Ano novo astrológico: sol em áries

29/03/2017

Ano novo astrológico e sol em áries

De acordo com a astrologia, o ano novo começou apenas agora, quando o sol entra no signo de Áries (20 de março em 2017). Como a nossa virada de ano é um tanto quanto arbitrária, prefiro me conectar com a energia da astrologia e com os ciclos da natureza pra fazer meus planejamentos, ações e organizar a vida.

É normal que a cada fim de ciclo, as energias fiquem um pouco conturbadas. Faz parte do processo. É como limpar a casa para receber móveis novos: precisamos desarrumar, tirar a poeira acumulada debaixo do tapete e o mais importante, aprender a lidar com essa sujeira que antes estava escondida. Muitos podem ter percebido uma energia um tanto estranha no meio de março e foi por esse motivo: fim de ciclo e início de um novo.

Primeiro dia do ano astrológico, uma segunda feira. Nada melhor que começar coisas novas, tirar projetos da gaveta e jogar toda energia pra concretizar aquilo que planejamos por muito tempo. No meu caso, fiquei gripada, com febre, de cama, e tudo que eu vinha conquistando durante o mês precisou ficar em stand-by por uma semana até que eu me recuperasse. Muita coisa vinha acontecendo e nosso corpo é sábio, nos obriga a parar quando precisamos de uma grande restauração.

Junto com o ano novo, também chegou o outono. A temperatura também ficou mais amena, o sol já não está tão quente como antes – pelo menos no Rio de Janeiro – e já dá pra sentir uma brisa fresca, colocar um casaquinho leve no fim da tarde e apreciar as folhas secas cobrindo as ruas aos poucos.

O outono e seu significado

Assim como a natureza, também precisamos nos despir do que já não nos serve mais. É hora de começar a ficar mais introspectivo, fazer uma revisão na vida, observar o que acumulamos ao longo dos meses, fazer doações, desapegar de sentimentos ruins e se preparar psicologicamente pro inverno, o período de reclusão. Algumas ações podem ser feitas neste momento propício para a organização e desapego, como:

  • Fazer uma faxina completa na casa
  • Comprar alimentos saudáveis – no frio a tendência é sairmos um pouco dos trilhos e comermos mais gorduras e açúcares
  • Organizar o computador – desinstalar programas, excluir emails inúteis, organizar pastas, sair de redes sociais que não usa etc.
  • Meditar ao acordar – aos poucos os dias ficam mais curtos e ficamos com mais sono. Meditar de manhã pode ajudar a mantermos uma rotina saudável.
  • Jogar papelada fora – fazer aquela revisão nos papeis que guardamos e levar pra reciclagem
  • Arrumar o armário – tirar do fundo da gaveta as roupas mais apropriadas pra estação, guardar roupas de calor e separar o que pode ser doado

Aproveitando o sol em Áries…

Áries é o signo de ação, de muita energia e de inícios de coisas importantes (não é por acaso que é o primeiro signo!). Com o elemento do fogo, tem a energia suficiente pra começar o que precisar começar. Também é muito auspicioso pra mudar o que não está dando certo. Outras sugestões pra aproveitar o sol em Áries é:

  • Começar um novo hobbie –  é bom darmos início ao que queríamos muito fazer mas que sempre arrumávamos uma desculpa…
  • Começar um caderninho de organização – eu tenho um caderno que uso pras minhas anotações de pensamentos, inspirações, coisas importantes. Ajuda bastante!
  • Correr atrás de um novo emprego
  • Dar início a um projeto antigo que estava guardado
  • Mudar de emprego, estilo, cabelo, fazer novos amigos, começar um curso, faculdade, empreender etc.

Lembre-se que Áries é a fagulha inicial, que nos dá a energia e determinação suficientes para iniciarmos o que precisamos. Aproveite esse momento, essa energia que ainda está no ar pra buscar o que te faz feliz. No yoga há uma frase muito importante sobre nosso caminho verdadeiro que é o seguinte:

É melhor viver em seu próprio Dharma (caminho) imperfeitamente do que viver na imitação do caminho de outro perfeitamente.”  – Krishna

Será que você está alinhado ao seu caminho? Será que está vivendo sua essência? O que te falta pra mudar de direção e fazer os ajustes necessários?

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Simplicidade

Mudando meus hábitos com a Netflix

05/03/2017

Mudando meus hábitos com a Netflix - Camile Carvalho

Ultimamente tenho repensado muita coisa na minha vida e uma delas foi analisar meus gastos com serviços que não ando usando muito, quando cheguei na Netflix. A verdade é que eu quase não assisto filmes e continuo pagando a mensalidade, mas resolvi dar uma chance ao serviço e ficar por mais um mês com a condição de me comprometer a assistir pelo menos os documentários que eu tinha marcado como interessantes por lá. Não sou muito de me prender a filmes, mas tudo relacionado a saúde, meditação, astros e desenvolvimento pessoal me chama muito a atenção.

Comecei então minha jornada com os documentários (hoje é meu terceiro dia) e estou gostando de mudar um pouco minha rotina e criar novos hábitos antes de dormir. Se antes eu ficava no computador – muitas vezes navegando à deriva por sites e redes sociais – agora estou aproveitando pelo menos uma hora do meu tempo assistindo documentários que me fazem bem, me trazem conhecimento ou simplesmente uma nova visão sobre determinado assunto.

Séries

Não sou muito de assistir a séries (ainda bem que não peguei esse vício!), pois gosto de assistir com a minha família, então até que todos consigam se reunir pra assistir algo no Netflix, demora… as últimas séries que acompanhamos juntos foram House of Cards e The Crown, que por sinal são muito boas e que recomendo a quem quer entender um pouco sobre os arranjos políticos nos EUA (claro, de forma fictícia) e sobre a vida da Rainha Elisabeth, respectivamente. Eu sei que quem é rato de Netflix já deve ter assistido, mas muitos amigos meus sequer ouviram falar em House of Cards, então fica aqui a minha indicação.

Documentários

Os últimos documentários que assisti – nos últimos dois dias – foram From Fat to Finish Line e Free the Mind. Tão inspiradores que no dia seguinte que assisti o primeiro me  matriculei pela manhã na academia e corri meus primeiros 20 minutos da vida. Okay, eu já estava com vontade de voltar a me exercitar, mas isso apenas adiantou a promessa da segunda-feira eu começo. Free the Mind é tão bom, principalmente pra mim, que trabalho com Yoga e Meditação, que chorei litros durante o documentário e me motivei a buscar mais sobre os efeitos da respiração na nossa mente. Se vocês tiverem interesse, posso destrinchar mais o documentário num post mais adiante explicando melhor os pontos da neurociência e da meditação.

Agora quero saber o que vocês andam assistindo de inspirador. Qual foi o último documentário ou filme que te fez parar e pensar sobre a vida? Compartilhe aqui comigo, estou em busca de inspirações (de preferência que estejam no Netflix). 🙂

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Simplicidade

A vida, ela é simples. Nós que complicamos.

01/03/2017

Eu acredito muito que o caminho em busca de uma vida simples é cheio de voltas, bifurcações e retornos. Andamos na linha por um momento, mas do nada acabamos nos distraindo com aquela estrada cheia de coisas, belezas, informações, e quando damos conta, já estamos longe da estrada principal. E está tudo bem.

Assim sinto minha vida. Há momentos de maiores distrações, só que, mais importante que se manter reto em uma estrada única – o que seria um tanto entediante – é o retorno aos nossos princípios. O retorno dá um gás que talvez não tivéssemos antes – por isso termos nos distanciado – e faz com que reavaliemos nossos planos, direções e princípios sobre os quais nos baseamos.

Nossa jornada é cheia de flores, mata seca, rios e penhascos. Em um momento estamos felizes com a paisagem, em outros, insatisfeitos. E isso é normal. Cada pedaço da estrada faz parte de um todo, algo muito maior que só lá na frente compreenderemos melhor, ou não.

Já faz um tempo que me distraí com o consumo. Saí dos trilhos, comprei sem pensar, criei novos projetos (minha mente é super criativa) mas, assim como os comecei, desanimei. Porque no fundo de tudo, havia algo que me dizia “vai, pode ir, tente. Mas você sabe que seu caminho é este aqui“. E isso me fez perceber que tudo bem mudar. Tudo bem voltar atrás. Tudo bem fazer escolhas mesmo com uma voz fraca perguntando “tem certeza?”.

Sou da opinião que devemos tentar, arriscar, ser um pouco imprudentes e deixar o lado racional de cérebro um pouco no modo silencioso. Seguir o coração pode nos trazer experiências incríveis, dando elas certo ou não, já que tudo é experiência. Aprendemos em cada tropeço, em cada escolha, em cada erro e acerto.

No começo do ano tomei uma decisão de reduzir ~mesmo~ minhas distrações na internet. É um processo lento e árduo pra quem fica 24hs por dia conectada. Pra quem atualiza uma página sobre yoga, outra sobre minimalismo, aprova novos membros e postagens em grupos do facebook, posta no instagram, responde email… ufa! A lista é longa. E então decidi simplificar. Todas as minhas páginas foram mescladas em uma só, essa aqui. Simplificar. Palavrinha linda, porém difícil de vivenciar.

Aos poucos vou reunindo tudo em um ponto, o mínimo possível, embora estar nas redes sociais seja uma forma de divulgação do meu trabalho como professora de yoga. Quero minimalizar, trazer mais conteúdo de qualidade, reunindo tudo em poucos espaços de forma simples, sem pressa e com mais dedicação. Menos é mais.

Vamos aproveitar a energia de novos inícios e de transformação de 2017? O que você tem feito por uma vida mais plena, realizada e com propósito? O que você pode fazer hoje por uma grande mudança de vida? Às vezes um pequeno passo é o início de uma revolução. Vamos?

imagem: cupcake

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Páginas12345... 130»