Casa & Energias

Criando meu Armário-Cápsula

06/09/2015

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Na primeira vez que ouvi falar sobre Armário Cápsula (capsule wardrobe), foi quando ainda tinha o blog Vida Minimalista. Achei a ideia super legal, mas não muito viável pra mim, já que estou em constante mudança, principalmente com minhas roupas. Ora gosto de calçar meu All-Star com minha camisa xadrez, ora estou com uma saia esvoaçante e tem momentos que me visto apenas com uma legging, sapatilha e blusa, pronta pra praticar yoga se pintar uma oportunidade.

Pra falar a verdade, sempre senti uma certa indefinição quanto ao estilo de me vestir, mas uma coisa é certa: não sou perua. Nem tampouco consumista. Roupas que esbanjam uma etiqueta famosa não me atraem, ao menos que eu realmente goste muito e estejam à venda por um valor que eu possa pagar. Cresci em uma família na qual aprendi desde cedo a valorizar o dinheiro que ganho, e reflito bastante antes de levar peças de roupas até o caixa para pagá-las.

No entanto, com essa minha indefinição de estilo – ou talvez ser indefinida seja o meu estilo! – me faz ter peças de roupas de diferentes estilos, que na maioria das vezes não combinam muito bem entre si. Mesmo tendo um guarda-roupas cheio, volta e meia me vejo sem opção do que vestir, apenas porque uma peça coringa está pra lavar e com o que tenho disponível não dá pra fazer muitas combinações.

Há dois livros que gosto bastante que me fizeram encarar o estilo pessoal de me vestir com outros olhos. Um deles é o Vista Quem Você é, das meninas do blog Oficina de Estilo. Cris Zanetti e Fê Resende são consultoras de estilo pessoal e dão várias dicas, tanto em seus blogs quanto no livro, que me fez repensar o que eu estava comprando, se realmente combinava comigo.

O outro livro se chama Madame Charme, e tem resenha aqui no blog. Conta a história (real) da Jennifer Scott, uma americana que ao passar meses em Paris, viveu na casa de uma família super tradicional e aprendeu demais sobre estilo pessoal. Em ambos os livros, a mensagem maior é que menos também é mais no caso de roupas, e que não precisamos entulhar nosso guarda-roupas para ficarmos elegantes e comunicar quem somos através do que vestimos.

A ideia de ter um guarda-roupas reduzido até me chamou a atenção, e os posts sobre declutter no armário aqui no blog não me deixam mentir. No entanto, a questão não é apenas doar tudo aquilo que não usamos e manter uma quantidade mínima viável, mas saber o que manter e também o que adquirir para que possa haver uma maior possibilidade de combinações. Às vezes, uma única peça comprada pode ser a chave para várias combinações diferentes que talvez não seria possível com o que temos em casa. E é muito importante que, ao comprarmos algo, estejamos atentos à qualidade. Afinal, de nada adianta pagarmos baratinho por uma peça que durará apenas algumas lavagens. Mas também temos que ficar atentos se aquele preço um pouco maior vem realmente da qualidade da peça, ou apenas de uma etiqueta famosa colada.

Capsule Wardrobe

O conceito de armário-cápsula surgiu com Titta Aguiar  em seu livro “Personal Stylist – Guia para Consultores de Imagem” e foi popularizado pela blogueira Caroline Rector, do blog Unfancy. Ao desapegar do máximo viável, Caroline chegou a um número de 37 peças, que seria seu número ideal. Grifo esta parte pelo motivo de que cada um tem suas necessidades, e uma das coisas que me chateavam no minimalismo é direcionar nossa energia em números e se preocupar apenas com a quantidade de peças. Vale, então, ressaltar que cada indivíduo é um indivíduo com suas próprias características e necessidades, e que todo este processo de minimalizar um guarda-roupa está muito mais relacionado à praticidade, desapego e autoconhecimento.

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Vida Conectada » #vidaconectada

Um armário cápsula representa mais tempo + mais dinheiro + mais energia para coisas na vida que realmente importam.” #unfancy

Mas não foi apenas a blogueira Caroline Rector que me inspirou a tentar criar um armário cápsula. Já faz um tempinho que venho acompanhando a Gabi, do blog Teoria Criativa, que também resolveu encarar o desafio de reduzir seu guarda-roupas e até criou um grupo no Facebook chamado Em busca de um armário-cápsula para debater sobre o assunto. E depois de navegar pelas dicas no grupo, levantei-me empolgada e comecei a minha arrumação.

Meu armário

Mesmo tendo feito um super declutter no meu guarda-roupa, ainda mantenho peças de roupas que gosto bastante. Depois da última organização seguindo as dicas do livro A Mágica da Arrumação, da Marie Kondo (tem resenha aqui no blog), desapeguei de muitas peças, mas ainda mantive aquelas que amava. Porém, amar uma roupa e não usá-la não faz muito sentido, e por este e outros motivos decidi arriscar fazer um armário-cápsula pra usar bastante roupas que eram boas, mas que estavam guardadas no fundo da gaveta, ou tirar de circulação aquelas que estavam destoando um pouco do restante das roupas.

Primeiro passo

O primeiro passo que dei foi abrir as gavetas e retirar todas as peças que tinha. Coloquei sobre a cama minhas blusas, vestidos, calças, saias e casacos, ou seja, fiz uma pilha enorme. Aproveitei para limpar as gavetas e usar minha essência de lavanda para receber as peças que voltariam.

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Aproveitei também para fazer a troca dos cabides. Ano passado comprei cabides de ferro para padronizar, mas nem cheguei a completar todos e já me alertaram que a durabilidade não era tão boa quanto um de madeira. Parei de investir em cabides nesse material e comecei a comprar, aos poucos, cabides de madeira para um dia, organizar meu guarda-roupas. Este dia chegou! 😀

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Separei minhas camisas em pilhas sobre a cama, e fui percebendo que tenho uma grande quantidade de peças nas cores branca, preta e cinza. Também reparei que tenho muitos vestidos, mas que raramente os uso. A proporção de vestidos e saias para calças e camisas é completamente desproporcional! Sempre penso em ter boas roupas de sair, mas sou uma pessoa extremamente caseira, o que significa que eu deveria ter mais roupas para o dia-a-dia (faculdade + trabalho) do que roupas para festas e eventos.

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Após fazer toda a triagem e separar as peças que estavam em boas condições das que não estavam tão boas para continuar usando, fui pendurando nos cabides novos os vestidos, camisas, saias e calças que pretendo usar.

É importante fazer uma observação: a ideia de ter um armário cápsula é de que as roupas selecionadas para uso sejam para uma determinada estação, ou seja, uma quantidade X de roupas que serão usadas por 3 meses. No entanto, ainda não consegui definir bem o tempo que as usarei, já que aqui no Rio de Janeiro não temos estações bem definidas, além do tempo ser um pouco louco. Em um dia temos aquele sol de bronzear na praia e no outro a temperatura cai e chove o dia inteiro. Seria mais fácil se tivéssemos as estações do ano mais definidas, mas como não temos, meu armário-cápsula será um tanto experimental.

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Consegui finalizar a organização inicial para um número legal de roupas que tentarei usar. Na ideia original, se contam as roupas e sapatos, e se deixam de fora as roupas de dormir, de ginástica e acessórios. No meu caso não cheguei a mexer nos sapatos nem nas roupas de ginástica, deixarei para uma outra etapa. Mas já adianto que agora consigo ter uma noção mais clara do que tenho para uso e de algumas peças que pretendo comprar para aumentar o número de combinações entre o que já tenho, como adquirir mais uma legging preta (dou aulas de yoga, preciso de calças confortáveis), um short bege e mais um jeans.

Como o post já está ficando bem grandinho, vou deixar para falar mais sobre o assunto conforme for organizando ainda mais meu armário-cápsula. Enquanto isso vou pensando e repensando sobre o que tenho, se manterei ou removerei alguma peça, ou seja, é um processo que no meu caso não dá pra ser feito do dia pra noite.

Considerações

  • Não separei nenhuma roupa para doar. Já havia feito um super declutter anteriormente e pretendo fazer ajustes ainda no meu armário, o que significa que posso pegar uma roupa que estava guardada para usá-la ou vice-versa. Estou em “período de adaptação“, se isso existe. 😛
  • As roupas que não pretendo usar coloquei em outra parte do guarda-roupas. É lá que guardo meus casacos de frio, sobretudos e vestidos de festa.
  • Ainda estou descobrindo qual cartela de cores combina mais comigo, mas já tenho uma ideia que ter cores neutras e pontos de cores é a melhor opção. No meu caso, adoro o rosa antigo (primeira camisa na foto acima) e me sinto muito bem com esta cor. Quero evitar ter tudo muito colorido.
  •  Não estou fazendo um armário limitado a uma única estação, mas sei que quando o verão chegar, precisarei mudar muitas peças. Se aqui no Rio de Janeiro tivemos quase 40ºC no inverno, não quero imaginar como será a temperatura no verão.
  • É importante repetir: cada um tem suas necessidades. Estabelecer um número de itens pode parecer desafiador, contanto que não cause estresse. O importante é o autoconhecimento que temos durante o processo do desapego e também por conhecermos melhor nossa própria personalidade e como nos comunicamos ao mundo.
  • Ainda não concluí meu armário-cápsula, mas consegui dar o meu primeiro passo. 🙂

Agora quero saber de vocês: quem já experimentou ter um armário-cápsula? Deixem aqui suas dicas e ideias sobre o assunto! E se gostaram do post, ficaria muito feliz se compartilhassem em suas redes-sociais. <3

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

24 comentários leave one →

  1. Fernanda Rocha

    Oie. Adorei o post, não conhecia esse termo armário capsula mas gostei muito de ler. Eu ando nesse ano num período de renovação de personalidade mesmo (até sai de um emprego que eu não estava feliz e fechei os blogs que eu mantinha há anos). Fiz muitos declutters nas minhas coisas :papelada, objetos de papelaria que eu tinha aos montes e livros, até em produtinhos de beleza eu fiz mas nas roupas não, agora lendo seu post vejo que não mexi nas roupas porque eu estava com preguiça de definir meu estilo, hahahahha, isso mesmo preguiça. Aqui no RS temos as 4 estações do ano (as vezes tudo no mesmo dia), então as temperaturas vão dos -3 para os (acreditem) 40 no verão, haja variedade de roupa no armário para dar conta dessa variação toda. Eu nunca tive um estilo (acho que combino com você Camile) mas ando sentindo a necessidade de ter (acho que é a idade, hehehe). Hoje mesmo, fui me arrumar para ir numa feirinha de artesanatos, comes e bebes e tudo mais que pessoas da cidade quiserem vender, pessoas que tem mini negócios as vezes em casa mesmo. Então lá fui eu para a calça jeans, tênis (como a feira fica numas ruas histórias da cidade há calçamento mas não são asfaltadas e como eu ia a pé de casa optei pelo tênis), uma blusinha de lã e um casaquinho de malha. Quando me olhei no espelho tive um choque, pensei “Fê: que isso? Tu nem parece uma mulher de 30 anos!!! Olha como esta vestida, já pensou que as vezes você sai assim no dia a dia? Tu esta feliz com o teu estilo 3.0?” Enfim, fiz vários questionamentos e vi que não estou feliz com meu estilo, sinto que estou muito atirada, usando qualquer coisa que não mostra nada minha personalidade…me senti mal mesmo (mas na preguiça fui daquele jeito no passeio). Não que esse meu mal estar tenha haver com o que vejo nas ruas ou o que a mídia mostra, tem haver comigo mesma. Sinto que não passo o que sou e modo de vestir passa muito da personalidade da gente. Eu estou num processo de mudança imenso desde ano passado mas mudei apenas internamente, vejo que na aparência ainda sou uma pessoa que passa imagem de “sem atitude, sem personalidade, sem voz, sem opinião, uma pessoa que se esconde”, mudei muito e estou sentindo necessidade de mostrar isso por fora. Que pena que roupas e calçados sejam caros onde moro, mas enfim, vou ter que começar a mudar a aparência para já e começar a gostar do que vejo no espelho.

    Responder
    • Pelo visto você está em uma época de muitas mudanças! E nada mais justo que mudar também o guarda-roupas e renovar todas as energias. Adoro fazer isso! E nós, na faixa dos 30, realmente bate aquela sensação de “quem sou eu?” hahaha. O processo de autoconhecimento é maravilhoso!

      beijos!

      Responder
  2. Oi!
    Eu acho a Unfancy linda demais hehe Meu corte de cabelo foi inspirado nela 🙂 Mass armário cápsula nunca me animou justamente por não temos estações bem definidas.
    Acabei de ler o “Vista quem vc é” e adorei, estou montando um painel no Pinterest com inspirações e logo parto pra mais um declutter.
    Eu tenho muitas peças estampadas. Isso está me atrapalhando e já coloquei algumas coisas na wishlist.
    Quero muito ter um guarda-roupa que reflita o meu estilo e que seja o mais enxuto possível.
    Bjo

    Responder
    • Unfancy é puro amor! E o cabelo dela, concordo, é lindo demais! Amo franjas, e a sua também é muito fofa! <3

      Olha, eu também tenho muitas roupas estampadas e agora quando comprar algo, será mais lisa... pra combinar melhor com o que já tenho.

      beijos!

      Responder
  3. Amanda Inácio

    Ameeeeei esse post!! Já sou louca por essa ideia de armário cápsula antes dele ter esse nome chic justamente por causa desse livro aí que você mencionou, Madame Charme 😉 eu já uso um número pequeno de roupas no dia a dia, acho. Queria fazer um post mostrando tudo como está sendo, mas sapatos não entram na conta, né? Porque roupas eu até vivo com poucas peças, mas sapatos devo ter um cem pares! Hahahah
    Beijooos!

    Responder
    • Amanda, quanto tempo!

      Sabe que li Madame Charme depois de sua resenha no blog? E por falar em blog, percebi que teremos novidades em breve, né? Estou ansiosa pra que você volte logo pra blogosfera.

      Beijos!!

      Responder
      • Amanda Inácio

        Jura?? Nossa, que legal!! Esse livro é muito bom mesmo, que legal que você curtiu também!!
        E siiiim, voltei com o blog! Mais animada do que nunca, hahaha.
        Beijos!!

        http://vacasmagras.com/

        Responder
  4. Eu também estou em período de adaptação. Mas não quis fazer um guarda-roupa cápsula. Apenas minimalista. Ainda estou em busca de construí-lo e ir substituindo algumas roupas que uso porque não tenho opção, mas não gosto tanto e não faz mais meu estilo. Comprar clássicos é sempre bom, sei que não vou enjoar deles, ou mudar de ideia depois.
    Estou minimalizando apenas. Eu achava que não tinha muitas roupas, mas eu tirei mais de 7 bolsas do guarda-roupa. Não de uma vez. 2 em um dia, 3 em outro, 1 e mais 1. Assim, aos poucos, foi assim que funcionou pra mim. Agora tá lá só o que eu uso mesmo.
    Ah… e eu determinei um número pra mim. Não fiz seguindo regra dos outros, eu impus a minha própria, peguei um caderno e anotei o número que EU considero viável.
    A casa fica melhor…e a gente também. Parece que menos possibilidades facilita o uso de todas, e agora eu uso mais roupas que usava antes.
    É muito bom!

    Responder
    • Um armário minimalista é uma ótima ideia, não precisa chegar a um cápsula, no meu entender. Só de termos o que realmente gostamos e vamos usar já é um adianto! Gosto da ideia da cápsula pelo trabalho que temos em fazer os arranjos das peças fazendo com que haja uma maior combinação entre elas, o que também pode ser feito com um armário minimalista, afinal, ambos andam lado a lado.

      E você está certa, indo aos pouquinhos vamos nos conhecendo melhor e descobrindo qual nosso limite, sempre buscando o equilíbrio.

      beijos!

      Responder
  5. Lara

    Eu também adotei o armário cápsula há um pouco mais de um mês. Achei muito legal (inclusive fiz um post sobre isso). Engraçado que pareciam poucas roupas mas acabei tendo bem mais do que precisava! Resultado: semana passada enxuguei ainda mais as roupas, eliminei algumas que tinha colocado no armário cápsula numa última tentativa de usar (e não vingaram) e acabei ficando com “apenas” 15 peças. Apesar de parecer pouco, estou muito satisfeita com esse número e, em uma semana, ainda não repeti nenhum look.
    A experiência do armário cápsula foi muito boa. Aprendi demais sobre meu estilo, percebi que não importa quão linda seja a roupa se ela não é compátivel com meu estilo eu acabo não usando mesmo.

    Responder
    • Que legal saber da sua experiência, Lara! A verdade é que não temos a noção de quantas roupas temos até fazer uma super arrumação dessas… e no fim, descobrimos que nem precisávamos de tanto. Dá pra viver bem, com menos. <3

      Beijos!

      Responder
  6. Debora Horn

    Acho dificil nessa “capsula” o fato de ter que ter espaço para guardar o resto das roupas.
    Minha casa não terá lugar para guardar malas, ou é o armário ou é no lixo, então reduzi bastante (porém vou reduzir mais ainda quando colocar de vez as coisas na casa). Acho que para mim, o que serviu foi minimizar. Adorei a ideia e estou aplicando.
    Visto, não gostei, doação. Ponto final. Não fica ali enrolando, dando segunda chances. E vi que preciso MUITO de roupas, não estou feliz com o que tenho. (mais camisetas de super herois-harry potter do que eu quero assumir).
    Quero passar por uma dessas estilistas personalizadas que diz o que fica bom em vc e peças chaves para eu aplicar na minha vida. Acho que isso irá ajudar. Alguém já fez?

    Responder
    • O principal pra começar um AC é reduzir, você está no caminho certo! No meu caso, separei em outra parte do guarda-roupas porque ainda não fiz o processo completo. Foi só o primeiro passo, depois vou reduzindo mais, até chegar a um número ideal pra mim.

      Quanto à estilista, nunca passei por uma pra saber meu estilo, mas seria bem legal ter essa experiência. Acho que ajudaria demais a selecionar o que vai e o que fica no meu armário. 🙂

      Beijos!

      Responder
  7. Ellen

    Seu post me inspirou muito. Ainda estou pensando em fazer o AC porque sou daquelas que muitas vezes compro roupas por impulso e não uso. Estou lendo muito sobre o assunto para criar coragem e fazer sem sofrimento. Seu post foi esclarecedor e motivacional, parabéns!
    Beijos

    Responder
    • Fico feliz que tenha gostado do meu post, Ellen!

      Também ando lendo bastante sobre o tema, inclusive lá no grupo do facebook sobre AC tenho visto dicas bem interessantes.

      Obrigada pela sua visita!

      Beijos 🙂

      Responder
  8. Marcella

    Adoro o tema mas não sei direito por onde começar! Não sei que peças essenciais devem compo ro armariocapsula e fico perdida! Pode fazer um vídeo no youtube mostrando a sua experiência e as peças que escolheu? Acho que facilitaria muito! Abs!

    Responder
    • Vou anotar sua dica, Marcella! Não sei se conseguirei em vídeo, mas pelo menos um post tentarei fazer mostrando minhas roupas e como está sendo essa experiência.

      Abraços!

      Responder
  9. Muito bom o post! Estou me preparando psicologicamente pra fazer o mesmo experimento.
    Mandei várias roupas que gosto muito pra costureira, e muitas foram pra customizar de acordo com o meu estilo atual. Quando elas voltarem (acredite, foram muitas) eu vou realizar esse desafio que é desapegar. Sei que muita coisa de inverno vai ficar, porque em SC quando o frio pega, ele pega pra valer, mas confesso que já estou ansiosa pra que as roupas voltem e eu inicie a minha saga. Depois disso pretendo fazer uma lista de roupas de verão pra completar o guarda-roupa 🙂

    Responder
    • Acho super legal essa ideia de levar as roupas na costureira. Eu nunca fiz isso, talvez por comodismo ou por não conhecer costureiras por aqui onde moro. Vivemos na era do descartável e acho super bacana essa ideia de reaproveitar. Já vi roupas se transformarem completamente e ficarem lindas. O que não falta é inspiração! Parabéns pela ideia sustentável e boa sorte com seu novo armário. Depois volte pra me contar como ficou!

      Beijos!

      Responder
  10. Rosimar

    Oi Camile, gosto dos seus posts mas tenho que fazer uma correção: a garota do un-fancy, que eu gosto muito também, começou com a história dos capsule wardrobes em março de 2014. A primeira menção que li a respeito disso foi no livro da Titta Aguiar “Personal Stylist – Guia para Consultores de Imagem, quarta edição revista de 2006. Aliás, não é menção, ela ensina a montar capsules wardrobes para cada ocasião. Muito interessante e vale a leitura. Assim, o conceito não surgiu com a Caroline, surgiu bem antes dela pensar em ter um blog. Abraços, Rosimar.

    Responder
    • Obrigada pela correção, Rosimar! E vou procurar esse livro pra ler também.

      Abraços!

      Responder
  11. Natalie Supeleto Gomes

    Oi Camille,
    Gostei muito do seu post. Já faço algo parecido com o armário cápsula a algum tempo. Mas de forma bastante intuitiva e na verdade ainda não havia percebido que com um pouco de método posso por um freio no meu consumismo. A parte do estilo pra mim já está muito bem definida alguns anos, desde os tempos em que as condições financeiras só me permitiam ter poucas peças. A paleta de cores também tenho a minha bem definida.
    Eu comecei a fazer uma cápsula de verão pra mim. E uma das coisas mais interessantes que percebi foi que a minha última aquisição à duas semanas é o tipo de peça que se encaixa melhor em uma cápsula de meia estação ou resort que o clima vai permitir lá pra março!!!
    A minha intenção com a cápsula é usar mais algumas peças que quase não uso por que acabo usando muito as mesmas.
    Eu estou pensando em algo tipo 50 peças incluindo sapatos, bolsas e baladinhas.
    As mais formais já ficam normalmente separadas.
    Vamos ver quanto tempo e dinheiro conseguiremos economizar com essa proposta!!!!
    Um abraço querida!

    Responder

Links por aí...

  1. Armário Cápsula – O Essencial 27.12.16

Gostou do que escrevi? Deixe um comentário! :)