Artigos sobre » Mindfulness
Bem-estar, Yoga

Vivendo o momento presente

22/07/2016

Vivendo o momento presente | Leve por aí | #leveporai

Quando me deu o start de voltar a buscar a simplicidade em tudo, como no começo do meu blog, eu estava em Itaipuaçu, aquele meu paraíso pessoal. Acordava de manhã com o sol fraco no meu rosto, pássaros cantando e tinha dias que duravam uma eternidade. Mesmo fazendo tudo que eu tinha pra fazer no dia, parecia que sobravam horas, o que me permitia deitar na rede e ler um bom livro. Bem, assim passei duas semanas de descanso em Itaipuaçu, mas agora estou de volta ao meu paraíso de concreto: Rio de Janeiro.

Vocês podem estar se perguntando: paraíso de concreto? Mas afinal, amo ou odeio o Rio de Janeiro? A resposta é clara: eu amo a vida que tenho. Quando aprendemos a dar valor ao que já temos, tudo fica mais fácil. Gostaria de estar no momento em uma casinha simples no meio do mato? SIM! Gostaria, aliás, de estar viajando o mundo. De passear pela Índia, desbravar cidades russas, andar pelas ruas de Tóquio e tomar uma água de côco em Aruba. Mas essa não é minha realidade. Não agora.

Quando aprendemos a sermos gratos pelo que temos, começamos desenvolver um outro olhar sobre nossas vidas. Tem muitas pessoas por aí com uma vida melhor que a minha? Sim! Mas também tem muitos com uma vida não tão boa. A situação que tenho hoje é o que tenho, e apesar de parecer um tanto conformista, creio que é apenas uma forma de darmos valor ao caminho que já trilhamos e às nossas conquistas.

O homem parece que quer sempre mais. Quando conquista algo, mal aproveita o que conquistou e já está pensando em planos futuros. Por um lado é bom, pois nos faz permanecer em movimento. Transformações são bem-vindas, mas aproveitar o momento é melhor ainda.

Até quando vamos ficar ansiosos pela próxima parada? Ser conformista é estar acomodado e não querer sair da zona de conforto, o que é completamente diferente de se conectar com o momento presente e perceber o quanto podemos ser felizes com o que temos agora. Planejar mudanças é algo totalmente diferente de viver no futuro, de depositar nossa felicidade em algo que ainda não aconteceu.

Sejamos felizes hoje, com o que temos. Saibamos agradecer pelo caminho longo que já percorremos até aqui. E que todos nós possamos manter o pensamento elevado e o coração aberto para tudo o que está por vir. Estamos em constante mudança, em uma longa caminhada, e as únicas coisas que podemos fazer no momento presente é olhar pra trás e sermos gratos pelo que já vivemos, olhar para frente e confiarmos que nossos planos serão concretizados com nosso esforço e dedicação, e olhar para o presente e termos a certeza de que estamos no ponto onde deveríamos estar.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Yoga

Meditação: observando seus pensamentos

23/05/2016

Meditação: observando seus pensamentos | Camile Carvalho | Vida Minimalista #camilecarvalho

A meditação, assim como yoga, é uma prática constante. Não é algo que fazemos um dia só e pronto: nos tornamos iluminados e perfeitos.

No começo, pode até parecer difícil sentar-se quieto durante um determinado tempo e simplesmente não pensar em nada, mas a meditação não necessariamente exige esse esvaziamento da mente. Pra falar a verdade, cessar o fluxo de pensamentos é uma consequência de uma prática constante, não uma exigência para quem está começando agora.

Mindfulness, a atenção plena

Meditar é estar consciente do momento presente. No instante em que estamos com o foco no que está acontecendo no aqui e agora, estamos em estado meditativo, independentemente se estamos caminhando por um parque, escrevendo um texto ou lavando uma louça. Podemos meditar e estarmos com atenção plena (mindfulness) em diversos momentos do nosso dia, e a prática da meditação nos leva a prestarmos mais atenção a esses momentos, aumentando assim a nossa consciência sobre o que estamos fazendo.

No começo pode ser que prestemos atenção apenas em uma pequena atividade durante as 24 horas do dia. Pode ser pouco, mas já é um ótimo começo. Com o tempo, começamos a ter mais momentos de atenção plena enquanto desenvolvemos atividades comuns. Como expliquei, meditar é uma prática que deve ser feita constantemente, e quanto mais meditamos, mais aumentamos essa janela de estarmos presentes e inteiramente concentrados.

O estado de atenção plena é importante, mas para chegarmos a esse estado, é necessário que tenhamos um momento para nós mesmos. Sentados, em silêncio, prestando atenção em nossa respiração e acalmando nossa mente. A ideia da meditação silenciosa e sentada é que consigamos levar esse estado de atenção ao nosso dia-a-dia, para que possamos realizar nossas tarefas com atenção plena.

Portanto, se você acha que meditação não é pra você, experimente apenas sentar-se de maneira confortável onde você está, fechar os olhos e prestar atenção no ar que entra e sai pelas suas narinas. Se um pensamento vier em sua mente, não se envolva com ele, apenas observe. Repare que nossa mente não pára um segundo sequer, e de um pensamento logo surge outro, e outro… ria de sua mente. Ache graça na forma como tudo parece descontrolado.

O descontrole dos pensamentos

Chega parecer loucura a forma como nossa mente acha ligação entre um assunto e outro, mas apenas deixe que fluam tais pensamentos. Seja o observador de sua própria mente e perceba que você não é seus pensamentos. Eles existem? Sim! Mas não se identifique. Apenas observe e perceba que por muitas vezes, achamos que somos nossos próprios pensamentos e nos envolvemos com eles, nos deixamos levar… mas pense comigo: se somos nossos pensamentos, como podemos observá-los?

Reflita sobre isso e procure praticar essa meditação por alguns minutos diariamente. Você vai perceber que aos poucos conseguirá se concentrar melhor em suas tarefas e desenvolver suas atividades diárias com mais sentimento de presença. Afinal, o estado de mindfulness é quando não estamos revivendo o passado nem ansiosos com o futuro. Estamos apenas ali, vivendo o que estamos vivendo, com atenção total.

Se você experimentou a meditação, conte pra mim aqui nos comentários suas experiência.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Inspiração, Yoga

TED Talks: Meditação em 10 minutos – Andy Puddicombe

09/10/2015

TED: Meditação em 10 minutos - Andy Puddicombe » Camile Carvalho #camilecarvalho

Se tem algo pela internet que eu adoro e que me inspira demais, são os vídeos do TED Talks. Estou constantemente navegando por palestras sobre produtividade, meditação e tudo o que pode me trazer um ensinamento ou insight, e hoje venho compartilhar um vídeo sobre meditação em 10 minutos.

Andy Puddicombe é um monge e autor do livro Get Some Headspace, sobre atenção plena e meditação. No vídeo ele explica sobre a importância de mantermos o caminho do meio, ou seja, não estarmos nem tão tensos com tudo o que acontece em nossas vidas nem relaxados demais, e esta é uma verdade.

Tenho reparado que muitos que não aceitam viver uma vida agitada, buscam algum tipo de refúgio na meditação e buscam um estilo de vida mais zen. Porém, já tive a oportunidade de conhecer pessoas extremamente vagarosas e lentas, com raciocínio devagar e que não tinham ânimo para fazer nada, mas que usavam como desculpa as práticas de meditação e a opção por uma vida mais desacelerada. O que precisamos analisar é que o equilíbrio é necessário para que possamos conviver em sociedade. Não devemos nos deixar levar pelo estresse, mas também não devemos nos deixar cair na preguiça.

Outro ponto interessante que Puddicombe levantou é que muita coisa ocorre conosco a cada momento. Coisas boas e ruins, e não temos como mudar cada acontecimento, mas sim mudar a forma como lidamos com cada uma delas. Temos condições de lidar com situações de forma diferente, mas antes precisamos observá-las através da prática da meditação.

Qual foi a última vez que você não fez absolutamente nada por 10 minutos?

Espero que tenham gostado do vídeo. Andy Puddicombe é referência em Mindfulness (atenção plena) e trabalha para que a meditação se torne acessível a todos. Sem posturas difíceis, sem incensos e sem nenhum pré-requisito, apenas experimentando o momento presente. Ele escreve no site Headspace.com

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr