Livros

Livro: A Dieta da Informação – Clay A. Johnson

26/02/2014

A-Dieta-da-Informacao

Há alguns dias uma amiga e leitora, com quem estudei Jornalismo em São Paulo e que hoje trabalha na editora Novatec, entrou em contato comigo me perguntando se eu gostaria de receber um exemplar do livro A Dieta das Informações, para que eu pudesse ler e contar aqui no blog o que achei. É a primeira vez que eu faço uma parceria no Vida Minimalista e eu gostaria de deixar bem claro que não estou recebendo nada para falar do livro e que jamais vou mudar minha forma de escrita e opinião. Além disso, sempre irei deixar bem claro quando for um post de parceria, apenas ganhei um exemplar, e como o assunto é relacionado ao que debatemos aqui e no grupo do Facebook, vou contar sobre o que achei de importante na leitura que fiz e dar minha opinião. 🙂 

###

Vocês já pararam pra pensar na quantidade de informações que recebemos diariamente, tanto pela televisão e jornais quanto pela internet e suas redes sociais? Como lidar com tantas notícias superficiais e inúteis? E se pudéssemos fazer uma dieta de informações, filtrando apenas o que é relevante?

O Livro

O autor do livro, Clay A. Johnson, sempre achou que através de informações corretas e de qualidade, poderíamos mudar o quadro de desinformação. Com esse princípio, fundou a Blue State Digital, empresa que criou e gerenciou a campanha online de Barack Obama em 2008. Porém, Johnson percebeu que nem sempre as pessoas estão buscando notícias verdadeiras e de qualidade, mas sim um reforço daquilo que elas já acreditam. Com isso, foi percebendo que a indústria da informação se aproveita desse fato para produzir em larga escala, notícias sobre todos os tipos de assunto de forma superficial, para bombardear nossas mentes com conteúdos de baixa qualidade, apenas com a meta de obterem lucro: “oferecer às pessoas o que elas desejam é muito mais lucrativo do que lhes entregar os fatos“. O resultado é uma enxurrada de afirmações (para reforçar nossas crenças) e sensacionalismo, em vez de informações equilibradas. Mas será que não podemos fazer nada?

“Empresas de mídia aprenderam que afirmação vende muito mais do que informação. Quem deseja ouvir a verdade quando pode ouvir que está certo?” (p. 22)

No livro, Johnson vem com uma proposta inusitada: fazer uma dieta de informações. Com a quantidade de dados que recebemos atualmente – estima-se que passamos em média 11 horas por dia consumindo – é normal que fiquemos sobrecarregados, sem conseguir absorver o que nos é importante devido ao excesso de notícias. Ele ainda faz um paralelo constantemente com a dieta alimentar atual, da qual o processo de industrialização acabou por reduzir seus custos finais, mas também sua qualidade. Da mesma forma que é mais barato ingerir Fast Foods e alimentos processados com poucos nutrientes e altamente calóricos, é mais cômodo consumirmos informações de qualidade duvidosa, mas que reforcem nossas crenças e não nos fazem questionar muito.

“Nossas caixas de e-mail, nossas mensagens de texto, nossos vários feeds de redes sociais e blogs que costumamos ler – nosso cérebro nos coloca em um loop descontrolado no qual não somos capazes de nos concentrar em nenhuma tarefa à nossa frente. Em vez disso, seguimos em busca de um novo reforço de dopamina mergulhando no dilúvio de informações que vem em nossa direção” (p. 73)

Alguém se identificou com a afirmação acima? Temos uma tendência natural de buscar informações, mas quando estamos expostos a uma quantidade absurda, perdemos a capacidade de concentração e queremos cada vez mais. Temos que saber usar um filtro, fazer um consumo responsável também de informações.

Algumas informações interessantes

# Apneia – A respiração correta é de extrema importância para nosso organismo, mas algumas pessoas, sem perceber, acabam por prendê-la enquanto olham seus emails, Facebook e outras redes sociais. É uma forma de tensão que não faz bem.

# Limitada percepção do tempo – Quantas vezes já pensamos em olhar “rapidinho” nossas redes sociais depois do almoço e quando percebemos, já está de noite e não vimos o tempo passar? É uma espécie de hipnose e não nos damos conta da duração do tempo.

# Perda de amplitude social – O antropólogo Dunbar chegou à conclusão que nosso cérebro possui um limite para o número total de relacionamentos com os quais conseguimos lidar. Este número varia em torno de 150 pessoas. Será que conseguimos dar conta de todos os nossos contatos do Facebook?

# Fadiga da atenção – Usar um desktop com o email aberto, Facebook atualizando a cada minuto e o Twitter apitando suas notificações acaba por nos tirar a atenção do que estamos fazendo de importante, o que nos causa perda de memória recente, pois não dedicamos completamente nossa atenção ao que estamos fazendo no momento.

Uma dieta da informação consiste em estipular limites. Reduzir o uso da televisão, cancelar feeds de notícias que não são úteis, deletar aplicativos que nos tiram a atenção, sair de redes sociais que nos prejudicam e estipular horários de checar email e atualizar redes sociais, pra que tenhamos tempo livre para fazermos o que nos é importante e aumentar nossa produtividade e felicidade.

Achei o livro muito interessante, tanto para quem é da área da Comunicação/Jornalismo quanto para quem está buscando simplificar a vida online. Apesar de alguns detalhes um tanto cansativos que o autor escreve sobre política dos Estados Unidos (Republicanos x Democratas), o livro nos dá uma explicação histórica sobre como chegamos até o quadro atual e porque a indústria da informação nos bombardeia com superficialidades, além de oferecer soluções práticas de como filtrar o que não é útil e obter informações relevantes.

Gosto tanto do assunto que o li em um dia. Com certeza me inspirou a organizar melhor minha rotina e a refletir sobre a qualidade de informação que estamos recebendo (além de me inspirar para escrever alguns posts).

Se alguém ficou interessado em lê-lo, a editora deu o código promocional VIDAMINIMALISTA para que vocês possam adquiri-lo com 20% de desconto la no site deles e quem quiser ler o primeiro capítulo gratuitamente, basta acessar aqui: primeiro capítulo.

  • A Dieta da Informação
  • Autor: Clay A. Johnson
  • Editora: Novatec
  • 192 páginas
  • ISBN: 978-85-7522-277-5
Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

comentários via facebook

17 comentários leave one →

  1. Bruna

    Ei Camile, que bacana essa resenha do livro! Fiquei bastante interessada em lê-lo e vou anotar na lista de livros pra ler. Acho muito interessante esse tipo de assunto e concordo que precisamos muito fazer essa dieta de informação. Estamos sobrecarregados de informações inúteis que acabam prejudicando, muitas vezes, o desempenho de algumas tarefas, especialmente pra quem trabalha conectado à internet!

    Abraço! E obrigada por compartilhar sua opinião conosco!

    Responder
    • Camile Carvalho

      Estamos sobrecarregados demais, se não soubermos administrar a qualidade da informação que recebemos, vamos nos prejudicar bastante!

      Abraços =)

      Responder
  2. Juliana

    Olá Camile, adorei a resenha. Já estava “namorando” este livro há algum tempo. Agora fiquei com muito mais vontade de lê-lo. Creio que umas das grandes causas do estresse e crises de ansiedade que a humanidade desenvolve nos dias atuais é por causa de enorme aglomerado de informações, e nem sempre boas informações. Essa constante necessidade de sabermos tudo sobre tudo, nos causa agitação e o nosso corpo não está preparado para uma rotina de tensão 24 horas por dia. Precisamos aprender a nos colocar mais em OFF.

    Responder
    • Camile Carvalho

      Também sou como você, fico “namorando” vários livros e quando leio uma resenha acabo me animando pra comprar.

      A mistura de informações relevantes e irrelevantes nos prejudica demais, temos que saber separar o joio do trigo. Ficar em OFF um pouco é bom até pra absorvermos melhor o que lemos e ouvimos por aí.

      Responder
  3. Bruna

    Acho que vi esse livro em algum lugar, não me interessei, porém parece bem interessante

    Responder
    • Camile Carvalho

      É bem interessante sim, eu adorei. 🙂

      Responder
  4. Muito interessante e necessário isso. Eu tenho limitado muito meu uso de redes sociais e de notícias porque estou quase tendo uma overdose de informação. Eu já havia diminuído antes, porém estou focando muito em estudar e isso já tá dando informação de mais.
    Estou acessando o e-mail e o Twitter uma vez por dia apenas e está muito bom assim. Uso o Reddit quando dá e é isso que tenho de redes sociais. Também saí do Whatsapp após a compra pelo Facebook e deixo meu celular guardado, sem som e com a internet desligada.

    Responder
    • Camile Carvalho

      Desligar o celular enquanto estudamos ou trabalhamos é muito bom. Tenho feito isso também, deixo no modo “não perturbe”. E boa sorte nos seus estudos! =)

      Responder
  5. “sair de redes sociais”
    Eu desativei minha conta no Facebook desde dezembro e senti uma melhora significativa no meu rendimento diário. Incrível. =)
    Beijos.

    Responder
    • Camile Carvalho

      Que legal, Hélida! Depois se quiser conte sua experiência pra eu compartilhar aqui no blog! Vou adorar publicá-la. 🙂

      Responder
  6. Vez ou outra noto essa quantidade enorme de informação que recebo, e tiro alguns dias de folga da internet e leitura. A mente precisa de descanso. Interessante o livro. Sua proposta é boa e precisamos fazer uma dieta de informação sim.

    Beijos,
    Josy Santos

    Responder
    • Camile Carvalho

      Também alterno, quando estou sobrecarregada me desconecto, passo uns dias e depois retorno. Faz um bem danado!

      Responder
  7. Oi Camile, ótima resenha! A quantidade excessiva de informações que recebemos é realmente um problema, temos que tomar cuidado a todo instante para não cair em armadilhas. Ultimamente eu mal entro nas minhas redes sociais, só mesmo para colocar links do meu blog, e não sinto a mínima falta. É até irônico, já que faço pós-graduação em mídias digitais (mas o curso é muito bom, principalmente pelo lado social da coisa, de nos fazer ver o que está por trás das mídias e as mudanças que a web provoca na sociedade).
    Beijos, bom fim de semana!

    Responder
    • Camile Carvalho

      Letícia, compartilho deste sentimento! Também faço pós em mídias digitais e muitos me perguntam o porquê disso, se não uso muito redes sociais etc. Eu gosto da análise crítica e social desse fenômeno, me encanta demais acompanhar este movimento e a dependência do ser humano, que aos poucos passa a praticamente depender da vida digital.

      Beijos!

      Responder
      • Anônimo

        Nossa, que coincidência engraçada, hehe. Legal saber que você também está na mesma situação. Já estava achando que eu era doida em fazer uma pós em Mídias Digitais, hehe.
        Beijos.

        Responder
      • Nossa, que coincidência engraçada, hehe. Legal saber que você também está na mesma situação. Já estava achando que eu era doida em fazer uma pós em Mídias Digitais, hehe.
        Beijos.

        Responder
        • Camile Carvalho

          Haha você não é a única doida! 😛

          Responder

Gostou do que escrevi? Deixe um comentário! :)