Artigos sobre » Passeios

Minha experiência com feiras veganas

24/10/2016

Camile Carvalho na feira vegana Veg Borá - Leve por aí

Quem me conhece sabe o quão caseira eu sou. Passeio bom pra mim é aquele que inclui uma livraria, um barzinho ou café pra sentar, bater papo com amigos ou passear ao ar livre num dia tranquilo. Agitos e baladas são quase um item riscado do meu caderninho, mas não sei por qual motivo – talvez falta de vontade mesmo – demorei pra começar a frequentar feiras veganas.

A primeira que fui, foi a Veg Borá, que aconteceu em Vila Isabel, aqui na zona norte do Rio de Janeiro. Era sua segunda edição e contou com alguns estandes de bolos, tortas, cachorro-quente e a famosa coxinha de jaca. Em poucos minutos após minha chegada eu já sabia que viraria frequentadora.

Uma das sensações mais gostosas é estar em um ambiente cercado de pessoas que compartilham energias semelhantes, que estão ali, não por acaso, mas pelo simples fato de ter algo em comum. Nenhum encontro é obra da sorte, acredito que tudo tem um porquê e que ao longo de nossa jornada vão acontecendo arranjos e rearranjos, como uma grande teia na qual seus pontos de contato são os grandes encontros da vida.

Feiras veganas | comuna botafogo - camile carvalho - leve por aí

Participar de feiras veganas me fez perceber como muitas pessoas – antes desconhecidas – vibram na mesma frequência. Conhecer projetos ambientais, de proteção aos animais e por uma alimentação com menos crueldade só mostra que há muita gente do bem espalhada pelo mundo. A energia das feiras veganas que tenho frequentado é maravilhosa. Olhar ao redor e ver 10, 20 ou 50 estandes de famílias em prol de um bem maior é realmente gratificante. É perceber que o que antes eu vivia, no meu cantinho, muitos também compartilham.

Tenho ido a várias feiras veganas aqui no Rio de Janeiro e pretendo, em breve, participar de algumas outras por aí (quem sabe Sampa?). Já fiz boas amizades, daquelas que quando chego já vou cumprimentar. Já sinto falta de alguns colegas que por algum motivo não montaram o estande em alguma feira. Dou feedback no evento seguinte quando experimento o shampoo em barra, a linguiça vegana, os óleos essenciais… E assim, vou conhecendo novas pessoas, ampliando meu círculo de amizades e trocando ideias sobre bem-estar e sustentabilidade.

Feiras veganas | santuário seitoku - camile carvalho - leve por aí

Sei que nem todos os leitores são veganos ou vegetarianos, mas isso não importa pra mim. Minha felicidade é que, se vocês estão aqui, neste espaço, lendo cada post que escrevo é porque têm algo em comum, se identificam com o que escrevo, compartilham da mesma energia. Assim me sinto nesses eventos: grata por ter encontrado um espaço onde sinto que a energia é tão legal, que quando dá a hora de ir embora, a vontade é que o próximo chegue logo.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Oh, Piauí!

10/02/2016

Chegando no aeroporto de Teresina, Piauí | Camile Carvalho #camilecarvalho

O primeiro contato com a terra da cajuína cristalina de Teresina foi através de um vento quente ainda na pista do aeroporto. Ao mesmo tempo que sorria por ter enfim chegado, me perguntava como iria passar um mês numa temperatura de estufa. Por sorte, só senti este calor no aeroporto por ser um ambiente descampado. Teresina não é tão quente como eu imaginava. Rio de Janeiro é páreo duro!

Bolo de caroço de Teresina, Piauí | Camile Carvalho #camilecarvalho

» Comer bolo de caroço na casa da tia que tem uma loja de bolos – não tem preço. 🙂

Praia de Maramar no Piauí | Camile Carvalho #camilecarvalho

» Saindo de Teresina e chegando no litoral (Maramar). Piscina boa para aquele fim de tarde quente…

mapa-piaui

Praia de Maramar no Piauí | Camile Carvalho #camilecarvalho

» Quando me falaram que no litoral ventava muito não imaginei que era tanto e constantemente. O vento só pára quando vai mudar de direção, e então começa tudo novamente. Pelo menos é bem refrescante, mas esqueçam cabelos arrumados. Se joga no vento!

Descansando na rede do Piauí | Camile Carvalho #camilecarvalho

» Se teve uma coisa que fiz muito no litoral foi deitar na rede e ler livros. Que delícia!

Côco do Piauí | Camile Carvalho #camilecarvalho

» Aproveitando pra ser saudável.

SUP Yoga no Maramar, Piauí | Camile Carvalho #camilecarvalho

» Treinando um pouco de S.U.P. Yoga. A mente é quem controla tudo. Se estamos em desarmonia, não há equilíbrio. O equilíbrio é como a felicidade: vem de dentro. Não adianta procurar ao seu redor.

Aula de Yoga na praia do Maramar, Piauí | Camile Carvalho #camilecarvalho

» Minha paixão me acompanha por onde eu for. E aonde eu estiver, em qualquer lugar do mundo, sempre haverá alguém em busca de aulas de yoga. E eu estarei lá, transmitindo, sendo um canal de felicidade, harmonia e luz a quem estiver buscando de forma sincera e de coração aberto. ♡

△△△

Aos poucos vou (editando e) compartilhando pequenos registros de momentos especiais que vivi no Nordeste. A intenção é guardar um pouco da memória da minha viagem de 1 mês pelo Piauí, Maranhão e Ceará, para que eu possa visitar o post sempre que sentir saudades. Naveguem pela tag Nordeste ou Piauí aqui no blog e confiram todos os posts da viagem. Espero que gostem deste estilo de post, um pouco mais pessoal e mostrando um pouquinho mais sobre momentos especiais.

Muitas fotos – ou a maioria – são de momentos simples, de detalhes, coisas que para muitos podem não significar muita coisa, mas que para mim dizem muito. São nos momentos simples que me sinto mais conectada, mais feliz, afinal, a graça da vida é saber contemplar o belo em tudo o que nos cerca. E sinceramente? Simplicidade e beleza foi o que mais encontrei por lá. 🙂

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Sobre o equilíbrio na vida

07/01/2016

Camile Carvalho praticando SUP Yoga no Piauí - Maramar

A vida é assim: quando encontramos nosso equilíbrio, parece que vem uma ventania e muda nosso centro nos desestabilizando completamente. No fim do ano senti-me numa energia tão harmônica comigo mesma e com os outros, que parecia que nada me tiraria do meu equilíbrio. Mas eu estava enganada.

Minha viagem para o Piauí foi programada com mais de 3 meses de antecedência. Família empolgada em me conhecer, primos fazendo a programação dos passeios e muita expectativa foi criada. Claro que sempre bate aquela ansiedade se tudo vai dar mesmo certo, se não teremos algum problema no meio do caminho, mas tudo que eu mais queria era estar neste lugar maravilhoso, curtindo a praia, as boas energias do mar e praticar diariamente yoga em meio à natureza.

Não tenho do que reclamar quanto à minha família, o lugar lindo que estou nem as acomodações. Tudo segue em perfeita harmonia em relação a isso, mas algo em mim parece que me empurrou pra fora da minha zona de conforto me tirando daquele equilíbrio que me encontrava antes.

Minha alimentação mudou muito. Em casa tenho o costume de me virar, fazer minhas próprias refeições ou procurar na rua opções saudáveis e vegetarianas, mas aqui, como é algo diferente, estou me alimentando de forma completamente diferente. Às vezes como um hambúrger vegetariano em Barra Grande (Ora Burguer), às vezes uma tapioca bem recheada vira meu jantar, mas claro, tem dias que um bom prato de arroz com feijão e salada me espera para o almoço. Vejam bem, não é o lugar que me fez comer de forma diferente, mas talvez por estar de férias, acabei saindo da minha rotina.

Ganhei alguns quilos e me sinto um pouco pesada. Tento praticar yoga diariamente, mas nem sempre consigo. Como estou saindo muito com meus primos, algumas vezes bastou desenrolar o tapetinho de yoga pra alguém me chamar pra sair. E claro, eu vou.

E mais uma vez me pego pensando que quando estamos em uma situação completamente favorável, tudo é mais fácil. Conseguimos nos equilibrar, encontrar nossa harmonia e nos mantermos firmes em nossa rotina. É fácil demais.

ganesha-imagem

Certa vez, numa aula sobre Ganesha no Espaço Samyama, expliquei sobre sua simbologia. Enquanto Ganesha mantém um pé suspenso, significando a elevação espiritual e a busca por um caminho mais sutil, ele mantém o outro pé firme no chão, sendo o contraponto da elevação. Isso é um indicativo de que devemos sempre buscar o equilíbrio entre o espiritual e o terreno. Buscar a harmonia entre condições favoráveis e desfavoráveis, pois só conseguimos mesmo aprender e nos aperfeiçoarmos quando encontramos caminhos tortuosos e desafios em nossa trajetória.

E assim estou agora. Após sentir-me como num olho de um furacão em relação à minha rotina, prática de yoga e equilíbrio, estou buscando meu centro. Há alguns dias eu poderia dizer que só a partir do dia 20, quando volto pra casa, que poderia me reequilibrar, mas agora, aqui sentada escrevendo enquanto escuto músicas de relaxamento no fone de ouvido, tenho a certeza de que eu precisava mesmo dessa saída de zona de conforto para aprender a me reestruturar em diferentes situações.

Camile Carvalho na praia no Piauí - Maramar

Acordar cedo, praticar yoga, manter uma alimentação saudável e a mente em equilíbrio é muito fácil quando todas as condições são favoráveis. Porém, é quando saímos da caixinha que desenvolvemos a nossa capacidade de encontrar a paz interna, o equilíbrio em nós mesmos, independentemente do que ocorre ao nosso redor.

Eu poderia dizer que esta viagem me desestruturou em relação à minha rotina e equilíbrio, mas só agora pude perceber que nada que ocorre no exterior é capaz de nos desestruturar quando voltamos para nós mesmos e encontramos essa paz interna.

A alimentação fugiu do controle? Beba mais água!

Não consegue praticar yoga diariamente? Feche os olhos e concentre na respiração!

Conheceu pessoas completamente diferentes do seu círculo de amizades e ninguém pensa como você? Aproveite para aprender com eles! Cada pessoa que cruza nosso caminho traz um ensinamento diferente. Nada é por acaso nem ninguém aparece em nossas vidas sem ter um porquê.

Aproveite cada momento que a vida proporciona. E quando achamos que tudo deu um nó e virou nossas vidas de cabeça pra baixo, talvez seja aí que você precise fechar os olhos, respirar fundo 3 vezes e entrar em conexão com o que está dentro de nós.

Nossa mente é poderosa. É capaz de criar demônios, mas também de criar uma linda realidade. Basta escolhermos de que forma vamos enxergar cada momento que vivemos em nossas vidas.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr