Inspiração

Será que existe inferno astral?

14/04/2016

Será que existe inferno astral? | Camile carvalho #camilecarvalho

Muito se fala sobre o inferno astral, aquele período tenso antes do nosso aniversário. Como faltam apenas quatro dias para o meu, neste ano resolvi fazer (e pensar) um pouco diferente do que estou acostumada, do que diz o senso comum. Mas afinal, o que vem a ser inferno astral?

Assim como o Réveillon representa, para nossa cultura, o fim de um ciclo e o  início de outro, no qual uma grande comunidade vibra em torno dessa energia de renovação, nosso aniversário também marca o início de uma nova fase em nossas vidas. Porém, como é algo individual, apenas nós sentimos essa energia transformadora ao nosso redor. No nosso aniversário, completamos mais uma volta em torno do sol, abandonamos uma etapa de nossas vidas e damos início a outra. Mas como lidar com esse fim de ciclo? Por que motivo chamamos de inferno astral?

Nesse período muito do que não está mais legal em nossas vidas, começa a destruir para dar lugar ao novo. Por isso, algumas pessoas passam por períodos conturbados, como se tudo que estivesse firme começasse a balançar. É como um vento forte que passa em nossas vidas e tira tudo de lugar, mas isso não significa necessariamente algo ruim. Claro que dependendo da nossa visão, pode ter um aspecto negativo, mas devemos nos firmar nas transformações que estão por vir.

Por que não focar em mudanças positivas? Em adquirir novos hábitos que nos deixarão mais felizes e saudáveis? Vamos sair da zona de conforto, abraçar esse período de transformações antes dos nossos aniversários e deixar de lado hábitos que nos prejudicam e abraçar aquilo que nos faz bem! Afinal, só depende de nós decidirmos se queremos viver um inferno astral ou um paraíso astral. A escolha está em nossas mãos. Tudo depende da forma como enxergamos o período de transformações.

Que suas transformações sempre sejam para melhor!

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

4 comentários leave one →

  1. Stephanie

    Que post esclarecedor! Nunca tinha pensado por esse lado, e realmente, faz todo o sentido! Tem anos em que sinto mais o inferno astral, em outros mal percebo… próximo do meu aniversário vou observar melhor as minhas transformações e o efeito que elas causam em mim.

    Beijos!

    Responder
  2. Hoe, Camile! Tudo bom?
    Antes de tudo, parou: você faz aniversário no dia 25? Porque eu também faço! De qualquer modo, toca aqui, guerreira taurina! ♥

    Voltando ao tópico, nos últimos tempos, quando ouço sobre inferno astral, lembro de um programa que certa vez vi sobre nosso cérebro ter o “instinto” de assimilar ideias, fatos, recortes da vida e tenta encontrar alguma lógica para eles terem acontecido, mas não necessariamente implica numa racionalidade. Um exemplo seria falar que o seu infortúnio com a chuva ou o frio ocorreu porque você não escutou sua mãe quando ela disse para levar o guarda-chuva ou o casaco. É brincadeira, mas é esse tipo de “lógica absurda” a que o cérebro chega.

    Assim, acho que acabamos procurando um vilão na história quando começam a acontecer várias coisas ruins conosco; “ah, está perto do meu aniver! Deve ser meu inferno astral”, e aí prestamos atenção somente no que nos cerca negativamente nesse período. E não nego, eu também via as coisas assim não tem muito tempo!

    Felizmente, há uns dois anos comecei a pensar diferente – e talvez tenha sido por conta desse programa -, em sintonia com o que você disse no post: sempre teremos coisas boas e coisas ruins acontecendo, mas o que faz a diferença é a forma com a qual nós encaramos esse fato da vida. Prestar mais atenção aos pequenos presentes do dia a dia e encarar as dificuldades de um modo positivo faz muito bem ao coração. ♥

    Beijos~

    Responder
  3. Adorei essa linha de raciocionio, nunca tinha pensado sobre inferno astral, muito menos desse jeito. Muito legal isso!

    Responder

Gostou do que escrevi? Deixe um comentário! :)