Artigos sobre » Eventos & Passeios

O minimalismo e minha viagem ao Piauí

08/01/2017

Camile Carvalho Aeroporto Piauí

Minha primeira viagem ao Piauí foi ano passado, nesta mesma época: virada de ano e férias de janeiro. Como era a primeira vez que vim, sem conhecer direito o local e a família, acabei trazendo uma mala super pesada com muitas roupas que mal cheguei a usar. Apesar de ficar alguns dias em Teresina, passamos a maior parte do tempo no litoral usando biquinis, shorts, cangas e vestidos leves pro fim da tarde.

E então aconteceu o que eu esperava: com tantos passeios pelos Lençóis Maranhenses e Jericoacoara, acabei comprando muitas coisas pra levar pro Rio de Janeiro, além dos presentes pra minha família. Tudo era novidade, e o espírito minimalista passou longe de mim neste período. Eu queria mesmo era comprar coisas que não tinham no Rio de Janeiro, além de guardar recordações da viagem. Eu sei, isso não era desculpa para sair comprando coisas das quais eu não precisava. Na verdade, meu estado emocional estava um pouco abalado e por isso, acabei descontando no consumo.

Nos últimos dias, já de volta a Teresina, constatei que a mala que eu trouxe não caberia tudo que eu tinha comprado, e então fui ao shopping e acabei comprando uma outra mala um pouco menor pra caber tudo. O resultado não poderia ter sido diferente: viajei com excesso de bagagem, mas voltei ao meu lar feliz com tantas guloseimas diferentes e presentes pra família.

O minimalismo e a culpa

Se fosse há alguns anos, eu certamente teria me sentido culpada. Culpada por comprar demais, culpada por ter levado mais do que precisava, culpada por vários fatores que não condizem com uma vida minimalista. Porém, uma das coisas que aprendi nessa minha jornada de autoconhecimento é não me sentir culpada. Aconteceu? Sim. Na próxima tentarei fazer diferente.

E a próxima vez chegou. Aqui estou novamente, com menos roupas, mais seletas, já sabendo o que iria me esperar. Até agora não comprei quase nada – apenas um biquini a mais, bronzeador e máscara de argila – e já tenho mais ou menos planejado o que levarei pro Rio de presente aos meus pais. Algumas roupas que trouxe realmente não fizeram sentido estarem na mala, mas não tem problema. Aos poucos vou reaprendendo a fazer uma mala inteligente, mas preferi trazer alguma peça a mais do que faltar e eu precisar comprar por aqui.

O peso dos cosméticos

produtos que pretendo usar até (quase) o fim

Uma coisa que percebi é que o que mais pesa na mala são os cosméticos: cremes, shampoo, hidratante pro corpo, protetor solar etc., e minha meta é usar tudo (ou quase) até o último dia da viagem, para que eu volte com menos peso de cosméticos do que vim. Isso já abrirá mais espaço na mala para as compras que vou fazer por aqui, que já estão no meu planejamento.

Trouxe comigo uma nécessaire que tem, além dos produtos básicos de higiene pessoal, também óleo de coco, leite de magnésia (uso como desodorante), óleos essenciais e outros óleos para cabelo, rosto e corpo.

Não posso dizer que minha mala é minimalista, mas posso afirmar que estou usando bem quase tudo que eu trouxe. Me sinto leve e feliz, sem culpas de ter exagerado com um sapato ou um vestido a mais. Algo que eu reparo muito no meu grupo Vida Minimalista é o sentimento de culpa. Culpa por ter comprado a mais, culpa por ter peças/objetos em excesso, e se eu puder passar uma mensagem a cada uma das pessoas que sente isso, é:

liberte-se das culpas que o minimalismo trouxe

Encare o minimalismo como um caminho de aprendizado, não algo que te coloca correntes, nem que te deixa mal pelo seu comportamento. Temos hábitos de consumo enraizados devido à sociedade e é difícil mudarmos de um dia pro outro. Aos poucos vamos achando nosso próprio equilíbrio, que certamente não é da mesma forma que o de outras pessoas ao nosso redor. Busque o SEU minimalismo, jamais o minimalismo do outro.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Minha experiência com feiras veganas

24/10/2016

Camile Carvalho na feira vegana Veg Borá - Leve por aí

Quem me conhece sabe o quão caseira eu sou. Passeio bom pra mim é aquele que inclui uma livraria, um barzinho ou café pra sentar, bater papo com amigos ou passear ao ar livre num dia tranquilo. Agitos e baladas são quase um item riscado do meu caderninho, mas não sei por qual motivo – talvez falta de vontade mesmo – demorei pra começar a frequentar feiras veganas.

A primeira que fui, foi a Veg Borá, que aconteceu em Vila Isabel, aqui na zona norte do Rio de Janeiro. Era sua segunda edição e contou com alguns estandes de bolos, tortas, cachorro-quente e a famosa coxinha de jaca. Em poucos minutos após minha chegada eu já sabia que viraria frequentadora.

Uma das sensações mais gostosas é estar em um ambiente cercado de pessoas que compartilham energias semelhantes, que estão ali, não por acaso, mas pelo simples fato de ter algo em comum. Nenhum encontro é obra da sorte, acredito que tudo tem um porquê e que ao longo de nossa jornada vão acontecendo arranjos e rearranjos, como uma grande teia na qual seus pontos de contato são os grandes encontros da vida.

Feiras veganas | comuna botafogo - camile carvalho - leve por aí

Participar de feiras veganas me fez perceber como muitas pessoas – antes desconhecidas – vibram na mesma frequência. Conhecer projetos ambientais, de proteção aos animais e por uma alimentação com menos crueldade só mostra que há muita gente do bem espalhada pelo mundo. A energia das feiras veganas que tenho frequentado é maravilhosa. Olhar ao redor e ver 10, 20 ou 50 estandes de famílias em prol de um bem maior é realmente gratificante. É perceber que o que antes eu vivia, no meu cantinho, muitos também compartilham.

Tenho ido a várias feiras veganas aqui no Rio de Janeiro e pretendo, em breve, participar de algumas outras por aí (quem sabe Sampa?). Já fiz boas amizades, daquelas que quando chego já vou cumprimentar. Já sinto falta de alguns colegas que por algum motivo não montaram o estande em alguma feira. Dou feedback no evento seguinte quando experimento o shampoo em barra, a linguiça vegana, os óleos essenciais… E assim, vou conhecendo novas pessoas, ampliando meu círculo de amizades e trocando ideias sobre bem-estar e sustentabilidade.

Feiras veganas | santuário seitoku - camile carvalho - leve por aí

Sei que nem todos os leitores são veganos ou vegetarianos, mas isso não importa pra mim. Minha felicidade é que, se vocês estão aqui, neste espaço, lendo cada post que escrevo é porque têm algo em comum, se identificam com o que escrevo, compartilham da mesma energia. Assim me sinto nesses eventos: grata por ter encontrado um espaço onde sinto que a energia é tão legal, que quando dá a hora de ir embora, a vontade é que o próximo chegue logo.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Feira Vegana Veg Borá – 3ª edição

19/09/2016

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Aconteceu, no último domingo (18), a terceira edição do Veg Borá no Rio de Janeiro, evento gastronômico vegano idealizado por Ysis Neves. Com entrada gratuita e quitutes com o valor máximo de R$ 20, a feira contou com a presença de marcas de cosméticos sustentáveis, livros sobre vegetarianismo e claro, muita comida boa.

A diferença entre a segunda edição e a terceira foi enorme: enquanto a anterior foi realizada em um espaço pequeno, contando com alguns estandes distribuídos em dois andares, esta ocorreu em um espaço amplo do ginásio esportivo da Associação Atlética de Vila Isabel, o que permitiu uma quantidade maior de expositores e visitantes.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Outro ponto positivo desta edição foi a reserva de um ambiente com mesas e cadeiras para que pudéssemos nos sentar e comer com calma. Na anterior, talvez a organização não tivesse previsto o grande sucesso do evento e não havia muitas cadeiras nem bancos, o que fez com que alguns visitantes comprassem a comida e logo fossem embora por não terem onde descansar.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Estande do Not Dog: nenhum animal precisa sofrer!

Entre os visitantes havia um público bem diversificado: veganos, vegetarianos, pessoas em busca de uma alimentação mais saudável e alguns curiosos que, mesmo não adotando a dieta vegetariana, aproveitaram o evento para conhecer e experimentar os lanches oferecidos. É o caso do engenheiro André Dias que, mesmo não sendo vegano, se identificou com a causa: “Considerei o evento bastante interessante, com alternativas, principalmente no aspecto alimentar, para uma  vida mais saudável demonstrando que podemos viver bem sem o sacrifício de outras vidas”. Sobre a organização, fez uma ressalva: “faltou maior número de barracas de bebidas e o ambiente era muito quente. Por ser um evento predominantemente alimentar, é necessário que haja uma maior ventilação”.

Apesar das ressalvas, provavelmente na próxima edição esses detalhes serão levados em consideração. Como dito anteriormente, a diferença do evento anterior para este foi muito grande, com muitas melhorias, e tenho certeza de que na próxima teremos muitas surpresas positivas.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

O evento também teve atrações diferentes, como o Desafio Ograno, no qual o participante tinha 3 minutos para comer um hambúrguer ogro vegano com o prêmio de R$ 100. Também teve o sorteio de uma tattoo no valor de R$ 300 feita por Luiz Calixto, tatuador vegano que utiliza apenas tintas sem ingredientes de origem animal.

Outra novidade é que o Veg Borá promoveu, em parceria com o Raiz Sustentabilidade, a coleta seletiva e destinação dos resíduos gerados no evento para a reciclagem. Tal ação gerou trabalho e renda para a cooperativa de catadores e promoveu a conscientização em relação à responsabilidade social e educação ambiental de seus visitantes.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Estande do acarajé vegano: um sucesso!

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Estande da Veg Fit: industrializados veganos.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Chopp artesanal, uma boa pedida para refrescar.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Produtos da marca ALIV: óleos essenciais e produtos para a pele.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Opções de sucos vivos e cafés especiais

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Equipe do Âme Ecostore: produtos veganos e cruelty-free de qualidade.

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Eu e Cláudia Pequeno, amiga e aluna de yoga

Feira Vegana Veg Borá 3ª edição » por Camile Carvalho #leveporaí

Amigos que encontrei pela feira vegana

A próxima edição do Veg Borá ainda não tem data divulgada mas certamente estarei lá cobrindo o evento e mostrando com mais detalhes as novidades veganas, cruelty-free e do bem para vocês. Mais uma vez parabéns aos organizadores, por levarem a consciência de que sim, podemos viver de forma a promover o bem-estar a todos os seres vivos.

Até a próxima!

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr