Artigos sobre » Casa & Organização

Criando meu Armário-Cápsula

06/09/2015

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Na primeira vez que ouvi falar sobre Armário Cápsula (capsule wardrobe), foi quando ainda tinha o blog Vida Minimalista. Achei a ideia super legal, mas não muito viável pra mim, já que estou em constante mudança, principalmente com minhas roupas. Ora gosto de calçar meu All-Star com minha camisa xadrez, ora estou com uma saia esvoaçante e tem momentos que me visto apenas com uma legging, sapatilha e blusa, pronta pra praticar yoga se pintar uma oportunidade.

Pra falar a verdade, sempre senti uma certa indefinição quanto ao estilo de me vestir, mas uma coisa é certa: não sou perua. Nem tampouco consumista. Roupas que esbanjam uma etiqueta famosa não me atraem, ao menos que eu realmente goste muito e estejam à venda por um valor que eu possa pagar. Cresci em uma família na qual aprendi desde cedo a valorizar o dinheiro que ganho, e reflito bastante antes de levar peças de roupas até o caixa para pagá-las.

No entanto, com essa minha indefinição de estilo – ou talvez ser indefinida seja o meu estilo! – me faz ter peças de roupas de diferentes estilos, que na maioria das vezes não combinam muito bem entre si. Mesmo tendo um guarda-roupas cheio, volta e meia me vejo sem opção do que vestir, apenas porque uma peça coringa está pra lavar e com o que tenho disponível não dá pra fazer muitas combinações.

Há dois livros que gosto bastante que me fizeram encarar o estilo pessoal de me vestir com outros olhos. Um deles é o Vista Quem Você é, das meninas do blog Oficina de Estilo. Cris Zanetti e Fê Resende são consultoras de estilo pessoal e dão várias dicas, tanto em seus blogs quanto no livro, que me fez repensar o que eu estava comprando, se realmente combinava comigo.

O outro livro se chama Madame Charme, e tem resenha aqui no blog. Conta a história (real) da Jennifer Scott, uma americana que ao passar meses em Paris, viveu na casa de uma família super tradicional e aprendeu demais sobre estilo pessoal. Em ambos os livros, a mensagem maior é que menos também é mais no caso de roupas, e que não precisamos entulhar nosso guarda-roupas para ficarmos elegantes e comunicar quem somos através do que vestimos.

A ideia de ter um guarda-roupas reduzido até me chamou a atenção, e os posts sobre declutter no armário aqui no blog não me deixam mentir. No entanto, a questão não é apenas doar tudo aquilo que não usamos e manter uma quantidade mínima viável, mas saber o que manter e também o que adquirir para que possa haver uma maior possibilidade de combinações. Às vezes, uma única peça comprada pode ser a chave para várias combinações diferentes que talvez não seria possível com o que temos em casa. E é muito importante que, ao comprarmos algo, estejamos atentos à qualidade. Afinal, de nada adianta pagarmos baratinho por uma peça que durará apenas algumas lavagens. Mas também temos que ficar atentos se aquele preço um pouco maior vem realmente da qualidade da peça, ou apenas de uma etiqueta famosa colada.

Capsule Wardrobe

O conceito de armário-cápsula surgiu com Titta Aguiar  em seu livro “Personal Stylist – Guia para Consultores de Imagem” e foi popularizado pela blogueira Caroline Rector, do blog Unfancy. Ao desapegar do máximo viável, Caroline chegou a um número de 37 peças, que seria seu número ideal. Grifo esta parte pelo motivo de que cada um tem suas necessidades, e uma das coisas que me chateavam no minimalismo é direcionar nossa energia em números e se preocupar apenas com a quantidade de peças. Vale, então, ressaltar que cada indivíduo é um indivíduo com suas próprias características e necessidades, e que todo este processo de minimalizar um guarda-roupa está muito mais relacionado à praticidade, desapego e autoconhecimento.

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Vida Conectada » #vidaconectada

Um armário cápsula representa mais tempo + mais dinheiro + mais energia para coisas na vida que realmente importam.” #unfancy

Mas não foi apenas a blogueira Caroline Rector que me inspirou a tentar criar um armário cápsula. Já faz um tempinho que venho acompanhando a Gabi, do blog Teoria Criativa, que também resolveu encarar o desafio de reduzir seu guarda-roupas e até criou um grupo no Facebook chamado Em busca de um armário-cápsula para debater sobre o assunto. E depois de navegar pelas dicas no grupo, levantei-me empolgada e comecei a minha arrumação.

Meu armário

Mesmo tendo feito um super declutter no meu guarda-roupa, ainda mantenho peças de roupas que gosto bastante. Depois da última organização seguindo as dicas do livro A Mágica da Arrumação, da Marie Kondo (tem resenha aqui no blog), desapeguei de muitas peças, mas ainda mantive aquelas que amava. Porém, amar uma roupa e não usá-la não faz muito sentido, e por este e outros motivos decidi arriscar fazer um armário-cápsula pra usar bastante roupas que eram boas, mas que estavam guardadas no fundo da gaveta, ou tirar de circulação aquelas que estavam destoando um pouco do restante das roupas.

Primeiro passo

O primeiro passo que dei foi abrir as gavetas e retirar todas as peças que tinha. Coloquei sobre a cama minhas blusas, vestidos, calças, saias e casacos, ou seja, fiz uma pilha enorme. Aproveitei para limpar as gavetas e usar minha essência de lavanda para receber as peças que voltariam.

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Aproveitei também para fazer a troca dos cabides. Ano passado comprei cabides de ferro para padronizar, mas nem cheguei a completar todos e já me alertaram que a durabilidade não era tão boa quanto um de madeira. Parei de investir em cabides nesse material e comecei a comprar, aos poucos, cabides de madeira para um dia, organizar meu guarda-roupas. Este dia chegou! 😀

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Separei minhas camisas em pilhas sobre a cama, e fui percebendo que tenho uma grande quantidade de peças nas cores branca, preta e cinza. Também reparei que tenho muitos vestidos, mas que raramente os uso. A proporção de vestidos e saias para calças e camisas é completamente desproporcional! Sempre penso em ter boas roupas de sair, mas sou uma pessoa extremamente caseira, o que significa que eu deveria ter mais roupas para o dia-a-dia (faculdade + trabalho) do que roupas para festas e eventos.

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Após fazer toda a triagem e separar as peças que estavam em boas condições das que não estavam tão boas para continuar usando, fui pendurando nos cabides novos os vestidos, camisas, saias e calças que pretendo usar.

É importante fazer uma observação: a ideia de ter um armário cápsula é de que as roupas selecionadas para uso sejam para uma determinada estação, ou seja, uma quantidade X de roupas que serão usadas por 3 meses. No entanto, ainda não consegui definir bem o tempo que as usarei, já que aqui no Rio de Janeiro não temos estações bem definidas, além do tempo ser um pouco louco. Em um dia temos aquele sol de bronzear na praia e no outro a temperatura cai e chove o dia inteiro. Seria mais fácil se tivéssemos as estações do ano mais definidas, mas como não temos, meu armário-cápsula será um tanto experimental.

Criando meu Armário-Cápsula (capsule wardrobe) » Camile Carvalho » #camilecarvalho

Consegui finalizar a organização inicial para um número legal de roupas que tentarei usar. Na ideia original, se contam as roupas e sapatos, e se deixam de fora as roupas de dormir, de ginástica e acessórios. No meu caso não cheguei a mexer nos sapatos nem nas roupas de ginástica, deixarei para uma outra etapa. Mas já adianto que agora consigo ter uma noção mais clara do que tenho para uso e de algumas peças que pretendo comprar para aumentar o número de combinações entre o que já tenho, como adquirir mais uma legging preta (dou aulas de yoga, preciso de calças confortáveis), um short bege e mais um jeans.

Como o post já está ficando bem grandinho, vou deixar para falar mais sobre o assunto conforme for organizando ainda mais meu armário-cápsula. Enquanto isso vou pensando e repensando sobre o que tenho, se manterei ou removerei alguma peça, ou seja, é um processo que no meu caso não dá pra ser feito do dia pra noite.

Considerações

  • Não separei nenhuma roupa para doar. Já havia feito um super declutter anteriormente e pretendo fazer ajustes ainda no meu armário, o que significa que posso pegar uma roupa que estava guardada para usá-la ou vice-versa. Estou em “período de adaptação“, se isso existe. 😛
  • As roupas que não pretendo usar coloquei em outra parte do guarda-roupas. É lá que guardo meus casacos de frio, sobretudos e vestidos de festa.
  • Ainda estou descobrindo qual cartela de cores combina mais comigo, mas já tenho uma ideia que ter cores neutras e pontos de cores é a melhor opção. No meu caso, adoro o rosa antigo (primeira camisa na foto acima) e me sinto muito bem com esta cor. Quero evitar ter tudo muito colorido.
  •  Não estou fazendo um armário limitado a uma única estação, mas sei que quando o verão chegar, precisarei mudar muitas peças. Se aqui no Rio de Janeiro tivemos quase 40ºC no inverno, não quero imaginar como será a temperatura no verão.
  • É importante repetir: cada um tem suas necessidades. Estabelecer um número de itens pode parecer desafiador, contanto que não cause estresse. O importante é o autoconhecimento que temos durante o processo do desapego e também por conhecermos melhor nossa própria personalidade e como nos comunicamos ao mundo.
  • Ainda não concluí meu armário-cápsula, mas consegui dar o meu primeiro passo. 🙂

Agora quero saber de vocês: quem já experimentou ter um armário-cápsula? Deixem aqui suas dicas e ideias sobre o assunto! E se gostaram do post, ficaria muito feliz se compartilhassem em suas redes-sociais. <3

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Organize seu computador em 12 passos

11/08/2015

Organize seu computador em 12 passos » Camile Carvalho #camilecarvalho

De tempos em tempos precisamos fazer uma revisão em nossos computadores. Com o uso constante, acabamos baixando arquivos que não precisamos, guardamos documentos que só serviam para uma única vez, e com isso vamos acumulando tralha digital, ocupando o espaço em nossos discos e deixando também nossos computadores mais lentos.

Hoje vou compartilhar com vocês uma lista de 12 passos do que costumo fazer para revisar e limpar o computador:

1) Fotos

Tenho um esquema de organização de fotos que consiste em separar pastas por ano e subpastas por mês. Porém, como fotografo muito, algumas fotos ficam desorganizadas, principalmente quando as uso para editar para o blog. O primeiro passo é organizar todas as fotos renomeando o que tem nome errado, excluindo as que ficaram ruins e colocando em pastas mais fáceis de encontrar.

Leia: 

2) Imagens em geral

Muitas vezes salvamos imagens bonitinhas, inspiradoras, mas sem uma finalidade definida. Se sua pasta de downloads está cheia dessas imagens, defina o que fará com elas. Crie uma pasta para este tipo de arquivo, envie para o Pinterest (leia mais aqui) ou as delete.

3) Músicas

Ainda guarda músicas daquele artista que nem gosta mais? Desapegue! A não ser que seja uma raridade, não há motivos pra guardarmos músicas que não escutamos mais ou não combina mais com nosso estilo atual. O melhor que fiz foi assinar serviços de música online, como o Deezer e o Spotify (atualmente estou com o Spotify). Eles permitem a criação de playlists, salvar álbuns completos, artistas e enviar músicas do nosso computador. Também sincroniza arquivos para escutarmos offline, quando estivermos sem conexão. Isso me fez desapegar de muitos arquivos de MP3 que eu tinha apenas ocupando espaço no disco.

4) Documentos

Arquivos da faculdade, textos antigos, PDFs em geral. Será que precisamos de tudo que guardamos no computador? Será que aquele arquivo de 2010 ainda é útil? Abra pasta por pasta, aos poucos e vá desapegando dos arquivos que não são mais úteis. Tenho certeza que muito do que guardamos pode ser facilmente encontrado novamente em uma simples busca do Google. Mantenha apenas aquilo que realmente precisa.

5) Programas

Às vezes nos empolgamos com novidades e baixamos programas que usamos uma ou duas vezes e acabamos deixando esquecidos num canto. A regra é simples: se não usa (e nem pretende usar), desinstale! Caso ainda tenha dúvidas se precisará usar o programa futuramente, mantenha apenas o arquivo de instalação em uma pasta própria para este fim.

6) Cookies do navegador

Tudo o que pesquisamos e todos os sites que visitamos ficam gravados no nosso computador através de registros chamados cookies. São eles que guardam aquela pesquisa que você fez de um liquidificador e fica anunciando por dias liquidificadores por todo canto que você navega. É bom, portanto, fazer uma limpeza desses registros com frequência. A limpeza pode ser feita pelo próprio navegador ou através de algum programa. Gosto muito do CCleaner!

7) Favoritos

É sempre bom revisar os favoritos que guardamos. Muitos deles são sites com alguma informação que serviu apenas pra algum momento e que não há mais motivo pra mantê-lo na lista. Deixe apenas os sites que são importantes e úteis. Se você gosta de ler muitos blogs, sugiro que use o Bloglovin ou o Feedly, serviços que mostram os novos posts dos blogs que cadastramos no tempo em que são publicados. O blog pode ser encontrado no Bloglovin nesse link aqui e no Feedly nesse link aqui.

8) eBooks

Se temos a mania de acumular objetos e livros em casa, transmitimos isso também ao mundo digital. Geralmente quem lê muito também baixa muitos livros, e acabamos tendo mais livros em nossa estante virtual do que nossa capacidade real de lê-los. Se você também é assim, faça uma revisão nos eBooks. Será que tudo o que temos realmente vamos ler um dia?

9) Pasta de Download/Transferência

Aquela pasta pra onde tudo o que baixamos vai também é um centro de bagunça digital. Imagens, músicas, PDFs, arquivos de instalação, tudo fica ali, bagunçado por causa da pressa com que às vezes lidamos com os arquivos baixados. Apague o que não precisa mais e coloque em pastas correspondentes o que deseja manter.

10) Ícones da área de trabalho

Seu desktop parece uma zona quando o computador é ligado? Há um bom tempo decidi não manter nada além da lixeira na área de trabalho do computador. Agora, nem mesmo a lixeira existe mais. Minimalize! Escolha um papel de parede bonito e mantenha todos os arquivos em suas respectivas pastas. Num eventual problema que o computador tiver, estes são os primeiros arquivos a serem perdidos. Além de manter um ambiente clean, guardando os arquivos importantes em suas respectivas pastas também é mais seguro.

11) Backup

Depois de tudo organizado, faça um backup dos arquivos mais importantes. Pode ser em um HD externo ou em serviços online. Uso demais o Dropbox e sou fã número 1 do serviço, mas também há outros, como o Google Drive (que ainda não me acostumei) e também o Evernote.

 12) Limpe sua lixeira

Após toda a organização concluída, não há sensação mais gratificante que verificar quantos arquivos foram pra lixeira e clicar em seguida “esvaziar lixeira”. Sinta a leveza voltando a reinar em seu computador e aproveite o momento para ser criativo e criar coisas novas, afinal, o acúmulo, tanto físico quanto digital prejudica demais nossa criatividade.

Gostaram das dicas? E vocês, como organizam seus computadores?

imagem: Pixabay

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Defina 3 metas para realizar até o fim do ano

07/08/2015

Dica do dia: defina 3 metas até o final do ano  » Vida Conectada » #vidaconectada

Já passamos do meio do ano e muitos planos que fizemos na virada  já mudaram. A vontade de fazer aquele curso ficou pra trás, o emprego que desejava já não faz mais brilhar os olhos e tantos outros itens da lista de realizações já não têm mais motivos de estarem ali.

Nós mudamos a cada momento, e é mais que normal planejarmos algo pro ano, e depois de um tempo, querer adicionar novas metas e realizações e riscar outras do caderninho, não é mesmo? E hoje vim falar sobre revisão de planos pro fim do ano.

Estamos em agosto. Um mês de volta às aulas, de recomeços, e o início de uma reta final, e eu proponho a vocês que peguem seus caderninhos e anotem 3 metas que gostariam de realizar até o fim do ano. Pode ser aquela que você decidiu pôr em prática no começo do ano e nem começou, ou alguma ideia completamente nova. É muito difícil estipularmos uma meta para um ano inteiro por diversas voltas que a vida dá no decorrer dos 12 meses, mas se conseguirmos estipular apenas 3 metas realizáveis agora, as chances são muito maiores de que elas se concretizem.

Poderíamos anotar 10, 20 ou quantas metas desejássemos, mas focando em apenas 3 podemos ser mais realistas e trabalhar melhor e com mais foco em poucas, mas boas realizações.

Eu já estipulei 3 realizações que quero concretizar até o fim do ano e trabalharei nelas, evitando distrações. E vocês, o que gostariam de fazer até o fim do ano? Ainda há tempo de realizarmos muitas coisas que deixamos esquecidas. Vamos lá?

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr