Artigos sobre » Internet

TED Talks: A vida online como uma tatuagem permanente

26/05/2013

TED Talks: A vida online como uma tatuagem permanente | Camile Carvalho

Andy Warhol uma vez disse que “no futuro, todos ficarão mundialmente famosos em 15 minutos”. Mas e se fosse o oposto, se fosse possível que ficássemos anônimos por esse espaço de tempo? É com esse questionamento que Juan Enriquez conduz sua palestra no TED, sobre tatuagens eletrônicas. Enriquez faz uma reflexão sobre o quanto estamos expostos atualmente e sobre a imortalidade desses dados, que ficarão online durante muito tempo. Ele compara cada postagem, cada tweet, cada foto que publicamos, como uma tatuagem, que contém informações sobre cada indivíduo e que é permanente, mesmo que mudemos de personalidade, de emprego ou de vida.

O palestrante ainda alerta sobre diversas tecnologias que estão sendo criadas e que talvez nem saibamos, como o Face.com, um sistema que já possuía, na época de seu discurso, 18 bilhões de rostos cadastrados e que no dia 18 de junho de 2012 foi vendido para o Facebook. Sendo assim, é possível que em uma foto aleatória em um bar, nosso rosto seja reconhecido por um estranho, sendo possível acessar nossos dados.

Juan Enriquez se utiliza de quatro mitos gregos que podem servir como lição nos dias atuais:

1) Mito de Sísifo. Condenado a rolar pedras colina acima por toda a eternidade, Sísifo pagou para sempre por algo que fez. Com esse exemplo, devemos ser cuidadosos com o que postamos. Uma simples frase pode destruir uma reputação, mesmo que seja equivocada ou mal entendida.

2) Mito de Orfeu. Ao olhar para trás, Orfeu perdeu sua amada. Da mesma forma, nos relacionamentos atuais, não devemos procurar muito o passado de quem amamos. Porque se procurarmos por algo, certamente iremos encontrar.

3) Mito de Atlanta. Supostamente invencível, Altlanta perdeu a corrida para Hipomenes ao se distrair com maçãs de ouro lançadas por ele durante a corrida. Da mesma forma, podemos perder nossos objetivos ao nos distrairmos com maçãs de ouro, que nos desviam a atenção e ainda nos fazem twittar sobre coisas fúteis. Foco no que realmente importa!

4) Mito de narciso. Ninguém é feio nas redes sociais, ninguém tem problemas no Facebook, todos possuem uma vida feliz no Instagram. Não devemos nos apaixonar pelo nosso próprio reflexo. Sejamos mais realistas. Não precisamos disso.

Por último, Enriquez cita uma lição de Jorge Luiz Borges que em uma situação escreveu: “o que poderia ser tão ameaçador, senão a morte?”. E o palestrante encerra seu discurso respondendo que mais ameaçador que a morte, seria a própria imortalidade digital.

Recomendo a todos assistir o vídeo e refletir um pouco. O vídeo possui legenda em português.

E você, o que acha sobre a exposição no mundo digital? Tem alguma preocupação com o que escreve na rede ou acha que não tem problema algum e que isso faz parte do progresso digital? Deixe sua opinião!

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

A necessidade de se fazer uma reeducação digital

24/05/2013

A necessidade de se fazer uma reeducação digital | Vida Minimalista

Vivemos em uma época de excesso de estímulos digitais. Televisão, smartphone, caixa de email, facebook e twitter são apenas alguns exemplos de tecnologias que podem desviar nossa atenção e atrapalhar nossa produtividade. Quem nunca pensou como seria passar pelo menos uma semana longe de toda essa tecnologia numa reeducação digital?

A repórter Carolina Bergier, da revista Vida Simples resolveu aceitar o desafio e relatou em um artigo como foi passar a semana inteira afastada dessas distrações. Com algumas regras para estabelecer limites do uso da tecnologia, a jornalista sentiu-se desacelerar. As regras foram claras: só poderia checar o e-mail 2 vezes ao dia, permanecer no máximo 15 minutos nas redes sociais (e com uma aba aberta no navegador apenas), utilizar o telefone apenas para fazer chamadas quando não estivesse conversando com alguém ou se alimentando, checar mensagens do celular uma vez ao dia, não ler jornais durante o café, nada de TV e o principal, fazer uma atividade por vez.

Carolina conta que se sentiu dona de seu próprio tempo. Com uma lacuna livre, pôde caminhar pela praia até o local de seu compromisso, visitou amigos e prestou mais atenção no percurso até o seu trabalho, reparando melhor em detalhes que provavelmente passariam despercebidos se estivesse escutando MP3. Contou também, que havia questões de sua própria personalidade que surgiram em sua mente e que ela teve que enfrentar, como se estivessem escondidas por debaixo do tapete e que nessa situação, foram descobertas. Conseguiu trabalhar melhor e sua produtividade aumentou, pois estava dedicada a cada atividade por vez sem preocupar-se com outros assuntos. Por outro lado, queixou-se de ter engordado um pouco, já que certa ansiedade, facilmente espantada pela internet, a fez comer mais. A semana, segundo Carolina, valeu muito à pena, pois lhe trouxe importantes ensinamentos. “É um presente estar presente”, afirma a repórter, que apesar de todos os benefícios, sentiu saudades de seu smartphone.

Hoje todos nós dependemos, de uma forma ou de outra da tecnologia. É fácil cortar a TV, mas difícil abandonar as redes sociais. Para outros, deixar de usar o Twitter é simples, pois não é importante, mas nunca ficaria em casa com a TV desligada. Cada um de nós tem seu estilo de vida e suas demandas, sejam elas ligadas ao entretenimento ou no meio profissional. Mas e você? Teria coragem de ficar uma semana sem usar a tecnologia? Ou sejamos menos radicais, como a repórter: conseguiria estipular normas de uso reduzindo ao mínimo possível? Como acha que encararia todos esses dias?

Talvez reclamar do excesso de dados aos quais estamos expostos não seja uma boa solução. Cada um de nós precisa ter seu próprio filtro, e sendo assim, observar a maneira como usamos a tecnologia. Vale lembrar que ela deve estar a nosso favor e prestando-nos um serviço, não o oposto. Uma dieta digital pode ser muito útil atualmente.

Foto: Pinterest

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Internet

Reeducação digital

Foto: Pinterest

Vivemos em uma época de excesso de estímulos digitais. Televisão, smartphone, caixa de email, facebook e twitter são apenas alguns exemplos de tecnologias que podem desviar nossa atenção e atrapalhar nossa produtividade. Quem nunca pensou como seria passar pelo menos uma semana longe de toda essa tecnologia?

A repórter Carolina Bergier, da revista Vida Simples resolveu aceitar o desafio e relatou em um artigo como foi passar a semana inteira afastada dessas distrações. Com algumas regras para estabelecer limites do uso da tecnologia, a jornalista sentiu-se desacelerar. As regras foram claras: só poderia checar o e-mail 2 vezes ao dia, permanecer no máximo 15 minutos nas redes sociais (e com uma aba aberta no navegador apenas), utilizar o telefone apenas para fazer chamadas quando não estivesse conversando com alguém ou se alimentando, checar mensagens do celular uma vez ao dia, não ler jornais durante o café, nada de TV e o principal, fazer uma atividade por vez.

Carolina conta que se sentiu dona de seu próprio tempo. Com uma lacuna livre, pôde caminhar pela praia até o local de seu compromisso, visitou amigos e prestou mais atenção no percurso até o seu trabalho, reparando melhor em detalhes que provavelmente passariam despercebidos se estivesse escutando MP3. Contou também, que havia questões de sua própria personalidade que surgiram em sua mente e que ela teve que enfrentar, como se estivessem escondidas por debaixo do tapete e que nessa situação, foram descobertas. Conseguiu trabalhar melhor e sua produtividade aumentou, pois estava dedicada a cada atividade por vez sem preocupar-se com outros assuntos. Por outro lado, queixou-se de ter engordado um pouco, já que certa ansiedade, facilmente espantada pela internet, a fez comer mais. A semana, segundo Carolina, valeu muito à pena, pois lhe trouxe importantes ensinamentos. “É um presente estar presente”, afirma a repórter, que apesar de todos os benefícios, sentiu saudades de seu smartphone.

Hoje todos nós dependemos, de uma forma ou de outra da tecnologia. É fácil cortar a TV, mas difícil abandonar as redes sociais. Para outros, deixar de usar o Twitter é simples, pois não é importante, mas nunca ficaria em casa com a TV desligada. Cada um de nós tem seu estilo de vida e suas demandas, sejam elas ligadas ao entretenimento ou no meio profissional. Mas e você? Teria coragem de ficar uma semana sem usar a tecnologia? Ou sejamos menos radicais, como a repórter: conseguiria estipular normas de uso reduzindo ao mínimo possível? Como acha que encararia todos esses dias?

Talvez reclamar do excesso de dados aos quais estamos expostos não seja uma boa solução. Cada um de nós precisa ter seu próprio filtro, e sendo assim, observar a maneira como usamos a tecnologia. Vale lembrar que ela deve estar a nosso favor e prestando-nos um serviço, não o oposto. Uma dieta digital pode ser muito útil atualmente.

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr