Artigos sobre » Autoconhecimento

Reflexões sobre consumo consciente

20/05/2016

Reflexões sobre consumo consciente | Camile Carvalho #camilecarvalho

Um tópico que gosto bastante no livro da Marie Kondo (veja resenha aqui) é o de unir tudo da mesma categoria num mesmo lugar. Por exemplo, se você vai organizar livros, pegue todos os livros da casa e coloque no mesmo lugar pra começar a arrumação. Juntando tudo que está espalhado, temos uma visão geral da quantidade de itens em cada categoria.

Quando juntei todos os meus cosméticos no chão do meu quarto, fiquei impressionada com a quantidade de cremes (pra mesma função!) e outras coisas que nem lembrava que tinha guardado. Isso porque não juntei o que estava dentro do box (shampoo, condicionador, sabonete e creme de hidratação) por já estarem em uso e não necessitarem de um declutter.

Se você vai fazer uma arrumação dessas, sugiro que faça o mesmo que eu fiz: colocar tudo no chão do quarto ou sala pra ter uma visão do que andamos acumulando ao longo dos anos. E foi através desse método de organização e declutter que me dei conta de algumas coisas…

Quanto mais compramos, maior a tendência a acumular

Se temos apenas poucos e bons produtos, certamente pensamos duas vezes ao ver uma novidade pelo mercado. Quando já temos muitos, não nos importamos tanto em levar mais um, afinal, onde cabem 10, cabem 11.

Revisar é importante

Sempre falei sobre minimalismo no blog, desde 2010 (Vida Minimalista) e eu realmente consegui viver com poucos itens – e sobrevivi. No entanto, pela falta de revisão e um relaxamento natural, como se tudo já estivesse em seu fluxo, acabei comprando sem refletir muito, e então o acúmulo voltou sem eu perceber. Estar atento e revisar é fundamental, como no método GTD.

Compramos por uma ilusão

Quando aquele creme novo é lançado, há todo um trabalho de publicidade pra nos fazer desejar o produto através de promessas imateriais. Sempre vão associar o uso do produto – ou compra – à felicidade, e acabamos comprando achando que ele sim, vai resolver nossos problemas, mas quando o usamos em casa, pode até ser bom, mas não milagroso.

Não existem milagres

Como falei acima, compramos achando que aquele produto vai resolver nossos problemas. É ele quem vai fazer os cachos ou liso perfeitos, ou que vai enfim tirar as celulites, ou acabar de vez com as espinhas e manchas de pele, mas a verdade é que nenhum produto faz milagres. Ele pode sim, tratar aos poucos o cabelo/pele de acordo com suas substâncias ativas, mas milagre, jamais.

Cruelty-free é uma questão de escolha, por isso é tão importante.

Usar produtos que não testam em animais não é o fim do mundo, mas pode significar o fim do sofrimento animal. Na hora de escolher um produto, geralmente temos na prateleira um que realiza testes em animais e outro, ao lado, que não realiza.O que realmente de diferente acontecerá pra nós caso escolhamos o que testa em animais? Nada! E o que perderemos ao escolhermos o que não testa? Nada!

O fato de fazer a escolha por um produto cruelty-free não vai prejudicar o resultado final, muito pelo contrário! Muitos produtos de altíssima qualidade são de empresas que não testam em animais e possuem produtos veganos, como o Lolla Cosmetics, Amend e Lush. O trabalho aqui é mais em começar a se colocar no lugar do outro e ter a compaixão de não prejudicar outros seres só pelo nosso próprio bem-estar e ego.

Acredite, aquele produto que você tanto gosta e que é de uma empresa que realiza testes em animais pode ser substituído por outro que não testa. Nenhum produto é insubstituível! 🙂

Somos co-responsáveis pelo nosso planeta

Vivemos reclamando que nosso planeta está se destruindo, que o homem não o respeita mais, mas que pequenas mudanças podemos fazer no nosso dia-a-dia? O que estamos – ou vamos um dia – transmitir aos nossos filhos, sobrinhos ou crianças com as quais convivemos?

Acredite, cada pequena ação conta, e muito para fazermos um mundo melhor. E tenha a certeza que colocar aquele produto de volta na prateleira e pegar o que está ao lado que é um pouco mais eco-friendly já é um grande ato. Você pode pensar que só você não faz diferença no planeta, mas imagine 10 pessoas fazendo em seu bairro, 100 na sua cidade, 1000 no seu país. Faz sim, e muita diferença!

Essas foram as reflexões que fiz durante minha arrumação. Pra falar a verdade, separei alguns pra doar, outras embalagens de produtos vencidos irão pra reciclagem, mas ainda me sinto sufocada por tanta coisa que ficou. Não fiz uma super redução nos meus produtos, pois quero usá-los até o fim, tanto pra não desperdiçar produtos, quanto pra não desperdiçar o dinheiro que gastei neles, mas confesso que poderia simplesmente viver com muito menos deles. E vou, em breve.

E vocês? Usam produtos cruelty-free? Costumam comprar por impulso ou já estão refletindo sobre seu consumo? Contem pra mim aqui nos comentários!

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Video: Sobre crenças limitantes e vitimização

13/05/2016

Sobre crenças limitantes e vitimização | Blog Camile Carvalho | #camilecarvalho

O cenário é o seguinte: algo não dá certo em sua vida, e logo você pensa que já era de se esperar. Afinal, tudo na sua vida dá errado mesmo! Você até tentou que desse certo dessa vez, mas por causa de uma outra pessoa, todos os planos foram por água abaixo. Quer saber, se tiver uma próxima oportunidade, nem tentará novamente, já que nada dá certo com você.

Talvez eu tenha exagerado um pouco no drama, ou talvez não. Você consegue se enxergar em alguma situação que não deu certo e logo você culpou uma outra pessoa pelo fracasso ou se conformou de imediato, já que nada dá certo em sua vida? Talvez você esteja se fazendo de vítima da sua própria vida.

Crenças limitantes

Nossa mente é poderosa. Se quando vamos iniciar algum projeto já estamos conformados com crenças limitantes, dificilmente conseguiremos direcionar toda a energia necessária para que tenhamos êxito. Deixamos escapar pensamentos como “sou incapaz”, “nunca deu certo” entre outros, o que já nos causa um bloqueio antes mesmo de começarmos. Não tem como dar certo!

E o pior, muitas das nossas crenças limitantes são formadas e engessadas em nosso subconsciente a partir de experiências ligadas às emoções desde a nossa infância. Se observamos algum comportamento em nossos pais quando éramos crianças, muito provavelmente carregaremos aquela crença ligada à emoção até a idade adulta sem mesmo questionarmos, afinal, está tão enraizada que sequer pensamos sobre o assunto.

Sobre crenças limitantes e vitimização | Blog Camile Carvalho | #camilecarvalho

Dentre essas crenças limitantes, há três delas que são as principais e mais reproduzidas por aí de forma automática:

1) Eu não sou bom o suficiente

Quem nunca pensou em começar algo e no mesmo instante pensar que talvez outra pessoa seria mais bem sucedida? Que os outros teriam a capacidade, mas eu não? Este é um ponto muito importante que devemos trabalhar, pois dependemos da nossa própria valorização e respeito.

Não, você não é incapaz nem menor que os outros. Você é bom o suficiente para fazer o que deseja, e chegar ao lugar que sonha. Tudo depende de como você vai pensar e moldar seus pensamentos para que os próximos passos estejam de acordo com sua meta. Elimine essa crença e prospere!

2) Não há recursos suficientes

Uma outra crença limitante que permeia nossa mente é a de que não há abundância em nosso planeta. Mas a verdade é que tudo que existe no universo é abundante e suficiente para todos, basta fazer circular. Energia estagnada nos leva à sensação de falta de abundância, o que pode ser corrigido com a doação. Quando nosso recipiente está cheio de coisas que não precisamos, criamos uma estagnação de energia.

Assim, nada de novo chegará até nós. Faça circular a energia, doenão apenas bens materiais – e seja grato por tudo que você já teve. Você verá como o universo responderá de forma abundante, lhe entregando exatamente o que você precisa. Mas lembre-se, nem sempre o que desejamos para o agora é o que nós precisamos.

3) Todos estão contra mim

Essa é uma crença limitante muito perigosa. Somos uma grande rede de pessoas e energias que estão em contato e relacionamento constantemente. Ninguém entra em sua vida por acaso. Ninguém te faz algum mal por acaso. Tudo que acontece em sua vida tem um motivo, seja o ocorrido bom ou ruim. Pessoas boas nos apoiam e ajudam, mas pessoas que nos causam algum tipo de mal nos fazem aprender, nem que seja através de exemplo de como não devemos agir.

Todas as pessoas que cruzam seu caminho está ali por algum motivo, para te impulsionar em seu desenvolvimento, portanto, na próxima vez que pensar que os outros estão contra você – ou aquele famoso medo de não aprovarem o que você vai fazer – pare e pense: talvez o outro sequer esteja se importando. Hoje em dia vivemos olhando tanto para o próprio umbigo e com medo do que os outros vão pensar de nós, que esquecemos que o outro provavelmente está fazendo o mesmo: olhando para si, sem sequer te julgar.

Precisamos ter em mente que muitas vezes temos medos sem necessidade. Bloqueios nos paralisam e nos tiram a espontaneidade da criação, da realização. Mas será mesmo que devemos dar ouvidos a essas autocriticas? O que seria de você se nao pensasse sobre o julgamento dos outros? O que voce faria hoje se nao houvesse um alguém pra te julgar? E por que não começar então, já que muito do que você está pensando é apenas fruto de sua mente?

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr

Você está participando da sua vida?

05/05/2016

Você está participando da sua vida? | Camile Carvalho

Participação. Quando ouvimos essa palavra, imaginamos diferentes situações ligadas ao coletivo. Participamos de uma festa, de uma reunião, de um trabalho em grupo… mas e em relação à nossa vida? Estamos participando dela ou apenas deixando que ela passe automaticamente por nós?

Todo dia é um ciclo. O sol nasce e a noite vai embora. E então ele atravessa todo o céu e se põe no lado oposto, se despedindo do local onde estamos e então chega a noite. As primeiras estrelas surgem e fazem o mesmo trajeto, cruzando o nosso céu até desaparecerem do outro lado. E então novamente a noite dá lugar ao dia.

Será que reparamos em cada detalhe da nossa existência? Será que não estamos deixando que tais fenômenos incríveis se tornem comuns, rotineiros? Quando foi a última vez que você olhou pro céu e pensou na imensidão dessa energia e no sentimento de pertencimento? 

Somos um ponto quase irrisório nessa vastidão interestelar, mas não somos tão insignificantes quanto podemos pensar às vezes. Somos seres únicos, feitos de um mesmo princípio. O mesmo princípio de tudo que existe. Olhe para uma flor e veja sua beleza. Olhe para as estrelas e veja que mesmo longe, ela está ali, presente em sua vida.

Aprenda a contemplar pequenos momentos. Tudo parece tão simples, porém tão complexo. E essa é a beleza da existência, da criação.

Não deixe que sua vida passe sob seus olhos. Respire profundamente. Solte o ar pela boca. E sinta que você é o protagonista de sua própria vida. Sinta o seu pertencimento a tudo o que o rodeia e permeia. Valorize os pequenos detalhes de seu caminho e aproveite a viagem da sua vida.

Acorde para a sua própria vida, mantenha sua consciência desperta e participe da sua história.

imagem: pixabay

Compartilhe o artigo:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on Tumblr