Crie hábitos alimentares saudáveis

03/01/2015

Crie hábitos alimentares saudáveis

Vou começar o ano falando sobre alimentação e hábitos saudáveis. Todos conhecem aquela famosa frase “você é o que você come”, e não poderia ser mais verdade, já que todas as células do nosso corpo só podem ser construídas a partir de elementos provenientes do que ingerimos. Mas será que estamos realmente levando uma vida saudável? Será que nossos hábitos  alimentares condizem com os nossos desejos de um corpo mais funcional e com menos problemas?

Muitos fazem a famosa promessa de ano novo: Fazer dieta, entrar pra academia e perder x quilos. E então o ano começa, vem aquela preguiça de janeiro, a ressaca do ano novo e quando percebemos, estamos ainda comendo aquela rabanada que sobrou da virada, refrigerante e uma cervejinha gelada com os pés pra cima na rede o dia inteiro. A verdade é que é muito difícil fazer uma mudança brusca se não estamos acostumados com uma rotina mais saudável.

Fazer restrições alimentares pode funcionar no início. Cortamos gordura, fritura, refrigerante, álcool, doces, e a lista continua… mas o que acontece quando resolvemos chutar o balde “só por hoje”? Perdemos completamente o foco e a dieta vai pro espaço. E a promessa de uma vida mais saudável fica adiada, pra segunda feira, próximo mês, ano que vem…

alimentacao-saudavel

Mudar a alimentação não é uma tarefa fácil. Nem tampouco é uma única tarefa. Nossa alimentação é composta de vários hábitos, e portanto, não deve ser alterada de forma brusca. Há quem consiga, é verdade (eu mesma virei vegetariana da noite pro dia e nunca tive problemas), mas nem sempre fazer restrições bruscas – como cortar doces, frituras etc. – é uma boa saída. E qual seria a solução? Mudar aos poucos.

Quando cortamos diversos alimentos da nossa lista, acabamos nos vendo sem alternativas. Um exemplo clássico é a famosa pergunta aos vegetarianos, sobre o que comemos afinal, se só nos resta salada. A verdade é que quando cortamos, não criamos o hábito de introduzir novos alimentos em nosso dia-a-dia de forma progressiva, o que pode fazer com que fiquemos desanimados a continuar uma dieta restrita, podendo colocar tudo a perder.

Quando introduzimos aos poucos novos alimentos saudáveis em nosso cardápio e aprendemos a substituir determinado ingrediente por outro, fazemos uma mudança gradual, adquirindo um novo hábito de cada vez. Mudar aos poucos pode nos fazer perceber como nosso organismo responde a cada alteração, nos fazendo sentir bem com o novo hábito, em vez de sentirmos culpa ou infelicidade pela restrição.

O ideal, portanto, é não encarar uma mudança de alimentação como um peso, uma restrição, nem tampouco sentirmos pena de nós mesmos por não podermos comer determinados alimentos. Devemos, ao contrário, sentir felicidade por estarmos mais saudáveis e comendo melhor. Tentar encarar como uma mudança positiva – e tentar enxergar os resultados futuros – é mais benéfico que sofrer pela mudança. O jogo é criar hábitos saudáveis, dos quais teremos orgulho, e não restrições que nos colocarão pra baixo.

Adquirir um novo hábito por vez, inserir alimentos saudáveis aos poucos e evitar – não se abster 100% – de alimentos que sabemos que são prejudiciais pode ser a chave do sucesso de uma vida mais saudável. E caso coma aquele brigadeiro de colher numa noite fria de domingo, não se sinta culpado. Cada um tem seu ritmo, cada um tem seu tempo para mudanças.

E você, como se alimenta? Se gostou deste artigo, compartilhe nas redes sociais!

Um ótimo 2015 bem saudável a todos!

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

7 comentários leave one →

  1. Fernanda Rocha

    Gostei da ideia, realmente mudança de hábito para mais saudáveis normalmente é para melhorar a vida da gente e não piorar e só esse fato deveria nos deixar mais felizes motivados, até porque o que serve para uma pessoa nem sempre serve para outra. Encontrar o equilíbrio seu… único… isso sim é válido.

    Responder
    • Exatamente, Fernanda! Mudar nossos hábitos tem que nos trazer alegria, não tristeza. Sempre temos que buscar o nosso equilíbrio e o que serve pra um não serve pra outro. 🙂

      Responder
  2. Marina

    Muito válido seu post, acho que a coisa mais difícil atualmente pra qualquer pessoa é mudar a própria alimentação. Imagina, eu moro com meus pais e meus irmãos, querer mudar a minha alimentação é quase impossível se as pessoas que moram comigo não estiverem dispostas ao mesmo, pois há o orçamento e as compras de supermercado envolvidas, e como não sou eu que pago por isso, fico sem voz ativa. É dificil, muito dificil.

    Responder
    • Olá, Marina!

      O que você falou é muito certo… infelizmente quem mora com os pais não têm total autonomia pra comprar o que quiser, mas sempre há um jeitinho de substituir algum ingrediente por outro. Por exemplo, aqui em casa usam muito açúcar nos sucos, eu peço pra deixar uma jarrinha sem açúcar pra mim e eles adoçam o restante. E na rua é mais fácil termos controle, principalmente quando almoçamos em self-service. Se tiver alguma sugestão de como mudar hábitos alimentares quando se depende de outros, pode escrever pra mim que compartilho com outros leitores.

      Abraços!

      Responder
  3. Preciso mostrar estes post para as pessoas que conheço! haha
    Todo mundo me olha com sofrimento todas as vezes que digo que evito coisas que fazem mal, vê se pode? Parece que sou um ET! Pra mim já sai até no automático: escolho coisas mais leves e saudáveis sem perceber. Também, quando dá aquela vontade de comer um doce, eu como! Não fico contando calorias porque meu objetivo não é emagrecer, é ter saúde física e mental (daí o doce me ajuda a ficar feliz de vez em quando!).
    Acredito que muitas coisas na vida são como você falou no post: as mudanças radicais tem maiores chances de falhar do que as que são graduais. Assim você adquire um hábito de cada vez, e nem sente!
    Beijos.

    Responder
  4. Juliana

    Oi Camile, tudo bem?

    Sempre me alimentei muito mal. Doces, frituras e refrigerantes. Porém, de alguns anos para cá, eles se tornaram meio que uma recompensa para as “chateações”. O problema é que nos ultimos meses tenho me recompensado com frequencia. Mas resolvi mudar minha alimentação e dessa vez sem grandes restrições. Percebi que ao ficar sem o refrigerante ou o doce, eu buscava mais e mais alimentos, pois a sensação de vazio nao me deixava nunca. Então estou fazendo aos poucos. Inserindo as saladas e as frutas todos os dias, mas quando me da o vazio, como um pedacinho de chocolate. O refrigerante vai ter que ser cortado de vez, esse nao teve jeito. Mas estou na luta, um dia de cada vez. Um abraço.

    Responder
  5. Miriam

    Iniciei uma reeducação alimentar em junho de 2014 e estou muito contente com os resultados, mas só funcionou porque consegui me convencer de que o importante era melhorar a qualidade de vida, emagrecer e conseguir entrar nas roupas já apertadas e incômodas, devido ao ganho de peso, era secundário. Relaxei comecei a pesquisar sobre hábitos alimentares saudáveis e aos poucos fui gostando dos novos alimentos que descobria e deixando outros que me acompanhavam a anos e que hoje quase nem lembro que um dia gostei tanto. Perdi 5 kg, voltei a entrar nas antigas roupas e principalmente melhorou muito minha auto estima pois quebrei minha própria resistência às mudanças e isso serviu também para outras áreas da minha vida. Essa primeira vitória, contra velhos hábitos, me dá muito ânimo para prosseguir, agora quero praticar atividades físicas e parar de arranjar desculpas para não fazê-las.

    Responder

Gostou do que escrevi? Deixe um comentário! :)