Artigos sobre » Cotidiano
Cotidiano

Voltei de viagem!

25/01/2016

aviao-teresina

Enfim, cheguei em casa, no Rio de Janeiro, após uma viagem de 1 mês pelo nordeste. Foi uma viagem cansativa e ao mesmo tempo restauradora. Lá pude vivenciar diversas experiências desde passear de lancha pelos Lençóis Maranhenses até deparar com casas tão simples pela estrada de terra que mal consegui imaginar que ali, longe de qualquer tipo de “civilização”, fosse capaz de morar alguém. Foi um misto de emoções e que agora, após desfazer as malas e tentar organizar minha vida de volta à rotina, mal sei por onde começar a narrar.

São mais de 2 mil fotos feitas além de vídeos e claro, é impossível compartilhar tudo com vocês aqui no blog. Mas, aos poucos, tenho os planos de selecionar algumas melhores e escrever posts mostrando um pouquinho da beleza do Piauí, Maranhão e Ceará aqui no blog e espero que vocês curtam acompanhar por onde passei nessas últimas semanas.

teresina-pimenta

Muita coisa aconteceu em pouco espaço de tempo. Tivemos a virada do ano, conheci pessoalmente uma grande parte da família, vivenciei ricas experiências que levarei para a vida e capturei momentos de alegria e beleza do nosso tão incrível Brasil. Ainda me sinto num furacão de energias, precisando aterrar meus pés no chão para que consiga voltar ao meu mundinho real, mas confesso que ainda estou um pouco aérea, me readaptando à rotina.

E pra dar um ar renovado de início de ano, ou melhor, de novo ciclo aqui no blog, decidi mexer um pouco nas cores do layout. Queria algo um pouco mais alegre, que combinasse mais com o momento iluminado que estou vivendo. O título do blog, que antes era pequeno, ficou um pouco maior. O que antes era monocromático (azul), agora está em duas cores, menta e rosa, uma das minhas combinações preferidas. Espero que gostem!

camile-chapeu

Na mala trouxe muita bagagem, não apenas roupas, mas muito aprendizado. Espero conseguir transmitir a vocês pelo menos uma parte das minhas experiências e vivências.

E que comece um novo ciclo em minha vida e neste espaço que tanto me representa.

Namastê! 💕

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Cotidiano

Declutter de fim de ano

05/12/2015

Declutter de fim de ano | Camile Carvalho | #camilecarvalho

Pra uns pode ser apenas uma data, como qualquer outra, mas eu gosto de encarar o fim do ano como um ritual de encerramento de um ciclo e início de outro. Não tem como fugir disso, tudo para nessa época do ano e recomeça no início do novo, então aproveito essa energia para fazer um ritual do desapego para começar o novo ciclo com novas energias.

O primeiro passo é fazer um declutter da papelada. Como também sou estudante, começo pelo material da faculdade e cursos, pois a maioria nessa época do ano já se encerrou. No meu caso específico, acabei de concluir minha pós-graduação, então é o momento também de fazer uma revisão no material que usei, principalmente no caderno, que será arquivado.

Declutter de fim de ano | Camile Carvalho | #camilecarvalho

Meu passo-a-passo

Limpeza

A primeira coisa que faço é varrer o chão do quarto pra tirar as energias negativas e estender meu tapetinho de yoga. Não adianta, para mim fazer um destralhe, jogar coisas foras e me desapegar faz parte da minha prática e não há diferença entre fazer uma postura, uma meditação e arrumar a papelada. Tudo isso faz parte da prática do yoga que, como já expliquei no vídeo do youtube, não se limita apenas a posturas e movimentos, mas ao modo como vivemos nossas vidas.

Música

Costumo colocar uma playlist de yoga (geralmente a que dou aulas) ou algum álbum do Deezer de Reiki, Meditação ou mantras. Acho que assim consigo entrar mais em sintonia com o objetivo da arrumação e crio um ambiente propício, leve e harmônico.

Água

Sempre encho uma garrafa de água e mantenho ao meu lado. Por algum motivo qualquer, sinto muita sede durante as arrumações e costumo beber de uma a duas garrafinhas durante cada sessão de organização.

Gavetas

Começo pelas gavetas, mas escolho uma por vez. Num dos meus primeiros declutters tirei tudo de dentro das gavetas fazendo uma grande pilha de objetos e papeis no centro do meu quarto, mas isso eu recomendo que se faça na primeira vez, para termos a noção do quanto acumulamos. Depois, nas revisões, pode fazer aos poucos, já que espera-se que não tenhamos acumulado tanto (o que nem sempre é verdade).

Papel

Com a pilha sobre o chão, pego um papel de cada vez e vou separando em pilhas de acordo com o que representam. Aqui fiz pilhas de papeis em branco, xerox da faculdade, pastas vazias (aquelas pastas em L), material de escritório (tesouras, cola, canetas etc.) e anotações que preciso guardar. Enquanto isso, o que não quero mais, vai pra pilha dos reciclados.

Declutter de fim de ano | Camile Carvalho | #camilecarvalho

Pilha dos reciclados

É uma terapia para mim rasgar papeis. Pode parecer besteira, mas enquanto pico cada um deles com as mãos me sinto agradecida pelo conhecimento que ele me permitiu obter, pelas palavras que pude escrever ou ler nele. Geralmente são papeis de anotações de aulas que já passei a limpo, ou textos já lidos, flyers que peguei na rua – e que não deveria tê-los trazido para casa – ou jornais que recebo gratuitamente.

Organizando

– Depois de formar a pilha de papeis a serem reciclados e colocá-los em uma sacola, analiso o que pode ser guardado e o que pode ser doado. Algumas xerox que fico depois do semestre ter acabado podem ser repassados a outros alunos dos períodos anteriores.

Papeis em branco ficam em uma pasta para serem usados na impressora (que confesso que quase não uso mais) e guardo também papeis que podem servir de rascunho. Gosto muito de fazer mapas mentais à mão, com papel e canetas coloridas para ter novas ideias, e estes papeis são muito úteis.

Pastas vazias vão pra uma outra pasta maior na qual guardo todo material de escritório que não estou usando no momento. Tenho algumas pastas em L, envelopes e sacos para guardar folhas de fichário nessa pasta maior e sempre que preciso de algo, recorro a ela. Quando não preciso mais, volto a guardar lá, pra não deixar tudo espalhado pelas gavetas.

Cadernos passam por uma revisão e arranco folhas que serviram apenas para rabiscos. Sabe aquela última folha que sempre anotamos coisas importantes para o momento mas que depois deixam de ter importância, ou apenas rabiscamos coisas sem sentido? Não gosto de começar um novo semestre ou novo ciclo com as últimas folhas com anotações. Dá uma impressão ruim, então tive a ideia de colar o quadro de horários ou alguma tabela importante na última página. Assim me impede de ficar rabiscando coisas aleatórias e usar meu caderninho centralizado para anotações.

Depois de guardar tudo em seus devidos lugares com energia renovada, costumo fazer uma meditação e agradecer por mais um ciclo encerrado.

E que venham novas energias!

E vocês, como fazem o declutter? Já fizeram o do fim de ano? Aproveitem a energia de renovação de ciclo para desapegarem daquilo que não os serve mais!

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr
Cotidiano

Quanto mais espaço temos, mais acumulamos

25/11/2015

Quanto mais espaço temos, mais acumulamos - Camile Carvalho

É impressionante esta constatação. Hoje, trabalhando aqui em casa com meus textos, vídeos e fotos, meu computador travou completamente. Completamente mesmo, sabe? Daquele jeito que até o mouse ficou preguiçoso pra chegar até o botão de Forçar Encerrar. Mas era claro que, com tantos programas abertos somados a uma quantidade enorme de novos vídeos e fotos, um dia meu querido computador levantaria a bandeira branca de paz.

Forcei o reinício diretamente pelo botão. Demorou. Carregou lentamente, e quando finalmente abriu a tela inicial, nada funcionava. Tentei abrir o Finder e lembrei-me daqueles computadores velhos da época da internet discada. Pensou, pensou, e preguiçosamente rendeu aos meus pedidos, mas sem carregar direito o conteúdo. Estava cansado, era bem visível. E olha que não uso Windows 3.1…

Com muito esforço consegui acessar minha pasta de vídeos. Claro, empolgada do jeito que estou com as novas gravações, era óbvio que a pasta estaria cheia de vídeos novos, até do que nem seria interessante ser gravado. Ficamos empolgados com câmera nova, cartão de memória novo (antes era de 4Gb, agora, de 36) e com isso vamos produzindo conteúdo, produzindo e produzindo… numa energia que parece não ter fim.

Em relação às fotos? Milhares ocupam meu HD. Algumas boas, outras nem tanto, poucas ótimas, dignas de serem guardadas com carinho. Eu amo fotografia e acho que todos que também têm o prazer de clicar se identificam, pelo menos um pouco, comigo.

Mas, será que foi só porque estou com câmera nova que deixei acumular tantos arquivos assim? Talvez não. Hoje tenho muito mais espaço disponível. Se antes a pouca capacidade de armazenamento me forçava a ser mais seletiva – vide o filme de 16 poses da câmera analógica – hoje posso fazer vários cliques por segundo, sem me preocupar se a foto ficou boa, afinal, será apenas no computador que precisarei lidar com a curadoria.

E foi no momento de inatividade, aguardando que meu computador voltasse a responder, que me dei conta de que preciso – urgentemente – rever tudo o que ando acumulando, pelo menos no meio digital. Chegou a hora de desapegar, de selecionar, de ser mais crítica em relação ao que armazeno. Ainda que eu tenha um grande espaço contado em bits, a questão vai muito além de ter ou não espaço. Neste caso, está muito mais ligado ao apego emocional e desorganização.

Está decidido então, livrarei meu querido computador do peso desses vídeos. Agora sim ele poderá funcionar livre e leve, como deveria ser. A solução? Tirei meu HD externo da gaveta. Ah… lá tem espaço pra caramba! Problema resolvido!

Será?

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr