam em guardar as roupas em malas fechadas e só abrir na outra estação, mas no meu caso não funcionaria. Estou feliz com minha arrumação e está dando super certo! Afinal, às vezes precisamos de uma blusinha mais fresca pra colocar por baixo de alguma outra peça de frio.

4 // Saiba escolher o que comprar

Pensar com cautela sobre cada peça que vamos comprar é consumir de forma inteligente e sustentável. De nada adianta acharmos linda uma blusa que não combina com nada que temos em casa. Provavelmente ela ficará perdida numa gaveta, sem a chance de uso, e você terá gastado dinheiro à toa.

O ideal é pensar se o que estamos levando combina com as peças que já temos em casa. Melhor ainda é fazer uma super organização no armário e anotar algumas ideias de peças-coringa a serem compradas que possibilitem mais combinações entre as roupas que você já tem. Assim, quando for ao shopping, você já sabe exatamente do que precisa e não ficará perdido entre várias araras sem saber direito o que comprar (ou querendo comprar 10 peças de uma só vez).

5 // Desapegue do que não combina com você

Essa é a regra de ouro do minimalismo, e já venho trabalhando o desapego desde 2011, quando comecei o blog e sempre repetirei aqui nos meus textos. Desapegar do que não combinava mais comigo me fez mais feliz, pois quando estamos cercados de coisas que realmente amamos, ficamos mais leves e sem o sentimento de peso e culpa de termos coisas demais.

No meu armário, toda vez que eu olhava para uma roupa que alguém me presenteou e que não gostei ou que eu  mesma havia comprado por impulso eu me sentia triste, pesada, como se estivesse culpada de não amar tanto assim aquela peça. No momento em que desapeguei e doei essas roupas, meu armário começou a ficar mais vazio e peças que eu realmente gostava começaram a me fazer mais feliz todas as vezes que eu abria a porta para me vestir.

6 // Tenha peças coringas

Dentro de cada categoria de roupas, escolha algumas para serem as coringas do seu armário. Essas peças podem transitar entre um estilo ou outro, além de servirem para diversas situações. Por exemplo, com uma legging preta posso calçar um chinelo e dar minhas aulas de yoga, calçar um tênis e ir ao supermercado ou minhas botas com uma jaqueta e sair mais arrumada à noite.

7 // Cuide bem de suas roupas

O que queremos aqui é ter uma vida mais sustentável, então o cuidado com as peças, sapatos e acessórios é fundamental. Estabeleça um lugar para cada categoria e mantenha arrumado, lavado e arejado.

8 // Declutter!

Para fazer o declutter, sugiro que primeiro lave todas as peças que estão sujas e só então, no momento de guardá-las nas gavetas, analise o que tem. Muitas vezes fiz declutter de armário com a cesta de roupa suja cheia, então eu não tinha a noção global de tudo o que eu já possuía, dando a impressão de que meu armário já estava vazio.

9 // Não abandone suas estampas

Não se apegue a cores neutras de roupas ou ausências de estampas. Se essa não é sua personalidade, tudo bem! Você não precisa deixar seu estilo de lado apenas para ter um armário inteligente e minimalista. Porém, ter como coringa algumas peças mais neutras pode ser a chave para um maior número de combinações. Eu, por exemplo, amo estampas e padrões, mas tenho algumas roupas neutras que combinam com várias dessas peças estampadas.

10 // Seja você

E por último, seja você. Não se atenha a números, quantidades, estilos da moda ou o que for. Não deixe que outros digam o que você deve ou  não vestir e nem comprar. E jamais se deixe levar pela publicidade. Se você não ama algo que todos estão usando, lembre-se daquela frase que sua mãe sempre dizia: você não é todo mundo. E que sorte a nossa de sermos únicos!

E vocês, como organizam o armário de vocês? Já fizeram declutter? Como foi? Que tal fazer um agora na chegada de inverno e doar algumas roupas de frio a quem precisa? Há muitos moradores de rua e animais que não têm agasalhos suficientes. Vamos nos mobilizar para cada um fazer sua parte? 

Leia os posts sobre meu armário inteligente

Tênis: Josefina RosaCor | Casaco: Renner

Compartilhe!
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Páginas12345... 143»