Artigos sobre » Eventos & Passeios

10 bares e restaurantes no Rio de Janeiro (com opção veg!)

04/12/2015

Está no ar a segunda parte das dicas legais do Rio de Janeiro a pedido da equipe da Expedia Brasil. Pra quem ainda não leu a primeira clique aqui para saber os 10 roteiros gratuitos que mais gosto de fazer na cidade. E hoje vou dar dicas de 1o restaurantes e lanchonetes que costumo frequentar. Se você é vegetariano como eu, tem algumas dicas de restaurantes mais naturebas e outros nem tanto, mas que oferecem opções para quem não come carne. Vamos lá?

1 – Camafeu Bistrô

Localizado perto da Praça Saens Peña, na Tijuca, o Camafeu Bistrô é um lugar um pouco escondidinho, mas super aconchegante. Além de oferecer almoço (com opção vegetariana), tem uns cafés deliciosos, waffle e o que mais gosto: Ciabatta com uma massa super leve. Tem também cervejas artesanais e vários tipos de Capuccino, como os de Ovomaltine e Nutella. Dá água na boca, né?

Site: Fanpage

2 – Hare Burger

Famoso nas praias do Rio de Janeiro, o Hare Burguer começou com uma ideia de vender sanduíches naturais, mas com o espírito empreendedor, seu idealizador acabou abrindo lanchonetes na Zona Sul do Rio e agora na Tijuca. Todos os hambúrgueres são vegetarianos ou veganos e o combo inclui o hambúrguer, suco ou chá (não tem refrigerante) e no lugar da batata frita, um pacotinho de aipim crocante.

Os nomes dos sanduíches são os melhores! Na foto estou comendo um Shiva Shiitake, mas tem várias opções, como o Yin-Yang, Mistério do Cardápio e pra acompanhar, os Hare Sucos Elixir da Imortalidade, Abacalã com Ortexí e Hare Paz. Acho que o mais divertido de tudo é olhar o cardápio e a decoração, cuja porta abriga um dinossauro enorme inflável.

Site: hareburguer.com 

3 – The Fifties

Saindo um pouco da onda de comidas naturais, um dos lugares que passei a frequentar recentemente é o The Fifties. Tem em vários lugares, inclusive no Shopping Rio Sul. É uma opção também pra quem é vegetariano e quer comer um delicioso sanduíche com batata-frita e muito queijo cheddar derretido. A dica é pedir o Veggie Burger, que acompanha alface, cenoura ralada, vinagrete e champignon. Tem também uma torre de cebolas fritas deliciosas pra quem é vegano, mas pra quem come queijo, a dica é a batata frita com cheddar derretido pra acompanhar.

Site: thefifties.com.br

4 – Katz

Pra quem está afim de tomar um café com os amigos acompanhado de um bolo delicioso, o Katz é uma boa opção. Tem em vários shopping do Rio de Janeiro e oferece uma variedade de chocolates, trufas, bolos e tem a parte da biscoitaria, que deixa com qualquer um com água na boca. É uma casa tradicional de Petrópolis-RJ com mais de 60 anos e que agora oferece suas delícias na cidade. Eu costumo frequentar o do Barra Shopping, mas tem em vários outros pontos. Vale à pena e recomendo!

Site: katzchocolates.com.br

5 – Prabhupada Vani

Tenho que confessar que o restaurante indiano Prabhupada Vani é um dos meus queridinhos. Localizado na Tijuca, entre a Praça Varnhagen e a UERJ, cada dia tem um cardápio diferente, com opção de vegetariano ou vegano. O almoço tem preço único e acompanha uma salada, o prato principal, o suco natural de fruta do dia e um caipihare, que é uma delícia de suco com gengibre pra abrir o apetite e estimular a digestão. Tem a opção normal ou reduzida e sempre escolho a menor, que é a quantidade da foto.

Pra quem gosta da cultura indiana, neste espaço funciona também um templo que tem uma programação bem legal com cantos, músicas e cerimônias, além de abrigar uma lojinha com artigos indianos e livros sobre a tradição.

Site: Fanpage

6 – Tempero da Praça

O Tempero da Praça é um bar muito aconchegante que está localizado na Praça da Bandeira, Zona Norte do Rio. Com uma programação cultural bem interessante, tem música ao vivo como samba, chorinho, MPB entre outros. É um ótimo lugar para reunir os amigos, tomar um chopp ou cerveja artesanal. Para os não-vegetarianos, tem um bolinho de feijoada que é muito famoso, mas para quem não come carnes, tem várias opções de quitutes.

Site: Fanpage

7 – Seletti

Seletti é um fast-food, mas não poderia deixar de dar essa dica. Presente em vários shoppings, tem com comida natural e balanceada, uma ótima opção pra quem quer se alimentar de forma saudável no shopping. Tem opções vegetarianas e veganas, como esse wrap de shitake delicioso, mas também tem opções com frangos e peixes grelhados. Tem algumas promoções de combos com suco do dia, que também são naturais da fruta e um dos que mais gosto é o famoso abacaxi com hortelã, delicioso!

Site: seletti.com.br

8 – Outback

Eu sei, muitos já conhecem o Outback, mas por ser um steakhouse alguns vegetarianos podem não frequentar por acharem que não tem opções sem carne. Apesar dos pratos-chefe serem costelas e frangos, os vegetarianos podem optar pela famosa cebola frita, batata assada e Potato’n Salad, que é a Batata assada (Jacket Potato) acompanhada da Caeser Salad. A dica pra quem não come carne é pedir pra trocar o molho da Caeser Salad porque é feita com aliche (sardinha anchovada) por outro molho, como o Blue Cheese ou honey mustard.

9 – Vikings

Localizado na Praça Varnhagen, na Tijuca, o Vikings fica em um centro gastronômico com diversos restaurantes pra se conhecer. Com decoração caracterizada, é um ótimo ambiente pra quem gosta da cultura nórdica Viking. Tem até opção de hidromel no cardápio das bebidas, pra entrar no clima mesmo, e na parte de Sanduíches Light, temos opções vegetarianas para quem não come carne. Além dos hambúrgueres, tem também anéis de cebola, batata frita, caesar salad, batata assada etc. Vale à pena conhecer o ambiente e colocar o chapéu Viking na cabeça enquanto se diverte com os amigos.

Site: vikingsbr.com

10 – Zacks

Presente em vários shoppings no formato restaurante ou express, conheci o Zacks no Norte Shopping quando procurava por algum restaurante legal pra almoçar. Com a decoração baseada nos anos 60, o Zacks oferece um cardápio com muitas variedades de pratos feitos para almoço além de lanches para quem quer apenas comer uns petiscos. Tem opção de Onion Rings com molho barbecue, Nachos com Cheddar, massas e muitas outras variedades. É um bom lugar para se comer no shopping (Express) ou nos restaurantes na Zona Sul e Centro.

Site: zacks.com.br

Não deixe de conferir mais dicas de botecos no Rio de Janeiro da Expedia Brasil

Espero que tenham gostado das dicas! E vocês, onde costumam frequentar? Tem alguma dessas opções em suas cidades? Comentem aqui e compartilhem dicas também!

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

10 roteiros gratuitos no Rio de Janeiro

20/11/2015

Faz um tempinho que eu estou querendo compartilhar aqui no blog dicas de lugares que frequento aqui no Rio de Janeiro além das viagens e passeios que faço por outras cidades. Pra minha felicidade, o Expedia Brasil entrou em contato comigo e me convidou pra compartilhar com vocês algumas dicas de roteiros gratuitos no Rio de Janeiro que gosto e indico.

Acho super legal mostrar um pouco da minha cidade, dar dicas de passeios, restaurantes e points que costumo frequentar, não apenas pra turistas que vêm passear na cidade, mas também pra quem mora aqui no Rio e quer conhecer novas atrações. Hoje vou indicar 10 roteiros gratuitos que vão te ajudar a relaxar, se divertir e aprender um pouquinho mais sobre cultura. Vamos lá?

1 – Quinta da Boa Vista

Quinta da Boa Vista - Rio de Janeiro | Camile Carvalho camilecarvalho.com

Localizada na zona norte do Rio, em frente à estação São Cristóvão, a Quinta da Boa Vista é um parque super agradável com diversas atrações. É lá que fica o Museu Nacional e o Zoológico do Rio, além de ter sido a residência real quando a família real chegou no Brasil em 1808. O parque é lindo, com lagos, muita natureza e um amplo espaço pra práticas esportivas. Geralmente fica bem cheio nos fins de semana com famílias fazendo piquenique, atletas correndo e crianças brincando. É lá que dou as aulas de Yoga na natureza, então vocês podem imaginar que é um ambiente super agradável mesmo!

2 – Floresta da Tijuca

Floresta da Tijuca - Rio de Janeiro | Camile Carvalho camilecarvalho.com

Pra quem quer ficar no meio da natureza mesmo, a Floresta da Tijuca é uma ótima opção. Localizada no Alto da Boa Vista, também na zona norte do Rio, conta com nascentes de rios, muitas árvores, trilhas para caminhadas e tem aquela energia maravilhosa. Bastam algumas horas por lá para sairmos totalmente renovados e recarregados para voltar à realidade da cidade grande. A floresta é um dos quatro locais do Parque Nacional da Tijuca e é considerada a maior floresta urbana do mundo! Vale à pena tirar um dia pra conhecer essa maravilha, respirar um ar puro, ouvir o canto dos pássaros e meditar. (imagem: pixabay)

3 – Palácio do Catete

Palácio do Catete - Rio de Janeiro | Camile Carvalho camilecarvalho.com

Localizado na zona sul do Rio, no bairro do Catete, o Palácio do Catete foi a sede oficial do poder executivo, ou seja, dos presidentes do Brasil. Quando a capital foi transferida para Brasília, o palácio passou a ser o Museu da República. Em sua parte externa temos também um lindo jardim com lagos, patos, pássaros e muitos atrativos. Fica ao lado da estação do metrô Catete e é super acessível.

A entrada do parque é gratuita, mas para visitar o museu (e conhecer a casa e o quarto onde Getúlio Vargas se matou) é cobrada uma taxa. No jardim, temos constantemente eventos culturais, como feiras de livros, teatro, grupos de música entre outros atrativos. Lá também tem um café, um cinema alternativo e uma livraria pequena. Como nasci e cresci no Catete, frequentei muito o palácio e tenho um carinho muito especial por aquele ambiente. Lá encontramos crianças, idosos, estudantes e é um ambiente muito leve também pra relaxar, ouvir os pássaros e fazer uma caminhada.

4 – Parque Lage

Parque Lage - Rio de Janeiro | Camile Carvalho camilecarvalho.com

Quem está na Zona Sul do Rio pode aproveitar o dia para visitar o Parque Henrique Lage. Bem próximo ao Jardim Botânico, o parque abriga a Escola de Artes Visuais e também é parte do Parque Nacional da Tijuca e por isso tem muitos pássaros, palmeiras imperiais e jardins construídos em moldes europeus. É um ambiente escolhido por muitos fotógrafos que aproveitam o cenário e a arquitetura para a composição de books e fotos da natureza, e que eu mesma frequento bastante com essa finalidade ou simplesmente pra relaxar e ler um bom livro.

5 – Lagoa Rodrigo de Freitas

Lagoa Rodrigo de Freitas - Rio de Janeiro | Camile Carvalho camilecarvalho.com

Localizada na zona sul, a Lagoa Rodrigo de Freitas é uma ótima opção pra quem quer fazer exercícios físicos ou apenas contemplar a beleza do Rio de Janeiro. Em seu entorno de 7,8Km de ciclovia, observamos pessoas andando de patins, bicicleta, fazendo caminhadas ou simplesmente sentadas bebendo uma água de coco gelada enquanto observam os esportistas aquáticos. É lá que fica o Clube Naval e alguns clubes tradicionais de remo, mas não é só para o esporte que a Lagoa é frequentada. À noite tem alguns points com música ao vivo, além do centro gastronômico muito movimentado. A dica é aproveitar pra conhecer de dia e estender o passeio até à noite, principalmente em época de Natal, pois é lá que é montada a maior árvore do Rio de Janeiro, bem no centro da lagoa. (imagem: daqui)

6 – Lapa

Lapa - Rio de Janeiro | Camile Carvalho camilecarvalho.com

Se tem um lugar onde encontramos de tudo um pouco, é na região dos Arcos da Lapa. Localizado na Zona Sul do Rio, a região que de dia é pacata se transforma à noite se tornando um point que une várias tribos. De música alternativa à chorinho, a Lapa é um ótimo lugar para se conhecer. Tem vários bares, restaurantes, casas de show e muita música ao vivo. Mesmo não querendo entrar em algum estabelecimento, dá pra aproveitar a música com os amigos reunidos sob os tradicionais arcos, já que tem também muitas barraquinhas de lanches e bebidas. Vale muito a pena conhecer a Lapa! (imagem: pixabay)

Confira aqui mais dicas da Expedia Brasil sobre a Lapa.

7 – Museu das Telecomunicações

Museu da Imagem e do Som - Rio de Janeiro | Camile Carvalho camilecarvalho.com

Assim como o Palácio do Catete, o Museu das telecomunicações também fica no bairro do Catete, podendo fazer um roteiro de visita no mesmo dia. Pra quem gosta de dicas culturais, é uma ótima dica, já que abriga um acervo muito bacana de filmes, exposições, biblioteca, café e vários atrativos. Uma das coisas que mais me chamam a atenção lá é que o Museu fica num prédio que sua metade é muito moderna e a outra metade uma construção muito antiga, bem comum do Catete, por ser um bairro da época do Império. Esse contraste também tem todo um contexto que é também visível na proposta do museu, de brincar com o velho e o novo, principalmente na área das telecomunicações.

8 – Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)

Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) - Rio de Janeiro | Camile Carvalho camilecarvalho.com

Muito famoso pelas suas exposições, o CCBB fica localizado no Centro do Rio de Janeiro e também é uma opção pra quem gosta de passeios culturais. O espaço tem muitos frequentadores, principalmente quando estreia alguma exposição nova, mas compensa enfrentar um pouquinho de fila na entrada, pois o ambiente é super acolhedor, além de ter uma arquitetura maravilhosa. Como programação tem sempre teatro, música, cinema e muitas artes visuais.

9 – Museu de Arte do Rio (MAR)

Museu de Arte do Rio (MAR) - Rio de Janeiro | Camile Carvalho camilecarvalho.com

Assim como o CCBB, o MAR também é um ótimo atrativo para quem curte passeios culturais, além de serem bem próximos. A entrada é gratuita nas terças-feiras, então é bom se programar para fazer a visita neste dia. Localizado na Praça Mauá, também no Centro, o MAR abriga várias exposições interessantes, além de ter uma vista linda de suas varandas para a Baía de Guanabara.

10 – Biblioteca Parque Estadual (BPE)

Biblioteca Parque Estadual - Rio de Janeiro | Camile Carvalho camilecarvalho.com

Para turistas, um ótimo lugar para se visitar. Para moradores do Rio, excelente para estudar. É assim que vejo a Biblioteca Parque Estadual, localizada em uma das principais avenidas do Rio de Janeiro, a Presidente Vargas. A BPE é um centro de atividades culturais e lazer que promove a educação e informação em várias linguagens, como música, vídeo, livros, quadrinhos, teatro entre tantos outros. Quem olha de fora não imagina que dentro do espaço tem restaurantes, jardins, estúdios e até um auditório. Como também fica no Centro do Rio, dá para fazer um passeio visitando o CCBB, o MAR e a Biblioteca Parque Estadual no mesmo dia. Certamente será uma boa dose cultural! (imagem: daqui)

Espero que vocês tenham gostado das dicas dos roteiros gratuitos aqui no Rio de Janeiro que mais gosto de frequentar. Se vocês têm indicações, deixem aqui nos comentários e compartilhe conosco quais passeios gratuitos vocês mais gostam de fazer, mesmo que não seja no Rio de Janeiro.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Palestra: Como identificar e combater a nossa raiva

30/10/2014

Palestra: Como identificar e combater a nossa raiva | Camile Carvalho

Ocorreu ontem, 29 de outubro, na UERJ uma palestra muito inspiradora com o monge budista Kelsang Drime, da Nova Tradição Kadampa. O evento foi proporcionado pela PROEPER (Programa de Estudos e Pesquisas das Religiões), ligado ao departamento de Ciências Sociais da Universidade.

O tema abordado na palestra foi Como identificar e combater a nossa raiva, muito pertinente à situação atual no mundo em que vivemos, no qual sempre nos irritamos e desenvolvemos sentimentos negativos pelo outro por qualquer besteira. O monge sinalizou que além de culparmos constantemente o outro e não a nós mesmos, a raiva não controlada pode causar danos maiores à sociedade, como assassinatos por um motivo tolo.

Antes de iniciarmos a palestra, Kelsang Drime nos presenteou com uma meditação com foco na respiração. A técnica aplicada foi de prestar atenção no movimento do ar durante os 3 minutos em que permanecemos em estado meditativo. Tal proposta tem o fim de desprendermos de pensamentos que surgem em nossas mentes, deixando a mente mais livre e treinada para identificar nossas falhas e removê-las.

Um aspecto importante sobre a raiva é que ela atua como uma lente de aumento, nos fazendo perceber o problema aumentado, quando às vezes, a solução seria apenas identificá-lo e tentar resolvê-lo de forma simplificada. Se o outro é capaz de nos causar o sentimento de raiva, o problema é exclusivamente nosso, que permitimos que tal agitação nos incomode. Por outro lado, se lidamos com alguém raivoso e descontrolado, ou com críticas negativas ou calúnias a nosso respeito, não devemos absorver o que o outro pensa sobre nós e vivermos infelizes, mas sim, deixar que continuem pensando o que quiserem, pois não irá nos afetar.

Palestra: Como identificar e combater a nossa raiva | Camile Carvalho

Como a palestra foi baseada no livro Como solucionar nossos problemas humanos, de Geshe Kelsang Gyatso, o monge utilizou uma definição muito interessante do livro sobre a raiva, que seria: “Raiva é uma mente deludida que enfoca um objeto inanimado, julga que ele não tem atrativos, enxerga suas más qualidades e pretende prejudicá-lo.” (pag. 31) e finalizando a palestra, nos fez refletir sobre quatro consequências que o sentimento de raiva nos provoca, e que são extremamente negativos para nós mesmos:

1. Raiva é um estado mental doloroso. Quem sente a raiva sofre, não consegue dormir direito nem se alimentar.

2. Raiva rouba a razão e o bom-senso. Somos capazes de ter atitudes que não teríamos em um estado equilibrado. O pior é o arrependimento que vem depois…

3. Ficamos feios. E isso é verdade! A raiva nos torna rancorosos, nosso rosto se contrai e dificilmente conseguimos abrir um sorriso.

4. Roubando a razão, a raiva coloca em risco relações, trabalho e a própria vida. Por um impulso de raiva somos capazes de pedir demissão no trabalho, acabar com relacionamentos e até mesmo cometermos homicídio.

Encerramos a palestra com mais uma sessão de meditação e um pedido de iluminação e intenção para que consigamos ter mais controle sobre nossos sentimentos negativos, não deixando que nos influenciem tanto.

Com tantos exemplos e argumentos, fica difícil não refletir sobre a raiva que sentimos dos outros. Será que são os outros que causam esse sentimento ruim em nós ou nós é que permitimos que tais energias nos afetem? E se deixarmos passar?

Um agradecimento especial ao PROEPER, por nos dar a oportunidade de conhecer um professor tão iluminado, ao monge Kelsang Drime por nos trazer um tema tão importante e principalmente ao mestre espiritual Geshe Kelsang Gyatso.

Para quem quiser conhecer um pouco mais sobre a Nova Tradição Kadampa, eles disponibilizaram o livro Budismo Moderno gratuitamente no site. Clique aqui para acessar.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr