Viva quem você é

22/02/2015

love-life

Quantas vezes já não agimos de acordo com o que os outros esperavam de nós? Construimos uma identidade ao longo dos anos, nos relacionamos com pessoas que nos moldam conforme seus olhares, mas será que conseguimos ser exatamente quem gostaríamos, ou estamos limitados a atuarmos conforme um script pré-determinado?

Vejo por mim, que por diversas vezes na minha adolescência tive que me moldar conforme os outros pra tentar me enquadrar em um determinado grupo social. Sentia-me frustrada cada vez que percebia que sendo eu mesma, jamais conseguiria ter amizades ou ser aceita. Mas, e agora? Quantas vezes vejo adultos tentando simular gostos, comportamentos e atitudes que não condizem com quem eles realmente são. Eu, você, todos nós uma vez ou outra já passamos por isso – ou ainda passamos. E a frustração surge no momento em que estamos a sós, com nossa própria consciência e nos damos conta de que esta vida – criada e pré-determinada – não é pra nós. Talvez estejamos vivendo a vida de um outro alguém, pra fazer outros felizes e não a nós mesmos.

Quantas vezes já mudamos de pensamentos, de estilo de vida, de interesses, e tivemos que nos manter quietos, sem demonstrar, para que não fôssemos jogados ao limbo? Somos seres em constante mutação, mas ainda assim insistem em nos rotularem, em esperarem sempre uma atitude condizente ao que demonstramos ser no passado. Mudanças chocam, causam desaprovação, mas entre torcidas de narizes e olhares tortos, temos que primeiro descobrir do que realmente gostamos, o que nos faz sentir bem e seguirmos em frente com a certeza de que enquanto mantermos as aparências para agradarmos aos outros, estaremos machucando a nós mesmos.

Eu mudei. Vocês mudaram. Nada é permanente na vida. E enquanto continuarmos repetindo antigos padrões, agindo apenas conforme as expectativas alheias, jamais conseguiremos conhecer a nós mesmos. Porque no fim, o que importa é como percorremos a nossa estrada, mesmo que a trilhemos com um andar sinuoso.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

comentários via facebook

2 comentários leave one →

  1. Acabo de descobrir que sinuosidade é a palavra para minha adolescência. Daria um livro (curto e intenso) sobre as mudanças pelas quais passei por vontade própria e na ilusão de fazer a vontade de outras pessoas ou de um grupo. No todo percebo que não foi perdido, pois muitas histórias me moldaram para a maneira pela qual existo hoje. E a maior lição que aprendi foi não fazer a vontade do outro e não tentar agradar o tempo todo. Sinto que só me conheço um pouco melhor de alguns anos para cá, não muitos, talvez três ou mais.
    Adoro encontrar seus textos!

    Responder
    • Acho que nada em nossas vidas acontece por acaso, por mais sinuosa que seja nossa estrada, sempre tiramos alguma lição dela. Às vezes é necessário parar e dizer não pra muitas coisas e tentar descobrir do que gostamos de verdade, quem somos e viver mais de acordo com nosso caminho. Não somos nós quem temos que corresponder às expectativas dos outros, pois vivendo da nossa forma vamos atrair pessoas que pensam igual e vão nos amar como somos. =)

      Obrigada pela sua presença aqui, fico muito feliz com seus comentários! ❤

      Responder

Gostou do que escrevi? Deixe um comentário! :)