Simplicidade

A vida, ela é simples. Nós que complicamos.

01/03/2017

Eu acredito muito que o caminho em busca de uma vida simples é cheio de voltas, bifurcações e retornos. Andamos na linha por um momento, mas do nada acabamos nos distraindo com aquela estrada cheia de coisas, belezas, informações, e quando damos conta, já estamos longe da estrada principal. E está tudo bem.

Assim sinto minha vida. Há momentos de maiores distrações, só que, mais importante que se manter reto em uma estrada única – o que seria um tanto entediante – é o retorno aos nossos princípios. O retorno dá um gás que talvez não tivéssemos antes – por isso termos nos distanciado – e faz com que reavaliemos nossos planos, direções e princípios sobre os quais nos baseamos.

Nossa jornada é cheia de flores, mata seca, rios e penhascos. Em um momento estamos felizes com a paisagem, em outros, insatisfeitos. E isso é normal. Cada pedaço da estrada faz parte de um todo, algo muito maior que só lá na frente compreenderemos melhor, ou não.

Já faz um tempo que me distraí com o consumo. Saí dos trilhos, comprei sem pensar, criei novos projetos (minha mente é super criativa) mas, assim como os comecei, desanimei. Porque no fundo de tudo, havia algo que me dizia “vai, pode ir, tente. Mas você sabe que seu caminho é este aqui“. E isso me fez perceber que tudo bem mudar. Tudo bem voltar atrás. Tudo bem fazer escolhas mesmo com uma voz fraca perguntando “tem certeza?”.

Sou da opinião que devemos tentar, arriscar, ser um pouco imprudentes e deixar o lado racional de cérebro um pouco no modo silencioso. Seguir o coração pode nos trazer experiências incríveis, dando elas certo ou não, já que tudo é experiência. Aprendemos em cada tropeço, em cada escolha, em cada erro e acerto.

No começo do ano tomei uma decisão de reduzir ~mesmo~ minhas distrações na internet. É um processo lento e árduo pra quem fica 24hs por dia conectada. Pra quem atualiza uma página sobre yoga, outra sobre minimalismo, aprova novos membros e postagens em grupos do facebook, posta no instagram, responde email… ufa! A lista é longa. E então decidi simplificar. Todas as minhas páginas foram mescladas em uma só, essa aqui. Simplificar. Palavrinha linda, porém difícil de vivenciar.

Aos poucos vou reunindo tudo em um ponto, o mínimo possível, embora estar nas redes sociais seja uma forma de divulgação do meu trabalho como professora de yoga. Quero minimalizar, trazer mais conteúdo de qualidade, reunindo tudo em poucos espaços de forma simples, sem pressa e com mais dedicação. Menos é mais.

Vamos aproveitar a energia de novos inícios e de transformação de 2017? O que você tem feito por uma vida mais plena, realizada e com propósito? O que você pode fazer hoje por uma grande mudança de vida? Às vezes um pequeno passo é o início de uma revolução. Vamos?

imagem: cupcake

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

4 comentários leave one →

  1. Engraçado que depois de ler o seu texto fico com a imagem do tricô na cabeça. É como se a gente fosse tecendo a vida para depois desfazer a trama. A gente complica pra depois facilitar. rsrs Eu também sou bem conectada, meu trabalho é na frente do PC praticamente o dia todo, então vem as questões: como não se distrair, como fazer bom proveito do tempo, como não cansar, como manter a inspiração em fluxo… Hoje mesmo acabei de viver uma situação que se eu tivesse simplificado não teria me estressado. Estou sentido que 2017 está surgindo com mudanças nada sutis, e que ainda não sei bem onde vai dar.

    Responder
    • Patricia, eu escolhi a foto mas você interpretou de uma forma que faz todo sentido! E é tão mais simples desfazer essa trama toda, né?

      E sim, se prepare pois esse é o ano das grandes transformações. O que antes vinha acontecendo de forma sutil, agora vem com o pé na porta. Ou muda, ou muda! 😀

      Responder
  2. Camile, me sinto por muitas vezes assim! As vezes saio do caminho, me distraio… mas ainda bem que consigo retornar, que tem uma força mais forte que não me deixa me perder novamente. Acho que nem que eu quisesse eu conseguiria voltar a ser a pessoa que eu era… é como se eu tivesse entrado numa nova fase de vida em que a outra não fizesse sentido algum!

    Sigamos aprendendo, tomando alguns rumos, depois voltando… mas seguindo sempre o nosso coração!

    Beijos!

    Responder
  3. Camile,

    Gostei muito do seu texto e também do blog.
    Na maioria das vezes complicamos demais o que deveria ser simples, o que já foi simples.
    Veja a natureza: é complexa, mas não complicada.
    Mais contato com a natureza talvez tornasse os humanos mais humanos, menos autossuficientes e menos complicados.

    Abraços,

    Responder

Gostou do que escrevi? Deixe um comentário! :)