Artigos sobre » Minimalismo

Faxina no instagram – aplicando o princípio da verdade

15/05/2017

Um dos princípios do yoga (chamamos de yamas e niyamas os “10 mandamentos” de um iogue) é Satya. Essa palavra, em sânscrito, significa verdade. Mas o que Satya tem a ver com um post sobre Instagram?

Não, eu não vim conversar com vocês sobre como não transmitimos 100% de verdade em nossas redes sociais. Todos estão cansados de saber – e ler por aí – que o que mostramos nas redes representa apenas uma parcela da nossa vida “aqui fora”. Que o que postamos nem sempre está alinhado ao que estamos passando pelo momento, mas que muitos preferem demonstrar coisas boas que despejar as angústias e tristezas aos seguidores – isso porque não citei as falsidades no sentido fingir ter uma vida feliz e perfeita retocada em um editor.

O que vim falar hoje é sobre a verdade em relação ao que realmente somos. E a verdade é que o número “mais de 4 mil seguidores” do meu instagram não é lá muito fidedigno. Tenho (ou tinha) mais de 4 mil seguidores que acompanham diariamente minhas postagens. Não tenho muitos likes nas minhas fotos, se formos analisar a quantidade de pessoas que me acompanham. Tirando o fato de que nem todos visualizam as fotos, ou por que não têm tempo, ou por que simplesmente não as recebem no feed, as médias das curtidas que recebo por foto não é lá muito alta.

Mas calma, números? likes? aqui, neste blog com alma minimalista?

Sim, números, seguidores, likes e redes sociais. 🙂 De certa forma, minha presença nas redes sociais está muito relacionada ao meu trabalho, sendo que consigo facilmente identificar meus “seguidores” nesses grupos:

  1. público que se identifica com yoga e poderá se tornar um aluno algum dia, talvez
  2. público que pratica em outros lugares e se inspiram com minhas postagens sobre yoga
  3. público que acompanha meu blog e se inspira com meu estilo de vida e dicas que publico
  4. amigos que me seguem por serem amigos pessoais
  5. pessoas que não conheço, sem foto no perfil ou com foto pornográfica, geralmente russos ou árabes ou com nome de usuário tão estranho que nem o Fantástico consegue identificar quem são, de onde vieram e do que se alimentam.

E é sobre este último perfil que quero refletir.

Caminhando contra a correnteza do “quero mais seguidores” e dos influenciadores digitais, resolvi fazer uma limpeza mais profunda na minha conta do Instagram. Pois, de nada adianta empinar o nariz com orgulho dos meus 4 mil seguidores, se uma parcela deles não são reais. Muitos blogueiros e influenciadores digitais apelam para a compra de seguidores para terem mais visibilidade e credibilidade no meio comercial, já que marcas enviam produtos e fecham parcerias com pessoas com muitos seguidores, mas será que isso dá um resultado real?

Eu poderia manter meu número alto de seguidores (pra mim é alto, desculpem influenciadores com 1 milhão!) mas o que isso realmente significa? Que verdade estou passando ao meu público? Sim, eu fico feliz quando ganho um novo seguidor, mas fico realmente feliz quando entro no perfil da pessoa e vejo que é alguém de verdade, não uma conta a mais para fazer volume e nem um perfil de alguma marca que só quer o “segue de volta”. Quem já passou pela experiência de ganhar um novo seguidor e, minutos depois receber unfollow por não tê-lo seguido de volta?

Sei que muitos de vocês sequer têm redes sociais e tudo bem. Tudo bem também TER conta nas redes sociais, já que cada um é cada um, com suas necessidades, vontades e liberdade. A questão é que resolvi limpar, excluir, bloquear, fazer uma faxina geral no meu instagram removendo todos os seguidores que se encaixam no tópico 5. Quero mais gente como a gente, pessoas que estão ali pra trocar ideias, pessoas com quem eu possa responder uma mensagem privada. Quero gente de verdade, não números. Quero sentir a energia de que cada interação é sincera.

Neste exato momento estou com meu celular ao meu lado, com o App Insta Cleaner (não é propaganda, eu paguei $1,99 por ele no App Store) fazendo uma faxina geral. Alguns podem se perguntar se vale à pena, mas pra mim está valendo. Estou me cansando de números das redes sociais. Cansando dos excessos, das muitas informações. Estou me cansando também de olhar perfis de pessoas totalmente artificiais, que de nada me acrescentam – e que sim, às vezes me fazem sentir que ou minha vida não tá tão legal ou que até que seria interessante se eu comprasse aquele produtinho…

Sinto que estou me renovando, me transformando, e que mais uma vez não sei onde vou chegar, mas tenho uma certeza: quero tudo mais simples. Quero estar leve. E se o preço a pagar por essa leveza, pelo Satya, pela busca por uma presença mais verdadeira e próxima no mundo virtual-real for perder números com os quais não tenho identificação, está tudo bem. Aliás, está ótimo!

Um dia, num passado não muito distante, cheguei a pensar que seria legal ser uma influenciadora digital. Mas esse pensamento deu lugar a outro. Talvez seja mais legal estarmos presente, darmos atenção, interagirmos de igual pra igual, sem influenciar, sem fazer o outro nos seguir, mas sim inspirar para que aquela pessoa, do outro lado da telinha, olhe pra si e descubra que existe um universo de possibilidades dentro dele e que ele não precisa ser influenciado por ninguém para ser feliz.

Antes que me perguntem…

  • Não, não estou removendo nenhum amigo, nem bloqueando ninguém nem deixando de seguir pessoas que estão sempre presente, apenas os fakes/pornográficos
  • Não, nunca comprei seguidores. Uma hora/aula de yoga é muito trabalho pra gastar com números em redes sociais 😛
  • Uma teoria que tenho é que talvez esses seguidores fakes venham através das hashtags que usamos nas fotos. No estilo “segue de volta?”

Enquanto isso, vejo meu Instagram com o número de seguidores em contagem regressiva…

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Minimalismo, Por aí

O minimalismo e minha viagem ao Piauí

08/01/2017

Camile Carvalho Aeroporto Piauí

Minha primeira viagem ao Piauí foi ano passado, nesta mesma época: virada de ano e férias de janeiro. Como era a primeira vez que vim, sem conhecer direito o local e a família, acabei trazendo uma mala super pesada com muitas roupas que mal cheguei a usar. Apesar de ficar alguns dias em Teresina, passamos a maior parte do tempo no litoral usando biquinis, shorts, cangas e vestidos leves pro fim da tarde.

E então aconteceu o que eu esperava: com tantos passeios pelos Lençóis Maranhenses e Jericoacoara, acabei comprando muitas coisas pra levar pro Rio de Janeiro, além dos presentes pra minha família. Tudo era novidade, e o espírito minimalista passou longe de mim neste período. Eu queria mesmo era comprar coisas que não tinham no Rio de Janeiro, além de guardar recordações da viagem. Eu sei, isso não era desculpa para sair comprando coisas das quais eu não precisava. Na verdade, meu estado emocional estava um pouco abalado e por isso, acabei descontando no consumo.

Nos últimos dias, já de volta a Teresina, constatei que a mala que eu trouxe não caberia tudo que eu tinha comprado, e então fui ao shopping e acabei comprando uma outra mala um pouco menor pra caber tudo. O resultado não poderia ter sido diferente: viajei com excesso de bagagem, mas voltei ao meu lar feliz com tantas guloseimas diferentes e presentes pra família.

O minimalismo e a culpa

Se fosse há alguns anos, eu certamente teria me sentido culpada. Culpada por comprar demais, culpada por ter levado mais do que precisava, culpada por vários fatores que não condizem com uma vida minimalista. Porém, uma das coisas que aprendi nessa minha jornada de autoconhecimento é não me sentir culpada. Aconteceu? Sim. Na próxima tentarei fazer diferente.

E a próxima vez chegou. Aqui estou novamente, com menos roupas, mais seletas, já sabendo o que iria me esperar. Até agora não comprei quase nada – apenas um biquini a mais, bronzeador e máscara de argila – e já tenho mais ou menos planejado o que levarei pro Rio de presente aos meus pais. Algumas roupas que trouxe realmente não fizeram sentido estarem na mala, mas não tem problema. Aos poucos vou reaprendendo a fazer uma mala inteligente, mas preferi trazer alguma peça a mais do que faltar e eu precisar comprar por aqui.

O peso dos cosméticos

produtos que pretendo usar até (quase) o fim

Uma coisa que percebi é que o que mais pesa na mala são os cosméticos: cremes, shampoo, hidratante pro corpo, protetor solar etc., e minha meta é usar tudo (ou quase) até o último dia da viagem, para que eu volte com menos peso de cosméticos do que vim. Isso já abrirá mais espaço na mala para as compras que vou fazer por aqui, que já estão no meu planejamento.

Trouxe comigo uma nécessaire que tem, além dos produtos básicos de higiene pessoal, também óleo de coco, leite de magnésia (uso como desodorante), óleos essenciais e outros óleos para cabelo, rosto e corpo.

Não posso dizer que minha mala é minimalista, mas posso afirmar que estou usando bem quase tudo que eu trouxe. Me sinto leve e feliz, sem culpas de ter exagerado com um sapato ou um vestido a mais. Algo que eu reparo muito no meu grupo Vida Minimalista é o sentimento de culpa. Culpa por ter comprado a mais, culpa por ter peças/objetos em excesso, e se eu puder passar uma mensagem a cada uma das pessoas que sente isso, é:

liberte-se das culpas que o minimalismo trouxe

Encare o minimalismo como um caminho de aprendizado, não algo que te coloca correntes, nem que te deixa mal pelo seu comportamento. Temos hábitos de consumo enraizados devido à sociedade e é difícil mudarmos de um dia pro outro. Aos poucos vamos achando nosso próprio equilíbrio, que certamente não é da mesma forma que o de outras pessoas ao nosso redor. Busque o SEU minimalismo, jamais o minimalismo do outro.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Minimalismo, Yoga

Qual a relação do minimalismo com o yoga?

06/01/2017

o minimalismo e o yoga - Camile Carvalho - Vida Minimalista

Muitos que acompanham meu blog me conhecem desde o Vida Minimalista. Pra quem é seguidor novo, antes deste blog, eu escrevia sobre meu trajeto em busca de uma vida mais simples em um outro blog, com o qual fiquei conhecida. Já dei entrevistas a jornais, saí em revistas e meu material já foi utilizado até em apostila de universidade.

Durante anos compartilhei cada detalhe da minha vida sobre minimalismo. Meus destralhes, desapegos, mudanças de pensamentos, e um dos insights que mais me marcou foi a compreensão de que muitas vezes guardamos coisas por causa do nosso passado. Como se fosse uma prova de que realmente vivemos determinada experiência, como se precisássemos de determinados objetos como uma afirmação de quem somos.

Yoga na minha vida

Eu já praticava yoga neste tempo, mas não com a profundidade de hoje. Para mim, praticar yoga era como um exercício: ia às aulas, fazia meditações, me conectava com algo maior, mas sem me dar conta de um elo que estava ali, bem na minha frente – a relação do minimalismo com os fundamentos do yoga.

Há, no yoga, o que chamamos de yamas e niyamas (que será explicado melhor em um outro momento). Yamas e niyamas são como códigos morais e éticos de um iogue, o que precisamos observar em nós mesmos e em relação aos outros para que possamos viver de forma mais plena. São, ao todo, 5 yamas e 5 niyamas, mas há dois deles que se relacionam diretamente com o estilo de vida minimalista que eu já vinha buscando adotar sem saber sua relação com o yoga. São eles:

Aparigraha (não-possessividade)

Parigra, em sânscrito, significa acumular. Aparigraha é vivermos sem acúmulo, apenas com o que realmente precisamos. Diz-se que quando temos mais recursos que o necessário, estamos de certa forma roubando recursos de outros que precisem. Além de se relacionar com o minimalismo, o pilar aparigraha também é relacionado à fé. Quando confiamos em algo superior, na força que nos provê tudo e com abundância, não precisamos nos preocupar com o que pode faltar, e assim vivemos leves, com os recursos que nos são necessários.

Santosha (contentamento)

Neste caso, santosha consiste em cultivar o estado de felicidade interior constante, independentemente do que ocorre no mundo externo. É sermos gratos pelo que temos. Também relacionado com o minimalismo, santosha nos faz perceber que temos o que precisamos, o que ajuda a frear o consumismo tão comum na nossa sociedade atual. Quando estamos contentes com o que temos, os impulsos de adquirir mais e mais bens se abrandam, então podemos ter mais clareza mental de discernir se estamos gastando dinheiro com o que precisamos, ou se é mais um impulso relacionado a alguma questão emocional.

Um iogue não deixa que sua mente o controle – muito pelo contrário, é ele quem controla a própria mente. Portanto, impulsos de consumo aos poucos vão diminuindo conforme a gratidão e contentamento desabrocha.

Isso significa que – como muitos me perguntam – não, eu não deixei de viver uma vida minimalista. Não é porque mudei o foco do blog com o intuito de expandir os assuntos abordados eu tenha me desligado deste caminho. O que aconteceu foi que em vez de focar em um dos pilares que fazem parte dos meus princípios (no caso o minimalismo), eu abordo agora um conjunto muito mais amplo que me levaram à transformação pessoal e espiritual.

Nunca se esqueçam que o minimalismo é um caminho, uma ferramenta para alcançarmos nossa felicidade, não um fim. Não é sobre quantas roupas você tem no armário, ou se você tem uma decoração preto e branco ou colorida. Minimalismo é uma ferramenta para trazer liberdade, a fim de que possamos, com mais leveza, nos dedicarmos à nossa grande missão e vivermos de forma plena.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr