Ultimamente

Ultimamente: UERJ, House of Cards e Nepal

01/05/2015

camile-carvalho-1-2

“Se não mudasse tanto não seria eu”

Não há frase que me represente tanto quanto esta, e me sinto bem em estar sempre buscando algo novo, sempre arrumando uma nova forma de resolver problemas e viver a vida e acho mais que normal que meus espaços na grande web reflitam bastante minha personalidade.

Blogs

Ultimamente andei me dedicando a revisar antigos posts do Vida Minimalista, a cuidar melhor do blog e enquanto isso deixei este espaço pessoal um pouco de lado. Testei, organizei, arrumei e não há nada que me inspire mais a voltar a escrever que mudar um pouco uma cor aqui, um menu ali e remexer um pouco as energias. É engraçado como há anos mantenho a identidade visual do Vida Minimalista e não sinto tanto a necessidade de mudanças por lá, mas com outros espaços vivo em uma constante mudança. E isso me faz bem.

Processed with VSCOcam with a5 preset

Estudos

Eu sou assim, quando me comprometo até o pescoço, sempre encontro lugar para mais algo que me motive e não foi diferente no início de 2015. Mais do que nunca empolgada com a UERJ, assumindo a monitoria de História do Jornalismo, 300 matérias, 23623 livros para ler e pós-graduação, entrei recentemente para o grupo de estudos Livros e Cultura Letrada, o que significa mais livros a serem lidos, mais artigos para devorar e um bom debate periódico para alimentar minha mente sempre em busca de conhecimentos. Não reclamo, apesar de em alguns dias chegar em casa e pensar apenas em um bom banho, me jogar na cama enquanto checo minhas redes sociais e dormir.

Alguns falam em ressaca literária, mas penso que estou passando novamente por um processo de acúmulo mental. Sabe aqueles momentos em que lemos, relemos o mesmo parágrafo e nada faz sentido? Então relemos mais uma vez e então conseguimos captar a mensagem central do texto? Me encontro um pouco assim. Não creio que eu precise de mais um feriado para descansar, muito pelo contrário. Acredito que por ter ficado sem estímulo na última semana de feriadão emendado, acabei me acomodando e trabalhando apenas a modalidade levantamento de controle remoto. Na verdade, sei exatamente do que preciso: realizar um super declutter físico e me desapegar de muita coisa que acumulei ao longo dos meses desde minha última arrumação.

Frank [Prot] Underwood

Okay, depois de 25 episódios de House of Cards, estou começando a desvincular o senhor [spoiler] vice-presidente [/spoiler] do meu querido Prot, do K-PAX. Aqui em casa entramos em uma maratona intensiva de assistir 3 ou mais episódios de cada vez e já estamos quase finalizando a segunda temporada. O problema é saber que a quarta só será liberada em 2016, então ao mesmo tempo em que queremos assistir tudo de uma só vez – e ter que lidar com a pilha de textos de Comunicação a serem lidos aumentando sobre a mesa – também tentamos pisar um pouco no freio pra não acabar logo, o que acho que não está adiantando muito.

Cena do filme K-PAX

O que acho impressionante é a forma como lidamos com o protagonista da série. Num estilo bem “A Menina que não Sabia Ler” (que aliás, estou devendo uma resenha) torcemos o tempo todo por um vilão sem escrúpulos e acabamos nos tornando seu cúmplice de todas suas tramóias e mesmo quando o personagem passa dos limites aceitáveis, não nos indignamos, já que acabamos fazendo parte de suas arquiteturas em busca do poder. Se alguém ainda não assistiu, recomendo demais que conheça a série e deixo um conselho: preste muita atenção a todos os detalhes ou você vai ficar muito perdido com tantos personagens e manobras estratégicas surreais (ou não).

house-cards

Vida

Fazendo um grande resumo sobre minha vida ultimamente, posso dizer que estou conseguindo me equilibrar nas práticas de yoga em casa. Já consigo estabelecer uma rotina diária de yoga e meditação e estou criando uma sequência de ásanas de acordo com o que meu próprio corpo pede, sem me preocupar demais com o que farei a seguir, deixo que tudo flua naturalmente e no fim sempre acaba dando certo e me sinto completamente revigorada. Também voltei a meditar no final de cada sessão, o que tem me dado alguns insights sobre a vida, mas que ainda não consegui colocar no papel – ou melhor, num editor de textos – por ainda me sentir sobrecarregada.

Apesar de tantas outras tragédias ocorrendo ao nosso redor, não posso deixar de falar sobre como os terremotos do Nepal me influenciaram nos últimos dias. Por ter uma ligação muito forte com as tradições da região, intensifiquei minhas mentalizações para que todos sejam amparados e recebam muita luz. É um pouco complicado manter o pensamento de que nada é para sempre e que nada é por acaso em uma situação dessas, então prefiro não tentar compreender determinados acontecimentos e apenas vibrar positivamente para que tudo possa ser restabelecido da melhor maneira possível.

Om Mani Padme Hum

pray-nepal

E assim termino mais um post “ultimamente”. Não sei se vocês gostam deste formato, mas às vezes quero compartilhar apenas pequenos pensamentos e fatos aleatórios de como anda minha vida, num formato bem pessoal. Ainda preciso voltar a pegar o ritmo de blogar com mais frequência, mas confesso que tenho saído de casa de manhã e voltado apenas à noite e isso dificulta um pouco o fluxo da minha escrita “bloguística”.

Espero que todos estejam bem, um ótimo feriado a todos vocês!

Compartilhe o artigo:Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on Tumblr0

comentários via facebook

1 comentário leave one →

  1. Boníssima, essa sua foto !

    Nepal devia ganhar um post à parte.

    Responder

Gostou do que escrevi? Deixe um comentário! :)