A importância de deixar ir

02/10/2016

A importância de deixar ir - Leve por aí por Camile Carvalho

Sempre que nos sentimos sobrecarregados, cansados e desanimados é um ótimo momento para refletir sobre as coisas que queremos deixar ir embora das nossas vidas, aquilo que não cabe mais, que não combina mais com quem nos transformamos. A cada minutos somos uma pessoa diferente, e pra que possamos seguir em frente e receber coisas novas, precisamos deixar pra trás o que não precisamos carregar conosco adiante.

Pense que você carrega uma mochila na sua vida. Como toda bagagem, seu espaço é limitado. Ao longo da nossa vida vamos enchendo nossa mochila com memórias, lembranças, objetos, emoções… e sim, isso pesa. Pesa sobre nossos ombros e costas, mas na maioria das vezes não temos a coragem de parar, abrir a mochila e analisar se o que estamos carregando é realmente necessário.

O que vamos carregar daqui pra frente? Que tal destralharmos também a nossa mochila da vida? Sabe aquela raiva, aquele rancor, aquelas memórias dolorosas de um passado que não existe mais? Aquela necessidade de querer agradar a todos, aquela preocupação com o que os outros vão pensar de nós? Desapegue! Deixe no meio do caminho. Você não precisa carregar por aí aquilo que te faz mal, aquilo que não acrescenta em nada e nem será útil para o seu futuro.

Desapegue, deixe ir…

Somente quando abrirmos espaço e renovarmos as energias é que receberemos e teremos a clareza de mente necessária para lidar com o novo. Se você quer iniciar novos projetos, quer transformar sua vida, o momento é agora.  Tenho certeza que deixando pra trás o que não combina mais com você, sua vida ficará mais leve, pronta para receber o novo, pronta para começar aquilo que você tanto queria.

O que você anda levando na sua mochila da vida que está lhe sobrecarregando? Do que você pode desapegar? Abra espaço, deixe ir… tenho certeza que sua mente ficará mais clara para lidar com as transformações necessárias para uma nova etapa da sua vida.

Desapegue, deixe ir…

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

comentários via facebook

21 comentários leave one →

  1. Hoe, Camille! Tudo bom? 🙂

    Que jeito gostoso de levar este domingo! ♥

    Senti um abraço de palavras muito bacana e talvez eu estivesse precisando ouvir/ler isso, mesmo que pareça óbvio, porque a prática acaba não sendo tão óbvia assim, né…

    Obrigada pelo texto! Beijos e muita luz, flor~

    Responder
    • Olá, Karupin!

      Que felicidade ler isso! Seus comentários também são como um abraço pra mim.

      Beijos!

      Responder
  2. Beatriz

    Camile, este texto era tudo o que eu precisava ler hoje!

    Gratidão ♥

    Responder
  3. Jess

    eu ando meio cansada, muita coisa acontecendo ao mesmo tempo.
    tenho refletido justamente isso.O que posso fazer para desapegar e deixar ir?
    é uma reflexão importante.

    Responder
    • É sempre bom parar um pouco e pensar sobre o que estamos carregando, né? Quem sabe não seja o seu momento?
      Espero que tudo entre em harmonia!

      Beijinhos! <3

      Responder
  4. Que LINDO texto Camile! Como todos os outros por aqui…

    Temos que confiar e entregar muitas vezes, para poder seguir adiante.

    Lindo blog! Beijos!

    Responder
    • Exatamente, Vê! Confia e entrega! Deixa ir o que não te pertence mais. Vamos ficar mais leves. ❤

      Beijos e obrigada pelo carinho!

      Responder
  5. Eduarda

    Oi Camile!

    Essa analogia da mochila é muito boa, você por acaso assistiu Amor Sem Escalas ?

    Responder
    • Olá Eduarda!

      Não assisti não, agora fiquei curiosa… eles também usam essa analogia da mochila? Eu conheci através de uns livros budistas que usam a mochila como exemplo.

      Beijos!

      Responder
      • Eduarda

        Então usam sim. É comédia romântica mas é bem legal e não termina do jeito convencional de sempre. Tem no Netflix, “Amor sem Escalas”

        Bjs

        Responder
  6. Que delícia ler estas palavras. Não sou nem um pouco apegada com coisas, mas com pessoas a história muda completamente, sei que as vezes temos que dar asas a elas mas não é fácil. Mas é a vida.
    Beijos lindona

    Responder
    • Oi Lindamar!

      Obrigada pelo carinho! Confesso que desapegar não é fácil, muitas vezes somos em algum aspecto mas em outro não. Dar asas e libertar-se de pessoas que não nos fazem bem pode ser difícil, mas com o tempo vamos aprendendo a desapegar.

      Beijão!

      Responder
  7. Camile, que texto maravilhoso de se ler num fim de domingo. De fato em algumas situações o melhor a se fazer é deixar ir e desapegar. A vida é feita de ciclos e quando um se encerra, outro se inicia e traz sempre grande lições.

    Não conhecia seu blog e agora estou aqui passeando pelas páginas. Ele é uma graça!
    Parabéns!

    Beijos

    Responder
  8. Ei, Camile! Só hoje descobri que vc mudou de endereço. Te acompanhava pelo feed do vida minimalista. rsrs. Bom ver que só mudou o local, mas continua postando. =)

    Responder
    • Oi Hélida!

      Pois é, eu mudei de endereço mas nem todos acompanharam… não sei como posso fazer pra avisar a todos os leitores. O Vida Minimalista ficou como um site fixo e os posts trouxe pra cá e estou atualizando por aqui. O tema minimalismo estava me limitando muito e por aqui posso abordar outros assuntos também. Fico feliz que tenha me encontrado!

      Beijos

      Responder
  9. Acompanho seu blog e o grupo no facebook de maneira anônima (até agora). Sempre fui muito mais de observar do que falar e aparecer, mas agora senti a necessidade de comentar rs.
    Amei o texto e foi ótimo ler agora de manhã, nessa segunda. Eu tenho extremas dificuldades de me desapegar de maus sentimentos. Sou uma pessoa muito rancorosa e com a rotina e a vida, eu acabo não trabalhando isso muito em mim. As coisas me afetam muito facilmente, sabe?!

    Parabéns!

    Responder
    • Olá, Alarico!

      Fico muito feliz que tenha acompanhado meu blog, mesmo de maneira anônima. Obrigada por deixar seu comentário aqui!

      Olha, não é fácil desapegar de maus sentimentos. O melhor caminho é começar o desapego pelas coisas mais fáceis, removendo as “cascas”. Objetos, roupas, livros… até chegarmos nas nossas emoções e sentimentos. É um longo processo de autoconhecimento que não se esgota no primeiro dia. Aos poucos, vamos olhando mais pra si e identificando pontos que podem ser melhor trabalhados. Fique firme e continue sua busca, tenho certeza que você já mudou muita coisa, só ainda que não percebe. Confie!

      Abraços e muito obrigada pelo carinho!

      Responder

Links por aí...

  1. Deixe ir – Mude Seu Estilo de Viver 03.10.16

Gostou do que escrevi? Deixe um comentário! :)