É hora de mudar?

20/04/2011

É hora de mudar? | Camile Carvalho

Quem nunca sentiu a necessidade de mudar? Mudar de corte de cabelo, mudar de estilo de roupa, ou até mesmo mudar de cidade ou país? Estamos sempre acostumados com o que nos cerca, que às vezes nos tornamos também invisível aos outros. Quem nunca reencontrou um amigo de anos e percebeu que nada havia mudado naquela pessoa?

Às vezes precisamos dar uma repaginada na nossa vida, jogar fora o velho e adquirir coisas novas, nem que seja apenas um pequeno detalhe, pois muitas vezes esse pequeno detalhe faz toda a diferença.

Vou sugerir um exercício: Feche os olhos e tente enumerar 10 itens que estão ao seu redor. Conseguiu? Você já parou pra reparar o quando nos acostumamos com os objetos à nossa volta, que eles acabam se tornando invisíveis aos nossos olhos? Aquele relógio de parede que você comprou há 10 anos, aquele porta jóia, aquele enfeite na prateleira empoeirado…

Que tal mudar? Tente, ao menos, trocar algumas coisas de lugar e veja como a energia parece renovar. Aproveite o feriado (quem não for viajar) pra fazer uma nova arrumação no quarto, ou trocar os enfeites da estante da sala. Quer ser mais radical? Separe itens que não faz mais diferença (e se tornaram invisíveis) e doe. É preferível ter um bom enfeite, que signifique algo, num lugar destacado da sua sala, que ter um monte de objetos velhos e empoeirados entulhando a prateleira da estante na sala de estar.

Liberte-se de lembranças ruins que estão presas em determinados objetos e roupas, e lembre-se: Você é livre pra mudar.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Casa & Energias

Praticando o desapego: doamos muita coisa!

14/01/2011

Praticando o desapego | Camile Carvalho

Aqui em casa nós temos, no quartinho dos fundos, um depósito de todo tipo de tranqueira que se possa imaginar. Sapatos velhos misturados aos novos, roupas de 50 anos atrás, aparelhos eletrônicos que não funcionam mais, caixas cheias de coisas que nem se sabe o que tem dentro… Deu pra imaginar? Isso porque meus pais já fizeram uma mega arrumação jogando muita coisa no lixo há mais ou menos 1 ano.

Aproveitando que meus pais estão viajando e como vida com a situação das enchentes e deslizamentos da região serrana do Rio de Janeiro, estou praticando o desapego e resolvi organizar aquela primeira porta do guarda-roupas do quartinho. Acreditem ou não, mas enchi duas sacolas gigantes de sapatos antigos (porém em bom estado de conservação) para doar às vítimas das enchentes.

Sim, eu falei duas sacolas inteiras de sapato, e ainda ficou muita coisa guardada, de modo que é quase imperceptível que retirei todos esses calçados.

Tênis antigos, muitos chinelos, sandálias que não curto mais… Tudo será encaminhado devidamente para quem precisa, pois ninguém aqui em casa precisa mais desses sapatos, porque o que está em uso deixamos no guarda roupa do quarto. Além dos sapatos, também consegui separar outras duas sacolas de roupas para doação. Não vejo a hora de levar ao posto, aqui no Rio de Janeiro.

Por hoje é só, daqui a pouco vou sair para levar as doações.

Não deixe de ajudar a quem está precisando! Vamos nos mobilizar!

{imagem: we heart it}

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Casa & Energias

Arrumando o guarda roupas

11/01/2011

Arrumando o guarda roupas | Camile Carvalho

we ♥ it

Um armário organizado transmite paz e tranquilidade, por esse motivo resolvi começar por ele.

Meu quarto é pequeno, mas com um grande guarda-roupas de 4 portas e maleiros, onde utilizo 3 delas e uma é usada por minha prima que mora comigo durante a semana por causa da faculdade. Resolvi organizar as duas portas principais, da esquerda, onde ficam todas as minhas roupas (a 3ª porta guardo edredons, maquiagens e casacos).

Comecei organizando as calças e as blusas, mas em um determinado momento resolvi retirar tudo e colocar em cima da cama. Decidi colocar de volta só aquelas roupas que eu realmente uso, mas claro, sempre tem aquelas que quase não usamos por serem mais chiques, para ocasiões especiais.

Primeiro organizei as calças, todas no lado direito. Os casacos de frio que ali ficavam transferi para o lado esquerdo, deixando apenas alguns mais leves onde estavam anteriormente. Como minha porta abre pela direita, e a da esquerda tenho que puxar o pino, diariamente acabo usando só um lado, e por esse motivo coloquei ali as roupas que mais uso no dia a dia. Por esse motivo meus casacos de frio foram transferidos pro lado esquerdo, pois aqui no Rio de Janeiro é difícil fazer o frio de quando eu morava em São Paulo.

Logo em seguida coloquei as saias em cabides especiais, com os grampos. Esse cabide é ideal para pendurá-las, e a minha sorte era que eu tinha alguns deles. Como tenho mais saias que cabide, algumas semelhantes foram penduradas juntas (duas no máximo).

Meus vestidos foram pendurados naqueles cabides que têm tipo um gancho em cima, todos organizados por estação (de alcinha ou não) e comprimento.

Ao longo da organização fui fazendo uma pilha de roupas para doação. Eu costumo doar para a Casa Ronald Mc Donald, que possui um hospital de tratamento para crianças com câncer, e lá tem um bazar onde são vendidas essas doações. Como eu já conheci o local e já tive a oportunidade de conhecer famílias das crianças que recebem o tratamento gratuito, tenho muito prazer em mandar minhas doações para lá, já que sei que o dinheiro que eles arrecadam realmente chega ao fim a que se destina.

Depois de muito lixo jogado fora (sim, encontrei diversas embalagens de meia fina vazia, meia antiga sem par, sacolas vazias e outras coisas) consegui reorganizar meu querido guarda roupas que parece até que está com uma energia melhor. Agora coloquei um aroma de lavanda para perfumar minhas roupas que sobreviveram e estou me sentindo mais leve. Acredita que encontrei roupa que nem lembrava mais que tinha?

Lição do dia:

1) Percebi que quando temos nosso guarda roupas lotado e bagunçado, acabamos usando sempre as mesmas roupas e nem lembramos que temos outras, então a organização nos faz ver que temos mais roupas do que pensávamos, e confesso que dá uma vontade de sair montando looks e sair por aí só pra usar aquela blusa esquecida.

2) A energia da roupa estagnada impede que novas energias entrem nas nossas vidas, portanto, quanto mais evitarmos de deixar objetos e roupas parados, sem uso, melhor, segundo o Feng Shui.

3) Muitas vezes temos recordações negativas apenas em olhar determinada peça de roupa. Não adianta mantermos aquela blusa vermelha de lacinho bonita, se toda vez que olhamos pra ela recordamos de um momento ruim na nossa vida, ou de alguma pessoa que nos trás más lembranças. Simplesmente passe adiante!

4) Tenho certeza que nenhuma roupa que doarmos fará falta, pois sempre há outras pra substituir, além do fato de sempre estarmos comprando alguma novidade pelos shoppings, por mais sem dinheiro que estejamos.

5) Doar é um ato de caridade e compaixão. Aquela roupa que você nem lembrava que existia pode servir pra alguém que nem guarda roupas tem. A prática do desapego nos torna pessoas melhores e mais altruístas.

Que tal separar umas 5 peças de roupa que não lhe servem mais e doar para alguém?

OBS.: Ainda não é um guarda roupas minimalista, mas acho que toda a transformação deve ser gradual, sem radicalismos. Acho que pra adotarmos um novo estilo de vida temos que dar um passo de cada vez, assim cada passo será pequeno, porém firme.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Páginas«1 ...125126127128129130»