Simplicidade

Comecei o projeto desapego 2017: roupas!

31/01/2017

Comecei o projeto desapego 2017: roupas! - Leve por aí, por Camile Carvalho

Estou no meio de um declutter. Pra quem não acompanhava o blog, declutter é o sinônimo de “destralhe”. Costumo usar esta palavra pra expressar de forma mais simples o processo de tirar as coisas das gavetas, analisar o que fica e o que sai. Claro, não gosto de tratar o que sai como tralha, como lixo, como algo inútil, visto que o que não serve pra mim pode ter muita utilidade para o próximo.

Cheguei no Rio de Janeiro hoje pela manhã. Dei minhas aulas de yoga e, com a mala da viagem ainda cheia, porém, com as roupas já lavadas, estendi meu tapetinho de yoga no chão do quarto e tirei tudo de dentro da mala sobre ele. Abri minhas gavetas e comecei o processo. Isso fica. Isso sai.

Após duas pilhas de roupas a serem doadas, separadas num canto prontas para entrarem em uma sacola, fui ao banheiro. Olhei ao meu redor e percebi o tanto de cremes, perfumes, shampoos, hidratantes, sabonetes e isso e aquilo. Ainda tenho cosméticos de empresas que testam em animais. Cremes com parabenos, parafinas e sei lá mais o que. Shampoo com sulfatos e tantas outras coisas que fazem mal. Respirei fundo e, pra não perder o ritmo do declutter no quarto, prometi a mim mesma que o próximo será o banheiro.

Aquela lista de 10 itens que fiz, pro desafio Desapego 2017 foi feita de forma aleatória. Não foi nada muito elaborado, muito pelo contrário. O que eu pensava em mudar, anotava. Quando cheguei ao número 10 parei, sabe-se lá por qual motivo. Dez costuma ser um número bonito, redondo (quem determinou isso?), mas a verdade é que ao longo de 2017 serão muito mais que 10 itens a serem transformados. Não quero dar um passo à frente, mas um salto.

Olho ao meu redor e vejo as sacolas. As roupas a serem doadas. A porta do armário aberta e a quantidade de roupas que ainda tenho lá.

No meio da arrumação encontrei uma bata preta indiana, que vai até mais ou menos a altura dos joelhos. Linda. Por que mesmo eu não a uso? Ah, claro, eu não sabia que tinha. Esta peça foi pro cabide, ganhou um destaque e será usada assim que possível.

Perdí os trilhos do minimalismo ao longo dos anos? Sim e não. Minha mente continua atenta, não compro por impulso, mas perdi o hábito de doar, de abrir espaço, de desapegar. O que eu tinha antes e ficava na dúvida se manteria ou não acabou ficando ali, muitas vezes encostado, e é por isso que hoje estou com peças que sobreviveu a um declutter anterior só porque fiquei com dúvidas. E a resposta veio.

Cada roupa tem uma história, uma emoção, carrega memórias boas ou ruins. Vamos desapegar, passar adiante o que não nos traz alegria? Eu sei, Marie Kondo repete isso incessantemente em seu livro, mas este é um conceito antigo pelas bandas de cá. Precisamos manter ao nosso redor o que nos faz leves, felizes e completos.

Vamos desapegar?

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Simplicidade

Projeto: Desapego 2017

28/01/2017

Projeto: Desapego 2017 - Leve por aí

Não tem como negar, quando queremos simplificar nossas vidas, precisamos de um projeto desapego: primeiro fazer uma grande seleção do que fica, e do que pode ir embora, seja doação a quem precisa, seja um simples clique na lixeira do smartphone.

Enfim, 2017 chegou e uma das metas pro ano é minimalizar novamente a minha vida. Com o tempo, acabamos consumindo, fugimos um pouco dos trilhos e num piscar de olhos – se não permanecemos atentos – voltamos a acumular. E, por mais que eu tenha consciência em relação ao que consumo sabendo escolher o que eu realmente preciso, nem sempre fiz boas escolhas, trazendo pra casa ou guardando no meio digital o que não era tão importante pra mim.

A verdade é que atualmente estou me sentindo pesada, e não tinha hora melhor para me dedicar ao projeto Leve por aí, que consiste justamente em deixar pra trás o que anda pesando na minha mochila da vida. Abaixo listo 10 tópicos que quero trabalhar bem este ano em relação ao desapego, declutter, minimalismo e bem-estar,

Meu projeto Desapego 2017 consistirá em:

  1. Fazer um declutter na minha vida digital (redes sociais, cadastros etc.)
  2. Organizar minha presença online (trabalho x blog)
  3. Tornar meu smartphone minimalista (apenas o que realmente preciso)
  4. Declutter dos meus livros (doações e vendas)
  5. Criar um armário inteligente (será um desafio, já que atuo em diversas áreas que precisam de vários estilos diferentes de roupas).
  6. Declutter da papelada
  7. Declutter e organização das fotografias digitais
  8. Reduzir sapatos
  9. Simplificar minha alimentação e torná-la mais saudável
  10. Estabelecer uma rotina matinal

Como vocês podem perceber, meu Projeto Desapego 2017 será mais ou menos parecido com os que eu já fiz ao longo dos anos desde que conheci a filosofia de vida minimalista. Navegando pelo arquivo do blog vocês podem acessar os anos anteriores e acompanhar minha história rumo ao minimalismo quando eu escrevia no blog Vida Minimalista.

Dica: Livros minimalistas

Alguns livros que li e que me ajudaram muito na minha transformação pessoal rumo ao minimalismo foram: A Mágica da Arrumação, Essencialismo, Walden, Menos é Mais, entre outros. Tem alguma sugestão interessante? Comente aqui no post! Para mais sugestões, visite a minha página de indicações.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Beleza & Saúde

Como manter a saúde durante uma viagem?

13/01/2017

Como manter a saúde durante uma viagem - Camile Carvalho

Toda viagem nos traz uma experiência incrível: lugares, pessoas, sotaques, comidas diferentes… a vontade de experimentar novidades e aproveitar cada segundo faz com que nossa rotina fique bem diferente do que estávamos acostumados. Algumas pessoas passam a comer mais, outras dormem menos, e esse agito todo pode prejudicar nossa saúde.

Hoje vou compartilhar com vocês 5 dicas que tenho o costume de fazer para manter a saúde (física e mental) em uma viagem, seja ela longa ou curta.

1 | Água, água e água

Compro uma garrafa de 1,5L de água e mantenho comigo. Se tenho onde enchê-la (algum filtro por perto), vou utilizando a mesma garrafa. A meta é beber uma garrafa dessa por dia pra manter a hidratação e a boa digestão. Agora quem me acompanha também é meu copo do #menos1lixo, que vai comigo pra onde eu for.

Hidratação é fundamental para nossa saúde, não deixe de beber água pura. Sucos também são bem-vindos pra acompanhar as refeições. Fuja dos refrigerantes e bebidas alcoólicas, mas se quiser tomar aquela cervejinha ou coca-cola, beba com moderação (e aumente o consumo de água). Mantenha sempre o caminho do meio!

2 | Exercícios físicos e meditação

Eu carrego meu tapete de yoga pra onde eu for. Agora que tenho um porta mat (obrigada, Atha Brasil!), fica muito mais prático carregá-lo em viagens e passeios comigo. Mesmo que você não pratique yoga, recomendo que tenha o seu tapetinho pra fazer exercícios de alongamento e meditação.

Eu sei que em viagens tudo fica mais corrido, mas reserve pelo menos meia hora por dia pra fazer uma caminhada na praia, numa praça ou desenrolar o tapetinho e se alongar. Sua saúde agradece!

3 | Óleos essenciais

Eu não faço uso de medicamentos alopáticos, deixo pra usá-los apenas em caso de extrema necessidade. Se tenho dor de cabeça, bebo água e me deito. Se estou pegando uma gripe, faço inalação com óleo essencial de Hortelã-Pimenta com Alecrim. Se estou com insônia, pingo 3 gotas de Lavanda no travesseiro e se minhas pernas estão cansadas de tanto andar, massageio com 3 gotas de óleo de Tangerina ou Laranja diluído em uma colher de sopa de óleo de côco.

Assim, carrego minha farmacinha comigo pra onde eu for. São práticos para carregar, não oferecem risco à saúde e são naturais, além de exercerem várias funções. Leia mais sobre óleos essenciais.

4 | Alimentação Saudável

Eu sei, eu sei, você chega num lugar completamente diferente, com uma culinária típica da região e quer experimentar de tudo! Eu também sou assim, adoro uma novidade. Porém, mudar radicalmente a alimentação pode não fazer bem pro nosso organismo, que vai precisar de um tempo pra se acostumar.

Não deixe de provar iguarias da região, mas mantenha o equilíbrio. Eu costumo comer frutas nos intervalos das refeições e experimentar saladas diferentes. Aproveitando que minha alimentação é vegetariana, é uma boa oportunidade de pedir umas saladas pra acompanhar o prato principal. Não deixe de comer as novidades, mas equilibre com refeições mais leves e saudáveis durante o dia.

5 | Escrever

Comprei um caderninho pra inspirações e carrego sempre comigo. Ali escrevo meus pensamentos e reflexões, e é uma boa dica pra mantermos a saúde mental. Reservar um momento do dia pra ficar a sós com nossos pensamentos, aproveitar para meditar e colocar as ideias no papel é bom pra mente e pra criatividade.

Algumas ideas surgem quando estamos longe da nossa zona de conforto e não devemos desperdiçá-las. Escreva, registre, desabafe em seu caderninho e você perceberá como isso ajuda muito a materializar ideias e planos que surgem durante a viagem.

•••

Estas são algumas dicas que coloquei em prática nesta viagem e que têm me feito muito bem. E você, tem alguma dica que não falei aqui? Como você mantém a saúde durante uma viagem?

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Páginas12345678... 130»